Páginas

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Campos e Cunha deve estar varado!

 ionline:

Armando Vara não tem dúvidas de que Luís Campos e Cunha queria mudar o rumo da Caixa Geral de Depósitos e garante que, durante o almoço que ambos mantiveram – revelado este mês pelo ex-ministro das Finanças no parlamento –, a insatisfação com a antiga administração do banco público foi clara. Há dez dias, durante a audição na comissão parlamentar de inquérito, Campos e Cunha revelou ter almoçado com Armando Vara numa altura em que disse estar a ser pressionado por José Sócrates para demitir a administração do banco público. Explicou ainda que o almoço se tratou de um encontro entre amigos – negando que fosse um convite a Vara para a administração – e que, por isso, pagou do seu bolso e rasgou a factura à frente do convidado.

Portanto, se bem entendo a historieta de Armando Vara, um indivíduo com credibilidade acima de qualquer suspeita e que gosta de robalos,  é simples: o seu amigo José Sócrates nada tem a ver com este assunto das pressões para demitirem a administração da CGD e aí colocarem outros indivíduos mais competentes. Tal inclui o antigo empregado de balcão bancário em Trás-os-Montes cujos méritos,  o melhor aluno do curso de Direito do ano de Marcelo, Santos Ferreira, gabou publicamente, reconhecendo-lhe categoria  insuspeita na arte de emprestar dinheiro a empresas com prognóstico de falência ( Vale do Lobo).

Campos e Cunha tinha dito que sim, no Parlamento, como relata o DN da altura.
  
"A relação com a CGD não teve um período de maturidade suficiente, porque estive apenas quatro meses no Governo. Desde o início, como ministro das Finanças, fui pressionado pelo primeiro-ministro [José Sócrates] para demitir o presidente da CGD e a administração da CGD", afirmou o ex-governante, que não acatou essas orientações.
"Por princípio, acho que deve ser dado tempo para as pessoas trabalharem e concluírem os seus mandatos", explicou Campos e Cunha, durante a sua audição na comissão parlamentar de inquérito à gestão da CGD, dando como exemplo o facto de não ter demitido nenhum diretor geral durante a sua curta passagem pelo executivo socialista, em 2005.

Isto foi logo desmentido por José Sócrates, outro cuja credibilidade nesta como noutras matérias é imbatível,  conforme relatava a Sábado:

 "Há anos que o Dr. Campos e Cunha aproveita os quatro meses da sua passagem pelo Governo para atacar os seus antigos colegas. Considero tal comportamento desprezível e sempre o ignorei por não querer quebrar a regra que sigo de não comentar a vida interna do Governo a que presidi", acusou Sócrates numa nota enviada à comunicação social, esta sexta-feira.

"Hoje sinto que tenho o dever de o desmentir: as suas declarações a propósito da Caixa Geral de Depósitos são falsas e sem nenhuma correspondência com a verdade", assinalou o antigo governante. E reforçou: "Esclareço que nunca fiz qualquer pressão para demitir a administração daquele banco. Esclareço ainda que a vontade de substituir a referida administração sempre me foi manifestada pelo então ministro das Finanças que, ao contrário do que agora é afirmado, na altura considerava que não estava à altura da missão do banco"
.

Campos e Cunha não se ficou, ao contrário de agora com este peão, Vara, conforme o Observador contou:
 
O ex-ministro das Finanças Luís Campos e Cunha reagiu, em declarações ao Observador, ao desmentido de José Sócrates emitido esta sexta-feira sobre o seu depoimento na Comissão de Inquérito à Caixa Geral de Depósitos. O professor universitário de Economia, que esta semana denunciou aos deputados pressões do então primeiro-ministro para demitir os administradores da CGD em 2005, também desmente o antigo chefe de Governo: “Por amor de Deus, estive quatro meses no cargo e não demiti a administração da CGD. Mas, quando saí, esta foi demitida no dia seguinte por outra pessoa”.
Nessa época, a CGD era dirigida pelo social-democrata Vítor Martins, que foi substituído por Carlos Santos Ferreira, próximos dos socialistas, e que passou a integrar Armando Vara na administração. Foram nomeados por Teixeira dos Santos, o ministro que sucedeu a Campos e Cunha e que ficou no Ministério das Finanças até ao fim do Governo de José Sócrates.
“Para mim o comunicado foi uma honra”, ironiza Campos e Cunha. “Mas ao contrário do que ele [José Sócrates] afirma, eu disse no depoimento no Parlamento que os outros membros do Governo não tinham nada a ver com esse assunto e nunca foram envolvidos”.

O ministro que demitiu a Administração da CGD, Teixeira dos Santos, celebrizado por chamar a troika na terceira bancarrota do país em menos de 40 anos,  também já contou a sua versão, conforme conta o Sol:

“O primeiro-ministro nunca me pressionou no sentido de fazer qualquer mudança ou de nomear fosse quem fosse para a administração da Caixa”, declarou, depois de classificar como uma “coincidência” ter escolhido precisamente Santos Ferreira, o nome que Campos e Cunha diz que Sócrates lhe tentou impor.
“Creio que foi uma coincidência. Ninguém está em condições de assegurar que esse nome foi sugerido ao meu antecessor. É a palavra dele contra todos”, disse o antigo responsável das Finanças, que começou por insistir na defesa de que tanto Santos Ferreira como Vara foram ideias suas para acabar por assumir – depois de Hugo Soares recordar que é crime mentir numa comissão de inquérito – que falou com pessoas que lhe indicaram nomes, embora tenha tido dificuldade em referir com quem teve essas conversas.

Pressões? Nenhumas. Coincidências apenas. Mas...avisado das consequências em mentir no Parlamento lá admitiu que afinal os nomes lhe foram soprados...mas não se lembra bem por quem. Armando Vara, foi um deles e Teixeira dos Santos não se lembra quem terá sido a pessoa que lho indicou. Deve ter sido um anónimo qualquer e Teixeira aceitou de bom grado e nem falou com o então primeiro-ministro.

Sobre a credibilidade deste Teixeira que é professor universitário e komentador de tv estamos também bem conversados.

Assim, resta a versão de Campos e Cunha contra estes personagens de opera bufa, responsáveis pelos desmandos que se conhecem na CGD e noutros sectores.

Em quem se deve acreditar? Por mim, nem se coloca a dúvida...mas julgo que um tribunal de júri também não teria qualquer dúvida.

6 comentários:

Terry Malloy disse...

A parte em que se diz, ao tentar desmentir o Campos e Cunha, "ele é que fez força para os demitir" - coisa que não aconteceu durante o seu mandato, para serem demitidos no dia seguinte a ele sair...

... só pode merecer o comentário do próprio, "Por amor de Deus!".

Desmascarou-se com esta contradição inultrapassável.

O novelo de mentiras, quando se emaranha por tempo demasiado, perde-se "o fio à meada".

joserui disse...

"Armando Vara, um indivíduo com credibilidade acima de qualquer suspeita" — é que já nem é necessário dizer mais nada. Um indivíduo destes se metesse o focinho fora da toca, em qualquer país civilizado era massacrado com perguntas incómodas e teria acesso aos jornais sempre balizado pela sua própria postura e a dos meios que o recebessem. Do 44 nem se fala. Mas não, é o inverso. O Campos e Cunha quando der por ela está a ser atacado por todos os lados do jornalismo da nação. -- JRF

joserui disse...

A coincidência é de tal ordem que o que parece é que Campos e Cunha era uma autêntica força de bloqueio à demissão da direcção da CGD e respectiva colocação das carmencitas do PS, incluindo esse grande gestor e maior devorador de robalos. Estão todos bem na vida, o Teixeira dos Santos é professor universitário (meu Deus!) e o resto é treta. Não lhes reconheço qualquer honra ou vergonha para poder ser de outra forma.

lusitânea disse...

A doutrina Vara anda a fazer furor nos States onde os "democratas" andam a aplicar aquela máxima dele: Jindungo no cu dos outros para nós é refresco...

Floribundus disse...

num se passou como afirma o cunha

no Brasil o termo vara está relacionado com o deus Priapo

'valha-nos um burro aos coices'

lidiasantos almeida sousa disse...


CAMPOS E CUNHA UMA DAS PESSOAS MAIS MENTIROSAS QUE CONHECI NO BdP. Sempre com lamurias, dores na cabeça, nas costas, uma lastima e ainda quadrilheiro à moda de CAMILO castelo branco. Quando CAVACO SILVA, fez uma lei à sua medida, obter uma pensão vitalícia aos 45 anos desde que tenha trabalhado 5 anos seguidos ou alternados. O 1º a obter a pensão vitalícia, foi ANTONIO MARTA. Passados 9 meses foi recrutado para o BdP com o dobro do ordenado e a pensão vitalícia. Seguiu-.se o lamechas detestado POR TODOS POR SE ENCOSTAR E NÃO TRABALHAR POR SER MUITO "doente" CAMPOS E CUNHA, mas ainda estou para saber razão da pensão dele ser de 11.000 euros x 14 meses, enquanto CAVACO e outros ficarem com 3.200 euros . O único que foi honesto foi BAGAO FELIZ a quem o doentinho tadinho arranjou lá umas intrigas, e ele saiu do BANCO MAS NÃO QUIS RECEBER A PENSÃO VITALÍCIA. Também tive a honra de trabalhar com o Dr. Silva Lopes, que trabalhou anos muitos anos, até se reformar sem pensões vitalícias.Foi um grande governador. sempre a ajudar os mais fracos, com conselhos profissionais. Só de falar da lesma CC fico indisposta.