domingo, maio 08, 2022

A Justiça do povo

 Em Outubro de 1975, em pleno PREC, Portugal vivia um período revolucionário em que a Justiça era assim, como mostra esta reportagem de uma "okupação" em que o direito de propriedade do Código Civil passou a ser coisa fascista, assim qualificada se os titulares fossem também designados fassistas. Por quem? Pela esquerda comunista e popular. Um "pide", neste novo código só podia ser um fassista, coisa que ninguém contestaria. Daí o à-vontade deste texto jornalístico que segue e reflecte tais concepções. 

A linguagem poética ( "cresce a vontade popular nos jardins") mistura-se com o fervor revolucionário que a alimenta a ódio ( "é corrente comparar a Revolução a uma fogueira"). A fogueira é símbolo de purificação, já o era no tempo da inquisição. 

Flama 3 de Outubro de 1975. A mentalidade aqui mostrada está viva e actuante no Bloco de Esquerda e no PCP, actualmente. Apenas se esconde nas entrelinhas dos seus programas, à espera de oportunidade para saltarem para o texto principal. 

A propriedade em causa era privada, pertença de alguém que a tinha herdade de modo legítimo. A proprietária era casada com um "pide". E só por isso, a família ficou sem a propriedade, okupada por revolucionários com discurso igual ao que o texto jornalístico transmite. O texto é assinado por Eurico Gonçalves e reflecte o espírito da época e o que viria a ser Portugal no caso da esquerda social-comunista ter vencido o 25 de Novembro de 1975. 








Sem comentários:

A outra senhora advogada