segunda-feira, maio 16, 2022

Manassas de Stephen Stills.

 Se há disco que acompanha bem Exile dos Stones é Manassas de Stephen Stills, aliás publicado quase na mesma altura e que a Mundo da Canção publicitava como custando o mesmo, ou seja, um pouco mais que um par de calças Levi´s.

É de um estilo diferente, duplo também, com quatro lados diversos uns dos outros. Os lados dois e três valem o disco dos Stones, para mim. O disco é um dos marcos do country-rock e é isso que mais me atrai e já era assim quando o escutava nessa altura, no rádio, em Julho de 1972.


Poster interior com um apelo explícito ao voto, em Novembro desse ano. Nixon ganhou, mas dali a dois anos perdeu tudo. 


O tema What to do não é desses lados, mas do último que também tem The Treasure ( take one) mas era dos que gostava de ouvir no Verão de 1972:


O anúncio da revista Rolling Stone de 11 de Maio de 1972:


A revista inglesa Uncut mostrava há uns anos a crítica que o New Musical Express fez em 29 de Maio de 1972: 


Ao lado aparece o disco de Graham Nash e David Crosby, ao vivo e que era outro dos que me encantavam, particularmente o tema Southbound train que se tornou ao longo dos anos um dos temas que na ausência de discos costumava trautear mentalmente, a par de Big Sur/California Saga de Holland, dos Beach Boys de 1973; de Benediction dos Stealer´s Wheel, de 1975; ou Free Four, dos Pink Floyd de Obscured by Clouds, de 1972. 

O disco, também mítico para mim,  só foi reeditado em cd em 1998, por ocasião da comemoração dos 50 anos da Atlantic  e era dos que mais ansiava por ouvir numa época em que ainda não havia internet ou youtube, com a facilidade de poder ouvir virtualmente tudo o que foi editado nessas décadas. Foram por isso muitos anos a rememorar a sonoridade do tema de Graham Nash e a imaginar o som da harmónica que o introduz. 


Stephen Stills nunca teve a notoriedade para merecer uma capa de uma grande revista de música, mas os seus discos, particularmente Manassas, são melhores que os de muitos que lá estavam sempre, só porque vendiam mais. 

Sem comentários:

Putin visto por quem o estudou