sexta-feira, 28 de junho de 2019

Quem foram os 2500 amigos de Freitas do Amaral que lhe pagaram as dívidas?

Freitas do Amaral, em entrevista ao i de hoje, a propósito do lançamento do seu último livro de memórias, diz que conseguiu pagar as dívidas da sua campanha eleitoral para PR, em 1986, recorrendo a donativos de 2500 amigos e conhecidos. As cartas foram assinadas por Proença de Carvalho que fora o director de campanha eleitoral.

Freitas do Amaral quase ganhou a disputa eleitoral com Mário Soares, em Fevereiro de 1986. Algumas dezenas de milhar de votos fizeram a diferença e tudo indica que vieram de apoiantes do PCP e da esquerda comunista.

Soares ficou a dever-lhes a vitória.

Em 4 de Janeiro de 1986 os prognósticos eram favoráveis a Freitas.



Na véspera da eleição o Expresso mostrava a hipótese quântica:




Curiosamente, o seu dono, F. Pinto Balsemão,  escrevia esta posição clara a favor de...Mário Soares. Incrível!



Em 18 de Fevereiro o Jornal de Notícias mostrava os factos e prognóstico final:


Portugal era então o país mais atrasado da Europa, conforme assegurava o O Jornal de 3.1.1986.


Passados mais de 30 anos não saiu dessa posição...e uma das causas parece bem clara: a corrupção endémica no país. Começou logo, como denunciava o Semanário de 7.6.1986:



Quem mandava então no PS? Este que agora sua suores frios quando vai à A.R. Quem o pôs no poleiro? Um certo Guterres que dali a dez anos veria chegada a sua hora de fazer a mesma porcaria de sempre que o PS está habituado a fazer.



E quem mandava no PSD? Cavaco e alguns cavaquistas.


Dali a pouco tempo viriam as maiorias absolutas do PSD, os dinheiros da CEE e a paixão pela educação do tal Guterres, dez anos depois.

Passados trinta ainda cá estamos na cauda dos países europeus e são estes os líderes que tivemos.

Quanto a Freitas do Amaral, diz que ficou sozinho. Para combater a solidão, mudou de cor e de amarelo passou a rosa, tornando-se socialista e ministro de um tal Sócrates.

Diz assim no i de hoje, explicando como pagou as dívidas. Descobriu também que afinal o desastre de Camarate em que perderam a vida Sá Carneiro e Amaro da Costa e outros, foi um atentado terrorista para assassinar este último. Curiosamente, em Dezembro de 1980 foi o primeiro responsável político a aparecer na televisão a assegurar que tinha sido um acidente e durante os inquéritos que se fizeram nunca ajudou grande coisa para se descobrir aquele resultado. Portanto, ficou sozinho e devia ficar ainda mais.
Quanto ao pombo correio que lhe enviou as 2500 cartas, passou para o PS e foi um dos advogados de José Sócrates chegando nessa altura a capitanear conselhos de administração das maiores empresas nacionais e a ajudar quem mandava nelas. É um dos Sombras deste regime:




Com estes personagens não admira que em Portugal se tenha estabelecido uma cultura de corrupção, profunda e dificílima de desenraizar. 

Joana Marques Vidal disse à Rádio Renascença que "Estado está capturado" e que redes de "corrupção e compadrio" estão disseminadas pelos vários organismos do Estado.


Para se extirpar este mal é preciso acabar com a influência daqueles notáveis...particularmente de certos advogados do regime que fizeram leis, interpretaram códigos e vendem pareceres aos Governos a preço de ouro. Et pour cause...

Tal como diz o ex-ministro do PSD de Passos Coelho, Álvaro dos Santos Pereira, sobre as tentativas de corrupção de que são alvo os governantes: 

“Comigo as pessoas sabiam que não tinham hipótese. Eu atuaria logo com quem tentasse pisar o risco. Denunciaria logo. Nunca ninguém tentou. O que acontece não é corrupção, mas é algo indireto, que é a feitura de leis. Houve uma altura em que os privados, especialmente na área da energia, perguntaram a alguém no Ministério da Economia: ‘Vocês têm pouca gente, não querem que façamos a lei e depois vocês fazem o que quiserem?’. Isso era o que se fazia anteriormente e é gravíssimo. Não pode acontecer.”

Sem comentários:

Miguel Sousa Tavares, outro tartufo