sábado, 22 de junho de 2019

O atentado ao estado de direito contado por Filipe Pinhal

Sol de hoje, entrevista extensa a Filipe Pinhal, o antigo administrador do BCP que sabe do que fala. Diz que foi corrido do lugar por intervenção de uma tripla: José Sócrates, Teixeira dos Santos e Vítor Constâncio, as pessoas que em 2007 tiveram poder para tal e o exerceram. 
O que se passou nessa altura constitui um dos fenómenos visíveis do atentado ao estado de direito que foi revelado no processo Face Oculta na parte mediática e que não foi tomado em consideração pelo poder judiciário da época, dominado por pessoas ligadas, ideológica ou simpatia política àqueles três estarolas da bancarrota de 2011.
Só por isso os estarolas deviam estar presos e por muitos anos...se fosse possível criminalizar tais actos, uma vez que o mal que fizeram ao país e a milhões de pessoas, principalmente pobres, é incomensurável. O estarola-mor da economia, Teixeira dos Santos, um sem vergonha, ainda tem uma lata inacreditável que se comenta a seguir, através do que escreve um cronista do jornal.

O período de 2005 até à bancarrota é provavelmente o período mais negro da história de Portugal contemporâneo. Dificilmente se encontra outra, incluindo o PREC.

Meia dúzia de pindéricos julgaram poder dominar o país por muitos e bons anos, para a comandira que capitanearam. Foi esse o crime. Felizmente eram apenas isso; pindéricos. Um deles- Vara-  já está a pagar , mas acredito que outros virão a seguir pagar a sua quota-parte, em liberdade que retiraram a outros por via do que fizeram.  É a Justiça a funcionar.

Há uma menção de Pinhal a um facto interessante: diz que o famigerado Carlos Santos Ferreira, um oblíquo gestor de interesses, obviamente um almocreve de um certo poder, referiu na altura que era um simples feitor que guardava a herdade ate o patrão chegar e tomar conta.
Quem seria tal patrão? A descoberta não é evidente e será preciso ver quem tinha perfil, ocasião ou oportunidade para tal. Quem é que queria ser presidente do bcp quando as coisas fossem assim dominadas como pretendiam?
Será que a presidência que o pindérico ambicionava era apenas essa?





Sem comentários:

Miguel Sousa Tavares, outro tartufo