Páginas

quinta-feira, 7 de junho de 2012

Marcello Caetano, a democracia e a "miséria moral"

Pinto Balsemão, o dono da Impresa que integrou a Ala Liberal da Assembleia Nacional, no outro dia, na sua tv e a propósito da guerra comercial de morte que mantém com a empresa OnGoing, disse que havia por aí uma grande "miséria moral". E há. Basta ler estas quatro páginas do livro Marcello Caetano, Confidências no exílio, de Joaquim Veríssimo Serrão, amigo daquele, publicado em 1985, para perceber muito bem qual é essa miséria moral. Mas não necessariamente aquela a que se refere o tal Balsemão. É outra, de outro género e mais mortífera para a sociedade portuguesa. Uma miséria moral que os media de Balsemão difundem a toda a hora.
Basta clicar para ler o que Marcello Caetano pensava do 25 de Abril, de quem o apoiou e porquê e quem o traiu, sobre a Ala Liberal de Sá Carneiro, sobre este e outros.   




Marcello Caetano, sobre a democracia e o regime que lhe toma o nome, actualmente em Portugal, escreveu  isto em Abril de 1976, dois anos depois do 25 de Abril. Se alguém for capaz, atire-lhe pedras de razão que a possam contrariar.




44 comentários:

Wegie disse...

Vá lá: De seguida um post sobre as vantagens da democracia orgânica sobre a democracia individualista...

hajapachorra disse...

Admiro o Prof. Marcello como historiador e historiador do Direito em Portugal, no mais é estranho mas, vá-se lá saber porquê, faz-me lembrar Mário Soares. A atitude é a mesma, o mesmíssimo desrespeito pelos outros, a mesmíssima soberba, e só encontro duas diferenças, não pequenas, claro está, um era um sábio e o outro é ignorante, um não tinha jeito nenhum para a 'política', o outro viveu sempre desse talento. No mais, parecem-me iguaizinhos, a mesma bosta antidemocrática. O sacana diz o que diz dos tecnocratas quando foi ele que os inventou? parece Soares a falar dos morcões do Ps. Há um problema com gente daquelas gerações: não eram, nem podiam ser democratas. E este regime merdoso também assim se explica: foi feito por antidemocratas e hoje, et por cause, é governado por delinquentes e medíocres.

Wegie disse...

A democracia orgânica não se extinguiu vive:

http://www.ionline.pt/dinheiro/equipa-francisco-bandeira-aceita-perdao-parcial-da-divida-da-antiga-dona-bpn


http://www.galilei.pt/orgaosociais.php


http://mundoseternos.wordpress.com/biografias/fernando-lima/

Floribundus disse...

em Portugal nunca um regime foi tão autocrata e corporativo como o parido a 25.iv

Floribundus disse...

A minha amizade com o Prof Manuel Antunes (SJ) é anterior ao 26.iv. publicou artigos meus na Brotéria sobre droga que posteriormente saíram em livro. Conhecia bem a ala liberal e não só. Almoçavamos semanalmente num restaurante da rua de Buenos Aires. Uma dessas anedotas era prof de medicina. Diagnosticou diabetes ao meu amigo. Quando me contou era tarde para o salvar. Levei-o au laboratório de analises clínicas e verificamos que a sua glicémia era normal depois da ingestão de açúcar. Há muitas formas de homicídio. Esta é uma delas.
O meu nº de tel diferia no último algarismo do atribuído a Magalhães pasta, ministro sem Mota. Quando falava na tv era eu que ouvia os insultos.
Conheci os salgueiros, martins e todos os referidos por Caetano. O senhor foi muito benevolente para estas lástimas. As que vieram depois foram piores. A sociedade regride a olhos vistos. 'olho que vê, mão que pilha'

josé disse...

Independentemente dos rótulos o que Marcello escreve aproveita-se. E o retrato que faz da actualidade foi uma mera profecia prognosticada pelo saber e conhecimento da natureza humana. Sempre igual.

mujahedin مجاهدين disse...

Verdade, José. Obrigado por mais um aspecto da história que tantos procuram enterrar. Vou tratar de comprar esse livro.

Concluo o seguinte:

Havia sete cães a um osso.
Quem mandava já notava que os cães salivavam pelo osso e se manifestavam impacientes e inquietos para o rilhar. Sensatamente, manteve-o fora do alcance deles.
Entretanto, os militares vieram, tomaram o osso e atiraram-no aos cães. Os cães ocupam-se agora a rilhá-lo.
O osso somos nós.

josé disse...

Vende-se na feira do livro do Porto, acho. Logo nos primeiros stands, junto á Porto Editora. Livros antigos.

Vivendi disse...

Obrigado José por divulgar o passado.

josé disse...

Suponho que não encontra disto em lado nenhum. Os democratas de agora não gostam dos "fassistas" e por isso censuram numa acção que criticavam àqueles.

hajapachorra disse...

Desde Platão e Aristóteles que há democratas e antidemocratas, aqueles são mais raros, mesmo quando se vive em 'democracia', como agora. Não são rótulos, são formas da natureza humana que é aquilo que dela fazemos. Bem sei que comparar Marcello e Soares é insultuoso para os admiradores de ambos, mas a ideia é essa, insultá-los, porque quer um quer outro fizeram muito mal a este desgraçado país. E sempre gostava de saber- o José tê-lo-á anotado - que apreciação fazia, duvido que tenho feito alguma, o Professor de outro nunca assaz falecido, o bacoco do Veiga Simão, esse democrata por antonomásia. O que é também curioso é que Marcello não consiga arranjar matéria para dizer mal de Sá Carneiro. Marcello a acusar alguém de precipitação só pode ser um elogio.

zazie disse...

Mas como é que o Marcello podia ser democrata se vivia em ditadura?

ahahahahah

Quanto muito podia dizer que não deixou que brilhassem demais. A crítica só aponta vaidades.

Mas a verdade é que nós apanhámos com eles e não me parece que fizessem a diferença.

zazie disse...

O Caetano fez mal a Portugal como?

Por acaso, agora fiquei intrigada. Vindo de um conservador, é um tanto estranho.

Quer dizer que fez pior que o Salazar ou que todos os que o antecederam?

Não entendi.

zazie disse...

Quero eu dizer, vindo do hajapachorra não há-de ser k7 a culpá-lo de não ter largado África, ou assim qualquer coisa no género.

E também não imagino que seja a outra mania neotonta que também foi um socialista corporativo que criou uma série de vícios proteccionistas e assim.

lusitânea disse...

Para mim o Marcelo teve tempo de tomar medidas, mas preferiu a continuidade do deixa andar desde a queda do Salazar.Curioso seria averiguar o porquê do abandono da tropa que apoiou o regime desde o 28 de Maio.E o porquê de nas universidades se ensinarem as ideias da oposição, até quando ele foi reitor.Que depois foram fazendo a doutrinação dos QP´s pelos sertões africanos.Governar é prever.O Marcelo não teve essa qualidade.Nem o de motivar a nação para um mesmo fim.Principalmente a juventude disposta a combater em especial na Academia Militar.Que em 1973 formou em infantaria 13...para duzentos mil combatentes.
Depois seria interessante fazer-se a anatomia do golpe e das suas causas.E do tempo que teve para o evitar retirando as causas.O que nunca fez...
Para os mais curiosos digo que sempre tive a curiosidade de tentar saber de entre os que fizeram o "golpe" se haveria alguém ligado ao "contra".E não encontrei.Depois do 25 e com a chegada dos "democratas" aí sim as coisas começaram a mudar.Mas caramba eles foram para o governo...

zazie disse...

Isso das universidades é mentira. O Dragão também diz o mesmo e é falso.

Eu não me lembro de um único prof (mesmo os que eram de esquerda) vender o que quer que fosse desse género.

Antes pelo contrário. Até o da "Joana come a papa" limitava-se a vender o livrinho dele que se ia comprar à Católica.

Eram todos bem-comportadinhos. Deram em revolucionários e democratas só depois do 25 de Abril.

lusitânea disse...

Pois pois o desporto na cidade universitária onde participasse a AM era oportunidade de ver o carinho de todos os estudantes.E depois quando os que não podiam fugir tinham que ir à tropa via-se mesmo que já tinham saído assim da barriguinha da mãe...pois que não havia avantes em papel de bíblia, nem máquinas de duplicar na mão do JPP e de montanhas de outros apostados acima de tudo no esquivar-se ao sacrifício pessoal e ao risco em nome do que quer que fosse...

mujahedin مجاهدين disse...

.E o porquê de nas universidades se ensinarem as ideias da oposição, até quando ele foi reitor

Talvez porque, na verdade, Caetano pretendesse uma mudança do regime no sentido de uma maior abertura. Mas Caetano queria, sensatamente, proceder com cautela pois adivinhava, como se pode ler nos documentos do postal, que muita gente impaciente para ter poder o queria para o exercer numa lógica de serviço não à nação mas a si próprios.

E a verdade é que a oposição civil pouco ou nada conseguia fazer, tirando nos meios estudantis, em que a insensatez e boémia típicas desse meio levam a que seja especialmente vulnerável e atreito à propaganda subversiva disfarçada de intelectualismo.
Suspeito, e o próprio Caetano o afirma, e também se pode inferir pelos postais do José, que a maioria das pessoas estava relativamente satisfeita com o regime, ou pelo menos com a direcção que levava. Ou não se vivesse na altura um dos períodos mais (verdadeiramente) prósperos de Portugal.

Daquilo que venho sabendo e aprendendo, parece-me que Marcello Caetano era um homem dedicado, não ao regime, mas à nação portuguesa portanto ao povo português. Teve azar (tal como o país) e impediram-no de continuar a cumprir o seu dever. É estranho escrever isto, uma vez que hoje em dia soa a anedota falar de políticos a cumprir deveres. Mas é apenas mais um reflexo de quão ignóbil é o estado da nossa sociedade e de quem nela manda que escrever sobre dever invoque risada em vez de reflexão.

Hoje, Caetano leva simultaneamente por ter sido fassista ou por o não ter sido suficientemente. Não deixa, apesar disso (ou talvez por isso mesmo), de deixar transparecer uma dignidade, seriedade e craveira intelectual que transformam em medíocres palhaços os que hoje em dia dependem do poder para sobreviver como drogados dependem da heroína. Verdadeiros junkies do poder. Ou, em vernáculo urbano tuga: "carochos'.

Vivendi disse...

Zazie,

A engenharia social começa no sistema de ensino.

Hoje é consensual que um dos grandes erros dos partidos de direita foi não terem explicado à população o que era de fato o comunismo, e não apenas na universidade, mas desde a primária.

Vivendi disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Vivendi disse...

Mujahedin,


A dinâmica do Maio de 68 era muito forte. E acabou por contagiar os jovens universitários. Os jovens são de modas.

Outro motivo foi a forte pressão que tanto a CIA e a URSS exerceriam contra o regime.

Portugal era um caso de sucesso para bom entendedor. E isso causou muita fricção. Era preciso destruir o regime.

Carlos disse...

Ops!...mais uma vez, o meu comentário não entrou. Nã sei se é por ser extenso, ou se é qualquer problema com o blog.

zazie disse...

Eu não sei o que é isso. Andei numa de Letras. Não havia sequer muitas universidades.

Ora, se nem na de letras, onde se propiciaria essa intromissão rasteira de doutrinação comunista, existia, então, onde é que antes do 25 de Abril havia profs comunas a ensinarem isso aos alunos?

Já disse que não acredito e que é mito.

Havia comunas, claro e tudo isso da oposição até passava era nos jornais e nas revistas.

Agora a patranha que foi nas universidades que se propagou, pelos profs, é treta.

Pelos grupelhos de alunos, sim.

zazie disse...

Quanto ao resto, posso é garantir que num curso de História da Nova nunca se chegou sequer à República.

E em História Cultural nunca se deu o fascismo nem nazismo, nem comunismo. O António Reis baldou-se. Disse que isso ficava para a Bonifácio em Economia.

E ninguém piou. Contaram-me que foi lá o Rosas dar um comício na última aula a que se chamou República

ahahahahahah

Portanto, os nossos revolucionários são assim. Nem antes nem depois- é por causa da clandestinidade.

Agora é que vendem congressos de aventalícia e neo-marxismo. Mas é a geração dos filhinhos e netos que os tem por bandeira.

zazie disse...

"um dos grandes erros dos partidos de direita"

O que é isso? viu ETs, foi?

Partidos de Direita em Portugal?

Essa é para rir.

zazie disse...

Mas o comunismo de fato (e casaco) sim, é uma coisa muito decente, mesmo que vá nu

ahahhahahaha

Alguém vos apontou uma arma à cabeça para andarem a escrever brasileiro?

A mim não. E faz-me confusão como há tanta gente tão desobediente da boca para fora e tão mandada no dedo.

lusitânea disse...

Partidos de direita em Portugal?Também acho... eu bem procuro com lupa de aumento mas nada de nada!São todos socialistas e internacionalistas!Limitaram-se a "dividir" os tachos e as áreas de "participação".O zé povinho esse vai descobrindo as maravilhas do "mundo novo" que no nosso caso é o "homem mulato" em construção...devidamente subsidiado!

Vivendi disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Vivendi disse...

Global... Global... Não foi exclusivo a afirmação a Portugal.

Hoje o comunismo ainda respira, a doutrina dominante e a engenharia social é de esquerda, e já chegou aos EUA com o Obama.

Já tivemos direita com o prof. Adriano Moreira. O P Portas perdeu-se. E Sá Carneiro poderia ter-nos mostrado uma visão nórdica.

Vivendi disse...

Sobre a ortografia. Portugal entrou numa decadência sem fim. E a produção em português virá cada vez mais dos lado brasileiro. As elites intelectuais brasileiras estão a ficar cada vez mais avançadas em relação as portuguesas. Só não vê quem não quer. Logo sou a favor do acordo. Negociou mal? Bestas dos portugueses que a negociaram. Mas a vida continua e o mundo não para.

zazie disse...

A favor de que acordo?

Se lhe dissessem para escrever terno em vez de fato, escrevia, não escrevia?

E escrevia melhor. Porque os brasileiros têm uma série de vocábulos que nós não temos para distinguirem as coisas.

Assim, nem é brasileiro, nem português- é subsirviês.

E obedecem porque alguém manda. Nem questionam a forma, macaqueiam porque sim.

Não consigo respeitar isto nem entender como alguém que obedece assim pode depois falar em "patriotismo" ou rebeldia contra o que quer que seja.

zazie disse...

É pelo mesmo motivo que não actualizo o template do blogue ou não ando a fazer upgrades de telemóveis.

Porque sou biologicamente conservadora e nunca entendi a preocupação em ficar à moda, porque alguém disse que era assim.

mujahedin مجاهدين disse...

Vivendi,

que concorde com o resultado do acordo, é lá consigo. Agora concordar com o acordo é que não pode ser. Porque não é acordo nenhum. Só se for acordo para desacordar...

Sabe o que vai acontecer? Os brasileiros vão continuar a alterar a maneira como falam e escrevem, porque se estão nas tintas para ambas. Passados vinte anos de agora ainda havemos nós de andar discutindo o (des)acordo, que entretanto já estará desactualizado porque os brasileiros já hão-de escrever de forma diferente. Eles são o oposto de conservador, no que respeita à língua.

Resultado: mutilámos a nossa língua. Pior, acabámos com o Português global. Porque a verdade é que só os brasileiros escrevem de forma diferente. Em África, tanto quanto sei, ainda aprendem o Português original e correcto, não o Brasileiro. O (des)acordo vai acabar com isso. A ambiguidade que insere na língua vai estilhaçá-la em dialectos locais conforme as pessoas prefiram escrever de uma forma ou outra...

É uma parvoíce. Aliás, é uma barbaridade. Literalmente. Bárbaros a destruírem cultura.

Vivendi disse...

No meu caso pessoal eu tenho ligações ao Brasil. Não me causa confusão.

O português é acima de tudo um ser que se adapta, seja às circunstâncias seja em qualquer local do mundo.

Veja também o caso da língua inglesa, que nem sequer tem academia de letras, e quando precisa de uma palavra cria na hora.

Mas compreendo e respeito a sua posição zazie e no seu caso não mudaria sequer um acento para aproximar ao novo acordo.

O mais importante é não perder a língua portuguesa e não esquecer os grandes autores.

No passado estávamos phodidos, agora estamos fodidos e no futuro logo se verá.

Vivendi disse...

Mujahedin,

Entendo e respeito.

zazie disse...

Se tem ligações ao Brasil mais uma razão para perceber que nenhum brasileiro confunde os termos porque possui uma série de vocábulos que nós não temos.

Portanto. repito a pergunta: v. vai passar a escrever terno quando quer diferenciar um facto/fato de um fato/vestuário?

Ia jurar que não vai. Nem a ligação ao Brasil o permite.

V. obedece, copiando, o que mandaram copiar e mais nada.

zazie disse...

Mas deixe lá que toda a gente obedece.

Eu é que estou desfasada. Nunca mudei hábitos por decreto.

Vivendi disse...

Não! Irei sempre pensar no fato. Nunca vestirei um terno, para mim será sempre um fato.

Eu entendo muito bem a vossa posição e sejam intransigentes.

Também não obedeço a decretos foi mais por opção.

Mas eu sou de uma geração em que já destruíram o português. Ainda apanhei uma professora primária do antigo regime (fiz parte da sua última turma onde fomos acompanhados com uma régua de madeira de 2 dedos). Daí para a frente só levei com palhaçadas educacionais. E sinto que foi prejudicial no desenvolvimento das minhas capacidades, não só a mim mas a toda uma geração.

hajapachorra disse...

Foda-se, caralho, mas não tenho vida praisto. Se quereis eisplicações (nada de arregalar o olho, muito menos o infame, pq é assim que escrevem os meus alunos brasucas), tendes de pagar, sei lá, em bilhetes para a final do euro, qualquer que ela seja desde que seja ao lado da mulher do sousa tavares, caneco.

Bic Laranja disse...

Cá para mim, se o das ligações ao Brasil (Portugal inteiro as tem) se sente prejudicado no desenvolvimento das suas capacidades, que processe alguém. Deus, por exemplo, que o não o abonou de mais tino.
Cumpts..

Vivendi disse...

BIC Laranja,

Eu sou agradecido a Deus pelo que sou. E a primeira coisa que a minha loucura divina me diz é não fazer juízos de valor sobre o próximo.

E quanto a processar alguém torna-se difícil pois foi toda uma carga de orientação ideológica para estupidificar as pessoas. Prefiro ver os responsáveis a cair de podre.

Bic Laranja disse...

Vossemecê não me é próximo. Pode ajuizar à vontade sobre mim. Quanto a processar alguém ou a Providência é consigo (ou com você, já que os pronomes lhe devem causar confusão).
Passar bem.

hajapachorra disse...

está tudo grosso

Mmiguel disse...

Marcello Caetano é a prova de que é impossivel ser fascista e ter ideias... apenas + um idiota que queria manter tudo igual. E acabou da pior maneira + de 400 anos da escravatura portuguesa em africa...
Marcello Caetano era o doutrinador da mocidade Portuguesa os "cabeças quadradras" ou os tarolas que aterrorizavam os portugueses.. e ensinava aos miudos(chegaram a ser 600 mil)que Portugal não sobrevivia sem o ultramar... Uma grande BESTA com letras maiusculas.