Páginas

domingo, 29 de janeiro de 2017

A História contemporânea em três penadas sobre um Homem de estadão



Tirando as fantasias de Spínola, havia em 26 de Abril de 1974 três forças políticas: o Partido Comunista (que tinha um programa), o MFA (que estava armado) e Mário Soares, que a Europa conhecia e estimava. No I Governo Provisório, Soares foi ministro dos Negócios Estrangeiros, com o encargo de “negociar” a descolonização (na balbúrdia dos tempos a trapalhada era quase uma regra). Muita gente o criticou depois, sem perceber que nenhuma “negociação” era possível quando o exército se insurreccionara precisamente para sair de África. Ficava a Soares, pela ausência de outro qualquer aliado, o trabalho de estabelecer uma democracia contra a vontade do PC e do MFA.

Vasco Pulido Valente, em três penadas resume  assim a nossa História contemporânea de um pouco mais de 40 anos.
Portanto, em “26 de Abril de 1974” ( que poderia ser 26 de Maio ou Junho do mesmo ano) havia três forças políticas e o resto eram fantasias, incluindo naturalmente as de Spínola.
Estas fantasias de Spínola,  VPV não as explica nestas três penadas mas já explicou noutras três penadas mais antigas, em artigo no Diário de Notícias, de 2004, por ocasião da efeméride redonda e que está reunido em livro de “Ensaios” de 2009, da Aletheia.
Nessas fantasias se insere a ideia de Spínola ser uma espécie de mentecapto parolo, “megalómano e autoritário, e, além disso, ignorante” que ainda acreditava no menino jesus relativamente à África portuguesa.  A ideia básica nessas penadas é essa. E por isso mesmo, a tentativa de Spínola “domar” o MFA à sua vontade expressa, em restituir uma democracia verdadeira a Portugal é entendida como “uma fantasia”. Curioso…
Por outro lado, VPV arruma nessas três penadas, mais as três antigas, tudo o que ressumava a “conservadorismo” que Spínola obviamente representava e que não se revia no antigo regime, tornado diabólico, fascista e tudo quanto a Esquerda comunista resolveu adoptar como designação pejorativa, com o aplauso de VPV e outros idiotas úteis nesta matéria. Nunca denunciaram tal manobra, adoptaram a linguagem reinventada para o efeito e assimilaram os conceitos novos sobre uma democracia que se apresentava ex novo  como VPV a define: MFA, PCP e Mário Soares. E é tudo.

Essas “fantasias de Spínola”, porém,  integravam uma multidão  de uma imensa maioria silenciosa, ou seja o povo português de uma raiz antiga que não comungava à Esquerda,  não se confessava jacobino nem aplaudia heróis de fancaria revolucionária e que  de repente, literalmente da noite de 28 de Setembro de 1974 para o dia seguinte, se tornou reaccionário, obscurantista, fascista e até nazi se preciso fora. VPV aplaudiu o fenómeno, mais retumbante que as aparições de Fátima.

Spínola escreveu sobre essas fantasias num livro de 1978, que ninguém leu, nem quer ler, para se contar a História sem ser em três penadas- País sem Rumo:


Portanto, a democracia portuguesa “instaurada” em 25 de Abril de 1974 pelo MFA ( o Exército, fundamentalmente, em golpe de mão que revolveu o regime exangue de Marcello Caetano) era integrada, segundo VPV, pelo MFA “que estava armado”, pelo PCP que “tinha um programa” e por Mário Soares que era conhecido lá fora, na Europa então socialista das  suécias e das alemanhas e só. Uma Europa reduzida a uma expressão mínima cujos líderes se estavam realmente nas tintas para o dito Soares. A França não era incondicional de Soares, nem a Espanha, nem sequer a Inglaterra ou porventura uma Alemanha que acabou a dar-lhe esmolas. Alguns líderes trabalhistas, esforçados e que acabaram no poder dali a alguns anos poderiam ser, mas era tudo e era muito pouco.
Tal definição de “democracia” é muito curiosa e suscita logo observações de vulto: a democracia, burguesa, afinal não deveria ser um sistema em que as eleições, com voto secreto fossem norma, com liberdade de expressão, economia de mercado e multipartidarismo?
O que faltava em 26 de Abril de 1974 para tal noção se tornar realidade? É óbvio e faísca como o raio que precede o trovão ribombante: faltava quem representasse, nessa novel democracia, as “fantasias de Spínola”, ou seja, o povo conservador que acreditava nas fantasias de Marcello Caetano, por exemplo,  que englobavam um sentido de Estado que se perdeu, eventualmente para sempre. E eram muitas pessoas, muita gente,  como se pode ver  nesta imagem de 27 de Julho de 1973 na revista Observador ( não se encontra este tipo de imagens em lado nenhum, na imprensa portuguesa actual. Marcello Caetano nunca existiu). As imagens mostram claramente o que as fantasias de Spínola ainda conservavam mas que denotam uma reacção às fantasias de Mário Soares, em Londres, nesse ano:   



Portanto, a democracia portuguesa de que um homem de estadão ( ostentador e pomposo) e não de Estado se arvorou como constituinte originário, nasceu coxa, deficitária, amputada numa componente essencial: a representatividade do povo português no seu todo.
Nunca ninguém se incomodou com isso e muito menos VPV nos seus escritos em três penadas.
Mas a realidade é o que é: a democracia portuguesa foi e continua a ser um logro que aliás explica tudo o resto, das três bancarrotas à actual geringonça, termo crismado aliás pelo mesmo VPV.

A democracia portuguesa que surgiu em 26 de Abril de 1974 foi uma democracia de Esquerda, essencialmente. Falta-lhe para se poder afirmar com toda a legitimidade, a componente de Direita, conservadora que nunca apareceu à luz do dia por força de outro fenómeno que nunca preocupou a jacobinice ambiente: proibiram-na de se reunir ou associar, chamando-a nazi ou fascista. E essa designação por palavras simples colheu o consentimento da jacobinice e naturalmente de toda a Esquerda que se impôs na Constituição de 1976.Tudo o que poderia classificar-se à direita do partido de direito, o CDS que curiosamente se reclamava de centro, era fascista e portanto proibido constitucionalmente de se exprimir. É esta, ainda, a democracia que temos e desafio quem quer que seja a demonstrar o contrário.
As tentativas pífias, ainda em 1974, de tal Direita se afirmar esbarrou  no muro de intolerância democrática destes novos senhores de uma democracia nascente e anquilosada mas que vingou, muito por causa do homem de Estadão, considerado o pai desta proto-geringonça.

 Assim, sobre Mário Soares, também VPV já se pronunciou nas mesmas três penadas de 2004. Essencialmente, “em toda a esquerda que se opunha ao regime mas se recusava ser subordinada ou absorvida pelo PC, só ele percebeu que não existia independência possível sem apoio internacional, como sem apoio internacional não existiriam instituições democráticas”. 
Foi mesmo assim?
Então o papel dos outros partidos mais ao centro e da social-democracia foi nulo? Os 34 % do PSD e CDS ( “rigorosamente ao centro”, com aliás se confirmou nos anos vindouros, até agora) nas primeiras eleições “livres” para a Constituinte, em 25 de Abril de 1975, contam afinal como zero nesta equação? Só valem os 38% do PS de Mário Soares que em anos seguintes aliás  se mirraram e deram maiorias absolutas àqueles sociais-democratas rigorosamente ao centro?

Enfim retomemos outra passagem do escrito das três penadas: a da descolonização em que Mário Soares e o seu Sombra, Almeida Santos e outros ( Vasco Vieira de Almeida) assumiram papel relevante e determinante.

O estribilho corrente é sempre o mesmo: Soares nada podia fazer perante umas Forças Armadas desmotivadas e derrotadas psicologicamente e afinal segundo VPV “ O MFA nascera para impor o abandono imediato de África”.
Em primeiro lugar isto parece falso. O MFA nasceu como uma reivindicação corporativa, inicialmente. Se escolheram Spínola, o das “fantasias” como líder e depois como primeiro presidente da República, não eleito mas aclamado popularmente como Marcello Caetano o tinha sido no ano anterior, tal significa que não foi para tal efeito que o MFA nasceu. Aliás é contraditório afirmar tal coisa e dizer a propósito do 25 de Abril que nasceu porque o Exército não queria continuar a guerra.
É coisa muito diferente dizer que o Exército e por antonomásia a maioria do povo português estava farto da guerra do Ultramar e afirmar depois que o MFA se constituiu para entregar de mão beijada e imediatamente o poder aos antigos terroristas.
Tal efeito surgiu sim, mas por causa da esquerda comunista E também de Mário Soares e isso é preciso que se fixe como uma verdade histórica indesmentível.
As entrevistas que Mário Soares deu em Junho e Agosto de 1974, nomeadamente à Newsweek e Der Spiegel,  mostram claramente isso e se preciso fora existe a circunstância história de um “pacto” firmado antes de 25 de Abril de 1974, entre o PCP e o recém-formado PS, em Paris e com Mário Soares, o sentido de outorgar a independência a essas nossas antigas províncias ultramarinas.
A questão principal e que definiria um Homem de Estado e não de estadão como Soares sempre foi, seria esta: entregar,  como? Deixar à sua sorte as centenas de milhar de portugueses que lá estavam? Abandonar tudo o que tinha sido efectivamente nosso, em matéria de propriedade?  É esta a questão a que Mário Soares respondeu na altura: sim.
E isso é um pecado mortal para um Homem de Estado.
Nem De Gaulle, nem Churchill ou o reino belga fizeram tal coisa como os ingleses também nunca fizeram. Mário Soares fez, em nome de uma ideologia, apenas. E essa ideologia era a Esquerda, comunista e socialista. Fosse democrática, mesmo amputada como a existente ou outra, a do PCP que é “avançada”.

O que Mário Soares deveria fazer se fosse um Homem de Estado e português de gema ( que nunca pareceu ser) era impor-se, como se impôs na Frente Luminosa, ao PCP e extrema-esquerda,  nessa matéria.
Impor-se significaria dar voz e atenção “às fantasias de Spínola” e rejeitar o processo revolucionário que depressa entrou em curso. Mário Soares só acordou para tal perigo quando lhe foram aos cabedais, no República. Só aí percebeu o que estava em causa e nessa altura já não tinha força alguma para se impor ao que quer que fosse.
Tinha rejeitado as “fantasias de Spínola” e também de Sá Carneiro e perdeu essa oportunidade de ouro na História de Portugal para se tornar um Homem de Estado. Hoje seria reconhecido como efectivamente um Homem de Estado. Assim transformou-se num Homem de Estadão, adepto da pompa e circunstância do seu ego que impôs aos portugueses que votam, por falta de alternativas de Esquerda democrática.
Foi presidente da República, em 1986 apenas porque a esquerda comunista votou nele, numa manobra táctica para impedir uma cripto-direita mirífica e social-democrata de se impor no país, como acontecia na maioria dos países europeus. Tal resultado foi a machadada final na democracia inclusiva porque assinalou o desaparecimento da Direita que fora uma fantasia de Spínola. Desde então surgiu outra raça que se reproduziu como coelhos: os tartufos como basílios, freitas, júdices e quejandos.
A nossa bela democracia é isto, hoje em dia e por vicejou esta Geringonça que mais ninguém tem na Europa. Linda democracia!

O PC não queria impor aqui o “socialismo real” da Europa de Leste, que os russos não podiam sustentar. Como Cunhal se fartou de explicar, só queria uma “democracia de tipo diferente”, um conceito muito falado na guerra civil de Espanha e agora tirado do ferro-velho da seita. Em que consistia essa antiga monstruosidade? No meio da retórica do costume, consistia em fazer o Estado tomar conta dos “commanding heights” da economia (a energia – incluindo o petróleo – a banca, as seguradoras, a indústria pesada e as grandes propriedades fundiárias do sul). Ao resto de Portugal, o PC dava licença de ir à sua vidinha, com os sindicatos submetidos à CGTP e a administração central e local ocupada por militantes e por “amigos com provas”.

O bom povo compreendeu que este magnífico plano o levaria rapidamente à miséria e uma larga parte dos militares, duramente analfabetos, acharam que na sociedade do dr. Cunhal ficariam ao abrigo de qualquer represália, excepto evidentemente das represálias que o dr. Cunhal lhes resolvesse aplicar por desobediência ou “desvio” político. O problema do dr. Soares era instilar um pouco de bom senso e realismo em algumas cabeças do MFA; e ir resistindo ao assalto do PC ao Estado e às “culminâncias” da economia, uma benemérita actividade a que a “inteligência indígena” prestou os seus zelosos serviços.

Posto isto, o PS precisava também de reforçar a sua organização e de se estender a todo o país. Em 1974, o partido não ia além de algumas venerandas figuras da I República, de alguma Maçonaria e de cinco ou seis dúzias de drs., espalhados pelo Porto e por Lisboa. A geração da crise académica rejeitou quase completamente o que lhe parecia ser um instrumento do “sub-imperialismo” alemão. Não achava o PS “revolucionário” que lhe chegasse e fundou o MES (uma sombra do MIR chileno) e, quando o MES se desfez numa inqualificável loucura, os mais sensatos (11 ou 12, se isso) passaram a almoçar juntos num hotel de Lisboa, sob a designação de GIS (ou Grupo de Intervenção Socialista). Escusado será dizer que não intervieram em nada de consequente.

Mas, mesmo sem eles, Soares conseguiu suster ou moderar os golpes — porque eram verdadeiros golpes, preparados na sombra e executados à revelia dos poderes nominalmente legais — do PC e do MFA. Durante meses pôs na rua manifestações cada vez maiores de um povo que, ao contrário do “slogan”, se começava a desunir. Quando uma greve de tipógrafos (não de jornalistas) fechou o jornal socialista “A República”, Portugal e a Europa compreenderam de uma vez quem eram o MFA e o dr. Cunhal.

E o dr. Cunhal e o MFA ficaram mais longe de resolver o seu grande problema: a eleição para a Constituinte. Prometida pelo programa original dos militares, sinal para o mundo da boa fé dos “revolucionários” do dia essa eleição tinha de se fazer e, simultaneamente, não se podia fazer. Se por acaso se fizesse, ganhava Soares e todo o plano de Cunhal e dos seus camaradas do MFA iria abaixo. E se por acaso não se fizesse a ilegitimidade do PREC (como na altura sentimentalmente se chamava ao delírio da esquerda) não deixaria a mais leve dúvida a ninguém. Felizmente uma parte do MFA, que se recusava a ser o braço forte da repressão comunista e a receber ordens do PC, insistiu na eleição e calou a facção mais excitada do exército. Em Abril de 1975, o povo desunido votou: à volta de 38 por cento em Soares e à volta de 12 por cento no PC.
Mas nem perante esta arrasadora evidência a “festa” terminou. À boa maneira leninista, a televisão e a imprensa insultavam e caricaturavam a Assembleia, houve cercos de operários indignados por causa dos representantes do país se atreverem a discutir os problemas do país, Cunhal garantia a uma senhora italiana (muito célebre nessa altura) que em Portugal nunca haveria uma “democracia burguesa”. A “inteligência” de cá desceu a abismos de indignidade a que raramente alguém desceu e a seguir andou anos a comprar do seu bolso os seus próprios livros, com o fim de purificar o mercado e de aparecer limpinha ao dr. Mário Soares.
A atmosfera de medo e de intimidação não parou com as eleições de 75. As manifestações continuavam, a censura apertou nos jornais, na RTP e nas rádios. José Saramago apelava à revolta no “Diário de Notícias”. Quem falava no parlamento ou em votos era um puro “burguês” dedicado a esmagar as “classes trabalhadoras”. E começaram a correr rumores de guerra civil. Os rumores eram absurdos por três razões. Primeiro, porque nenhuma das partes tinha dinheiro. Segundo, porque a “revolução” indisciplinara as tropas do PC (e a URSS proibira disparates). Terceiro, porque a gente de Otelo não passava de uma mascarada sem valor militar. Não podia haver uma guerra civil, mas podia haver uma matança e algumas figuras justificadamente trataram de se esconder ou de tomar precauções. Soares, com a cabeça a prémio, foi à Alameda e a seguir ajudou, à sua maneira, o golpe de 25 de Novembro, que removeu de cena os partidários do PREC.
Infelizmente, o dito PREC deixara Portugal em ruínas e os militares no centro do regime político. O Presidente da República (Eanes) comandava efectivamente o exército. O Conselho da Revolução, sem espécie de mandato, aprovava ou desaprovava a legislação da Assembleia, com o propósito de preservar intacta a sua preciosa “revolução”. Mas Soares, Balsemão, Freitas do Amaral e Mota Pinto, entre si e contra algumas facções internas no PS e mesmo no PSD, acabaram por meter os militares nos quartéis, sem lhes deixar um vestígio de influência política.
Nesse ponto crítico, Eanes, a meses de sair de Belém, decidiu organizar um novo partido para ele e para os amigos: o PRD. Mas Soares, entretanto eleito Presidente da República, não o deixou viver. À primeira oportunidade dissolveu a Assembleia, sabendo perfeitamente que ia entregar uma maioria a Cavaco. E, de facto, entregou, porque o PRD juntava só o oportunismo e ressentimento e sem poder não valia um cêntimo. Soares viu desfilar os seus inimigos íntimos pela televisão. Mas ganhou. Ganhámos nós.

A pretensa heroicidade do homem de Estadão em 1975 sai mais uma vez reforçada num papel único de lutador pela sua sobrevivência pessoal e política.

Sobre a luta no PREC é sempre destacado o seu papel na Fonte Luminosa mas VPV desvaloriza ipso facto tal ocorrência ao escrever que Portugal nunca correu risco verdadeiro de guerra civil na altura. Por falta de dinheiro…

Ora o que um então apoiante das “fantasias de Spínola”, Paradela de Abreu escreveu em 1983 no livrinho Do 25 de Abril ao 25 de Novembro ajuda a compreender outra realidade que não é muito falada, porque deslustra a figura do Homem de Estado que nunca foi.  



Sobre a circunstância de Spínola ser apenas uma "fantasia" sem importância, a "26 de Abril de 1974" nem a História rememorado lhe valerá. Só admira como se tenha esquecido tanto...

Basta ver estes recortes de imprensa estrangeira ( tirados do livro de Joaquim Vieira e Reto Monico ( e não Monica, como escrevi antes, por lapso) , Nas Bocas do Mundo, de 2014, da Tinta da China) nesses primeiros meses de 1974, ou seja o tal 26 de Abril, para perceber o logro e as armadilhas da memória. Se um historiador que viveu os acontecimentos distorce tanto assim uma realidade vivida o que não fará ao especular acerca da que não chegou a viver ( séc. XIX, por exemplo):


Onde é que aparece aqui Mário Soares como figura de imposição europeia e determinante? Em lado nenhum a não ser na referência da revista Le Nouvel Observateur, do seu amigo socialista ( e que o visitou em casa) Jean Daniel.

É isto a grande referência do 26 de Abril de 1974? É isto quando a imprensa considerava o mesmo Mário Soares como pessoa muito duvidosa para conseguir "dar a volta" ao comunismo de Cunhal, perante as hesitações e erros políticos?
Spínola mai-las suas "fantasias",  era efectivamente o herói da Revolução e foi-o durante o Verão de 1974, ou seja aquele tal 26 de Abril desse ano.

Enfim, VPV anda esquecido. Ou nunca se lembrou, o que será bem pior e mais provável.

ADITAMENTO:

Do sítio do Observador (que tem espaço de comentários...o que agora descobri) está lá um que merece transcrição porque não é dos que falam do que nem sabem. É de um antigo militar que assim escreve:

Esta crónica poderá ser um epitáfio á memória do amigo Mário Soares mas no contexto histórico é uma imbecilidade. Quem controlou sempre a situação em Portugal no período referido foram os militares moderados do Regimento de Comandos, da Escola Prática de Cavalaria, da Escola Prática de Artilharia, da Escola Prática de Infantaria, do Regimento de Cavalaria de Estremoz, do Regimento de Cavalaria de Santa Margarida, outras unidades do Norte e ainda a Força Aérea. Os outros, conectados com o PCP, eram uns meros "brincalhões" sem qualquer utilidade operacional, á excepção dos Fuzileiros. Regimento de Polícia Militar e Regimento Artilharia 1 (Ralis) não contavam para o "Totobola" do PREC...
Eu próprio fiz parte do Batalhão de Caçadores 4513/75, mobilizado para Angola desde Junho/75 até Novembro/75, em Santa Margarida, e nunca houve da nossa parte qualquer hesitação em seguir para Africa. Simplesmente a ordem de embarcar nunca chegou. Treinámos com afinco o IAO (Instrução de Aperfeiçoamento Operacional) de tal modo que morreu nos exercícios o furriel-miliciano Crespo, da 3ª companhia, atingido por tiros de helicanhão. Havia, portanto, quem estivesse disposto a seguir para o Ultramar.
No 25 de Novembro, como se sabe, Mário Soares e os amigos socialistas fugiram para o Porto, onde se refugiaram junto a algumas das figuras mais tenebrosas da sociedade portuguesa desse tempo. Ele sabe de quem estou a falar mas não escreve porque...é chato!
É destas coisas que gosto de ler porque dão uma perspectiva realista à História e não repenicam nem papagueiam meras fantasias.


23 comentários:

zazie disse...

Estava à espera do seu comentário. O texto do VPV nem sequer tem fôlego. Parece um frete a despachar.

Agora vou ler

";O)

Floribundus disse...

« vai alta a Lua na mansão da morte »

as revoluções; francesa, russa

passam por fases de TERROR

o homem do caco no olho era um ingénuo

acabou por se demitir e entregou-nos aos bichos

lusitânea disse...

Isso mesmo.O Spínola andou em visita pelos quartéis foi sempre bem recebido e quando se esperava "acção" ele demite-se...

lusitânea disse...

Aliás no 25 de Novembro quando tudo poderia ter sido também resolvido de vez a coisa borregou novamente...

josé disse...

Não se discute se Spínola fez bem ou mal, em 1974 e muito menos porque o fez do modo como fez.

Apenas se tenta demonstrar quem em "26 de Abril de 1974" era ele o herói. Não era Mário Soares. E as ideias de Spínola não eram fantasias. Eram até as ideias mais sensatas que deveriam ter sido seguidas.

Quem assim não pensa e atribui a categoria de fantasia a algo que nos poderia salvar do Estado que temos hoje, deu tacitamente o apoio às ideias "realistas" que se seguiram e que consistiam no que ficou exarado na Constituição de 1976.

Se isso é o mais certo para Portugal e o que Spínola defendia eram meras fantasias, vou ali e já venho porque não preciso discutir nada com quem assim pensa.

zazie disse...

É incrível como o VPV acaba por dizer que só a esquerda era democracia. E chamar "força política" reconhecida no estrangeiro, ao palerma do Soares que se junta ao Cunhal no 1º de Maio é demasiado estranho.

zazie disse...

O VPV tem dois grandes defeitos- é jacobino e "progressista".

foca disse...

Sobre o 25A não se conseguirá fazer alguma história decente enquanto por cá andarem os subalternos.
É trágico que tenha sido levado por Otelo, Cunhal, Soares, e demais.
O que se podia esperar de parasitas?

Gajos como o VPV andaram em jantaradas e copos com a malta e sentem a simpatia normal que os amigos têm pelos palermas do grupo. Estou certo que todos nós temos alguma simpatia por alguns familiares idiotas e por alguns amigos imprestáveis.
Mas daí a fazê-los heróis vai uma grande distância

zazie disse...

Acho que não é isso. Há-de vir mais da educação jacobina que teve e da mania que era "progressista" e estrangeirado.

Ele detesta tudo o que é tradição.

Floribundus disse...

factos:
25.iv não teria sido possível sem Spinola

o prec avançou com a sua demissão

começou a derrocada

o boxexas criou o 'pelintrão'

a escola Alex Herculano do Porto, onde agora chove
ficava junto ao café onde estudava
e da casa de tias conhecida por 'Micas da Boa'

os aleijadinhos dos ministros não aparecem.
uma nojeira


Zephyrus disse...

Quando desaparecerem de cena por forca das leis da vida e da natureza os esquerdistas que fizeram o 25 de Abril talvez haja margem para mudar.

O que me espanta e isto.

Ha 3 a 4 milhoes que nao dependem do Estado e ninguem os representa. Nem o CDS os tem representado. Existe margem para um partido assumir a defesa desses 30 a 40% dos portugueses. Quem sao? Pequenos e medios empresarios, profissionais liberais, trabalhadores independentes, trabalhadores do sector privado, proprietarios.

Ora por que motivo nao aparece nenhum partido para estes portugueses? Por que motivo o CDS nao muda? O CDS teria condicoes para crescer muito...

Zephyrus disse...

Eu conheco malta nova que trabalha em grandes superficies ou lojas a receber o salario minimo e votaram na PAF.

Houve muito voto jovem na PAF... agora percebam porque...

Olhando para tras...

Sa de Miranda lamentava-se do abandono dos campos e do desbarato do dinheiro da pimenta da India. No seculo XVII vivemos em profunda miseria ate ao milagre do ouro. No seculo XIX voltamos a miseria.

Dentro de pouco tempo comecara o novo seculo da miseria. Portugal no euro estara por um fio nos proximos meses.

O Governo e controlado por Vieira da Silva ou Ferro Rodrigues que ainda vivem em 1975 e nao percebem que o mundo mudou. E a brigada do reumatico vermelha.

Zephyrus disse...

A industrializacao e a modernizacao agricola em larga escala do interior estao por cumprir. Sem isso nunca seremos ricos.

O pais forma excesso de doutores e carece de bons tecnicos.

A energia nuclear permanece tabu.

Os portos poderiam funcionar muito melhor.

Nao ha ligacao ferroviaria decente a Europa Continental.

O turismo floresceu mas os esquerdistas da capital ja querem destruir a actividade.

Ninguem na Assembleia da Republica esta preocupado com o que realmente interessa.

Unknown disse...

Há uma certa ironia no facto de VPV também ser o autor de "Os Devoristas".
Alguma coisa lhe terá escapado...

joserui disse...

Zephyrus, o mal dos "liberais até mais não", mesmo conservadores, é que são um bocado hipócritas quanto ao papel de estado. Há sempre estado do bom e no meio de coisas certas, lá vem o estado bom.
Portanto, o nuclear permaneceu tabu e porque não? Esse tabu é antes ou depois de Fukushima ? Não me parece um tabu à Cavaco Silva.
Quem assegura a segurança física do nuclear? Quem assegura o armazenamento dos resíduos para sempre? Quem paga (além de nós e o planeta) quando dá para o torto? Que seguradora segura o nuclear? Fukushima continua a contaminar o Pacífico alegremente, e vai continuar por muitos e bons anos. Por azar a água está toda ligada. É como o ar chinês, em menos de 24 horas dá a volta ao planeta.
Mesmo que tenha sido mais um esquema do 44, a aposta nas renováveis foi boa. Bastava isolar termicamente as casas e precisava de menos uma central nuclear. Ou está a contar instalar cá grandes indústrias no futuro próximo? A menos que a central nuclear seja para manter os dependentes do estado quentinhos nas repartições — aí faz sentido que seja o estado a pagar tudo.

Floribundus disse...

Sapo antonio.ferreira@newsplex.pt

Disse Rui Rio: “Não deve haver no mundo performance tão má como a da economia portuguesa: passou de um crescimento de 4% em média ao ano entre 1986 até à entrada do euro, com uma dívida de 51% do PIB, e de então para cá temos um crescimento de zero e uma dívida de 134%. De 1986 até ao século xxi, Portugal cresceu à média de 4% ao ano. Com a entrada do euro, as taxas de juro caíram brutalmente e entrou em nós um discurso de desprezo pelo endividamento externo. Infelizmente, não é assim. Mas tudo isso levou ao crescimento do endividamento das famílias, das empresas e do Estado. Resultado: a taxa de poupança é de 4,5%, abaixo dos 4,9% de 1960; em paralelo, a banca apostou nos bens não transacionáveis (construção), e o governo na troca de votos pelo aumento da dívida. Mais de 350% contra os 245% da União Europeia é a soma do endividamento das famílias, das empresas e do Estado. A dívida implícita da Segurança Social é de 170%: é o que vamos ter de pagar, ou não, a que, se se somar os 350% – dá 500%.”

É isto, lacaios e mentirosos deste Portugal sem presente e sem futuro, com a gentinha que manda nisto tudo há tempo demais.

É isto, lacaios e mentirosos deste Portugal sem presente e sem futuro que dominam a comunicação social há tempo demais.

O vosso desespero mostra que ainda há esperança

lidiasantos almeida sousa disse...

Senhor Jose por acaso sabe a razão do VASCO CORREIA GUEDES S utilizar o apelida PULIDO?. AS SUAS PUBLICAÇÕES SÃO MARAVILHOSAS MOSTRO SEMPRE A MEUS COLEGAS.

Maria disse...

Ora por que motivo nao aparece nenhum partido para estes portugueses? Por que motivo o CDS nao muda? O CDS teria condicoes para crescer muito... (Zephyrus)

À primeira destas suas duas perguntas, a resposta é: o sistema não o permite, caso esse partido aparecesse seria bombardeado, insultado e ridicularizado até ao vómito, sendo a imprensa o principal meio para lhe lançar os piores epítetos, ostracizando-a ao máximo (foi assim que fizeram com os poucos partidos da verdadeira direita que apareceram depois do 25/4, até se sentirem marginalizados pelas calúnias, ofensas e chantagens permanentemente recebidas por agentes do sistema, até verem-se forçados a desaparecer), com a ajuda preciosa da extrema esquerda, pois só esta "extrema" reclama o direito à existência e mais nenhuma. Foi "esta" esquerda que o sistema seleccionou, primeiro porque precisou dela para a destruição inicial da economia e em simultâneo a inversão da ordem social, depois, incluí-la no sistema como paga pelos inestimáveis serviços prestados ao regime e que só por falta de vergonha apelida de democrático.

Quanto à sua segunda pergunta, o CDS não cresce porque é isso mesmo que interessa ao regime/sistema, este foi engendrado com esse fim. E o CDS, que finge ser um partido de direita, não o é de modo algum ou não teria obtido o consentimento de Cunhal para fazer parte do mesmo, partido e dirigentes cuidadosamente seleccionados pelo mesmo com a ajuda cínica mas prestimosa de Soares. Um partido genuìnamente de direita nunca seria aceite pela maçonaria (nem por Soares nem por Cunhal, pois estes seriam reduzidos a pó em futuras eleições e eles sabiam-no de cor e salteado) que foi quem introduziu este regime/sistema no País como é do conhecimento geral. Lembremo-nos de que Sá Carneiro e outros valentes como ele, quiseram que o regime fosse verdadeiramente democrático, isto é, que representasse todas as tendências políticas dos portugueses, incluíndo a direita moderna e civilizada e excluísse os comunistas da governação - como aliás a grande maioria do povo português também não queria e demonstrou-o por diversdas vezes - e com se sabe ele foi assassinado de uma maneira verdadeiramente satânica e os outros por meios menos evidentes mas igualmente diabólicos. Ele e mais alguns patriotas menos conhecidos, políticos e não políticos, igualmente grandes portugueses e com a mesma visão abrangente para o País, também o foram. É esta a 'excelsa democracia' que temos.

Adelino Ferreira disse...

Oh Maria, você acredita mesmo no que diz pelo que leu ou pelas vivências da época? Com o respeito que me merece, faço - lhe lembrar que após o 25, houve uma parte dos grandes capitalistas que fugiu do país para os Brasis. Os que cá ficaram do tempo do Botas e do Marcello passaram com um estalar de dedos para sociais democratas, socialistas e alguns até comunistas. Veja-se Sá Carneiro que até queria filiar o PPD mudando para PSD na Internacional Socialista,e que a influência de D. Mário invisializou. No programa do PPD o rumo era a social democracia e o socialismo, até aprovaram a CRP onde como objectivo final era o "socialismo". O CDS que os princípios programáticos era a doutrina social da igreja foi o único que não votou a CRP e o seu emblema ainda hoje é uma bola com duas setas em direcção ao "centro"
Naquele tempo era tudo rumo ao socialismo, não fora o outro 25 e a anuência do PCP, e muitos dos chamados contra revolucionários tinham ido para o céu.
E olhe que sei do que falo. As mocas de Rio Maior e umas bombinhas eram muito pouco para um ainda em formação exército popular armado com G3.Lembra-se Maria, do desaparecendo de centenas de G3 de Beirolas?
Foi melhor assim!
Cumprimentos respeitosos

Adelino Ferreira disse...

Oh Maria, você acredita mesmo no que diz pelo que leu ou pelas vivências da época? Com o respeito que me merece, faço - lhe lembrar que após o 25, houve uma parte dos grandes capitalistas que fugiu do país para os Brasis. Os que cá ficaram do tempo do Botas e do Marcello passaram com um estalar de dedos para sociais democratas, socialistas e alguns até comunistas. Veja-se Sá Carneiro que até queria filiar o PPD mudando para PSD na Internacional Socialista,e que a influência de D. Mário invisializou. No programa do PPD o rumo era a social democracia e o socialismo, até aprovaram a CRP onde como objectivo final era o "socialismo". O CDS que os princípios programáticos era a doutrina social da igreja foi o único que não votou a CRP e o seu emblema ainda hoje é uma bola com duas setas em direcção ao "centro"
Naquele tempo era tudo rumo ao socialismo, não fora o outro 25 e a anuência do PCP, e muitos dos chamados contra revolucionários tinham ido para o céu.
E olhe que sei do que falo. As mocas de Rio Maior e umas bombinhas eram muito pouco para um ainda em formação exército popular armado com G3.Lembra-se Maria, do desaparecendo de centenas de G3 de Beirolas?
Foi melhor assim!
Cumprimentos respeitosos

skeptikos disse...

"País sem Rumo", a páginas 158, escreve o general António de Spínola:
« No dia 19 de Junho de 1974, reuniram-se, pelas 11 horas, numa sala da Messe de Oficiais da Base Aérea das Lajes, os Presidentes dos Estados Unidos da América e de Portugal, respectivamente Richard Nixon e António de Spínola.
(...)

«Falou em primeiro lugar o presidente Português, o qual, depois de saudar o presidente Nixon e de lhe expressar o seu desejo de reforçar as relações com os EUA no quadro do comum interesse dos dois países, fez um breve resumo da conjuntura política portuguesa, salientando os objectivos eminentemente democráticos da revolução e expondo a razão do aparecimento de um Governo provisório de coligação e o significado da presença dos comunistas nesse governo. Afirmou que o Governo provisório não ultrapassaria as metas fixadas pela Junta de Salvação nacional, dado o facto de a nação ainda não ter feito a sua opção pela via eleitoral, e esclareceu que aquelas metas tinham sido fixadas á luz das tendências liberalizantes comuns a todas as ideologias progressistas do mundo actual (...)».
http://dragoscopio.blogspot.nl/2016/08/acromiomancia-revisitada-monotonia-da.html#links

Adelino Ferreira disse...

Para mostrar o "boneco" do comentário anterior:

http://media.rtp.pt/memoriasdarevolucao/acontecimento/desvio-de-armas-em-beirolas/#

josé disse...

DO blog em causa- Dragoscópio- transcrevo do mesmo postaç:
"Março, o de 1963, quando Oliveira Salazar profere perante Franco Nogueira:
«Quero este país pobre, se for necessário, mas independente - e não o quero colonizado pelo capital americano»

O problema era simples: a vontade de Salazar não era a necessariamente avontade do país, já nessa altura. E todo o drama e posterior tragédia, derivaram daí.


A vontade de uma pessoa só apenas prevalece se for imposta ou aceite pela maioria. Nem uma coisa nem outra ocorreu...