Páginas

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Belmiro queria comprar a PT. Sócrates, Salgado e Bava não deixaram.



O patrão da Sonae, Belmiro de Azevedo, escusou-se hoje a comentar a demissão de Zeinal Bava da Portugal Telecom e desafiou os jornalistas a investigar a história da PT para que esta seja "devidamente contada".

"A história da PT há de ser devidamente contada, mas não é por mim, é pelos jornalistas. Se eu nunca disse o que se passou, não é agora que vou dizer, quando os jornalistas têm matéria mais do que suficiente para pegar na história", declarou, à margem do III Congresso das Indústrias de Base Florestal (AIFF).
Entre 2006 e 2007, o antigo homem forte da PT, Zeinal Bava, destacou-se na oposição à Oferta Pública de Aquisição (OPA) lançada pela Sonaecom, arregimentando acionistas e contribuindo para o insucesso da operação. 
Afirmando ironicamente que foi sempre derrotado e sempre ganhou dinheiro, Belmiro de Azevedo recordou que a Sonaecom cumpriu, na altura da OPA, várias condições que lhe foram exigidas e perdeu "por causa de uma coisa" inventada à última hora. 
"Naquela altura, houve uma alteração muito importante, inventou-se uma nova coisa que não estava prevista", destacou. 
No início de março de 2007, após um processo que durou mais de um ano, a maioria dos acionistas da Portugal Telecom votou contra a desblindagem dos estatutos da empresa, fazendo cair a OPA, já que esta era uma condição essencial para a continuação da oferta 
Na noite de terça-feira, a operadora brasileira de telecomunicações Oi anunciou ao mercado que Zeinal Bava, um dos rostos do processo de fusão entre a PT e a Oi, tinha pedido a demissão da presidência da empresa brasileira. 
Zeinal Bava tinha assumido a presidência da Oi em junho de 2013, quatro meses antes do anúncio da fusão das duas operadoras. 
O gestor sai do cargo ainda no rescaldo das aplicações financeiras da PT na Rioforte e numa altura em que existem notícias de que o grupo francês Altice está interessado na compra dos ativos da operadora portuguesa, que atualmente estão incorporados na Oi.  

Em 2006, em plena euforia do governo de José Sócrates, Belmiro oferecia pelas acções da PT qualquer coisa como 11 mil milhões de euros. Ficava em Portugal, apesar da Telefónica espanhola acompanhar o "ticket". Hoje, a PT vale um chavo. De quem a culpa directa? Três nomes: José Sócrates, Ricardo Salgado e Zeinal Bava.
Quem vai pagar a conta? O povo português, como de costume. O BPN ao pé disto é uma brincadeira de putos.

16 comentários:

JC disse...

Ainda estou para perceber a que titulo é que o Zé "Anal" Baba, tendo-se demitido da OI, ainda recebeu uma indemnização.
Quem se demite recebe indemnizações?

josé disse...

Isso acho normal. É assim nas empresas modernas.

É um escândalo? Claro, mas já ocorreu no BCP...

José** disse...

Depois dos aeroportos, mais uma actividade estrategica em mãos francesas?

Floribundus disse...

a PGR investiga a TAP (tieipi).
este caso não pode ter o mesmo destino,
assim como o dos Ges-bes ?

muita gente 'calada como ratos'

qualquer vulgar contribuinte já estava há muito na 'pildra'

por muito menos está por lá Vale e Azevedo

josé disse...

A investigação criminal destes casos nada pode dar. Por uma razão: nem sabem onde fica a parte criminal porque a lei não permite saber.

Era bom que as pessoas soubessem claramente isto.

Floribundus disse...

obrigado
suspeitava disso ao assistir a tanta insistência sobre estes casos

as chamadas 'águas de bacalhau'.
coloca-se o salgado de lado.
'blindagem' do poder e dos poderosos

parece a história verídica do impotente sexual que passou a vida a gritar
« -é agora !, é agora !»

por estranha associação de ideias estava a ver aguarelas sobre Viena e encontrei as de Herr Adolf que não foram destruídas

depois de ler o livro de Kubizek, seu amigo de juventude, procurava encontrar alguma ligação com Oswald Spengler, autor do 'naufrágio do Ocidente'

temos canalhas bem piores que se fazem passar por democratas e são adorados como tal





Maria disse...

Mas, José e desculpe a ignorância, não se trata clara e objectivamente de um crime (à falta de melhor designação) constitucional o simples facto de "a investigação criminal... nada pode dar"..., porque a Lei não permite saber "onde fica a parte criminal"???

E será possível aceitar ou sequer compreender que semelhante despautério faça parte do clausulado de uma Constituição que foi supostamente elaborada na base de um regime propiciador de uma liberdade absoluta - e que, segundo os falsos democratas anunciaram há quatro décadas, seria o exacto oposto do regime anterior em que aquela era completamente omissa... - assegurada por um regime democrático pretensamente liderado por políticos honestos e patriotas? Ou tratar-se-á afinal de um arremedo de Constituição (como de resto o é o próprio regime mais os políticos que o representam) feita à medida dos vigaristas que nos assistem como governantes desde há quarenta anos e que se acham auto-suficientes para, com manobras ardilosas e traidoras, beneficiar exclusivamente a seita política a que pertencem e comandam, bem como os respectivos camaradas (alguns dos quais autores comprovados de gravíssimos crimes económicos e muitíssimo mais graves de sangue e nunca julgados nem condenados), suas famílias e amigos ???

foca disse...

Belmiro oferecia 11000000000€ que não tinha.
Como é evidente a esta altura já tinha vendido tudo em pedaços.
Considerando que pelo meio aconteceu uma crise de enormes proporções, no mundo, estava agora a vender os supermercados a chineses para pagar a ousadia, ele ou um gestor de falência.

José disse...

E a alternativa a essa história alternativa futurista, foi...?

A falência de uma empresa de bandeira nacional, se assim se pode dizer.

Por outro lado, Belmiro ainda tem cartas na manga das telecomunicações. Não faliram...

Kaiser Soze disse...

Esta crise e este lixo todo que daí adveio faz-me sentir parvo mas, ainda assim, é uma lição da diferença entre a realidade e a sua percepção.

Nunca me passou pela cabeça que o BES fosse o que é e desse no que deu.
Também eu achei que ele era o maior quando não precisou de ajuda.

O Bava é relativamente parecido.
Qdo é eleito em termos europeus o maior, não vi razão para duvidar. O facto da PT ser, basicamente, um monopólio não me pareceu suficiente para achar que qualquer um faria o que ele fez.
Agora, pumba! Desaba a casa.

Um gajo anda de olhos tapados e nem sabe.

Kaiser Soze disse...

PS (não o partido mas o post scriptum): é neste clima de terra queimada que os Márinhos E Pintos se safam.
Foi assim que foi eleito bastonário, num clime muito parecido... e isso é assustador.

José disse...

E que tal um regresso ao essencial ( back ti the basics, diria o parolo Bava)?

E que tal um estudo cuidado de Salazar, um verdadeiro português?

Neyhlup Josand disse...

José: Pagava-lhe bom dinheiro se disponibilizasse os 6 volumes dos Discursos e Notas do Prof Oliveira Salazar. Se o fizesse por um valor abaixo do que vendem nos poucos sítios em que se poderiam encontrar :)

"E que tal um estudo cuidado de Salazar, um verdadeiro português?"

Lance-se ao desafio José, compro-lhe o Livro :)


josé disse...

Josand:

Não tenho esses volumes. E não tenho estaleca intelectual para fazer um livro desses. Nem tempo.

Para fazer um livrito qualquer já há por aí quem o faça.

Falta-nos de facto um Historiador a sério que consiga fazer tal obra. Porém, Franco Nogueira já o fez de algum modo, embora demasiado benevolente e panegírico.

O que precisamos mesmo é de alguém que consiga sintetizar num romance ou numa obra de fôlego o verdadeiro sentimento geral do povo português, na década de 60 para os setenta.

Essas duas décadas é que nos marcaram o futuro que estamos a viver.

Podiam por exemplo pegar num personagem tipo Pacheco Pereira e estudar-lhe a vida, para se perceber como foi que nos desvirtuamos como povo.

AAA disse...

O foca tem toda a razão!
Se o Belmiro tivesse ficado com a PT a Vivo seria vendida de imediato, como ele próprio admitiu na altura.
A somar a isso a crise que a partir de 2008 secou a concessão de crédito teria levado a Sonae a vender a PT aos bocados. Não esquecer que a proposta da Sonae somava a dívida gigantesca do grupo à dívida estratosférica decorrente da OPA.
Não tenho dúvidas, por isso que, com Belmiro, a PT, tal como a conhecemos, já não existiria hoje.
A questão é, portanto, outra: má gestão por parte de Bava e companheiros que nos trouxeram até aqui, como imensa destruição de valor. Isso é que é chocante!

José disse...

Essa previsão catastrófica é um pouco ficção futurista. O melhor será perguntar a opinião aos interessados directos. Mas eles não falam...