quarta-feira, 5 de setembro de 2018

O apito enferrujado de João Cravinho

Sobre João Cravinho, do PS que Sócrates e o seu grupo entenderam mandar para fora, para o BERD a fim de o sossegar com essa chupeta bem adocicada, já por aqui se escreveu muita coisa. Sempre com um leit-motiv: tal como Maria José Morgado é um lutador incansável contra a corrupção, mas sempre que tiveram ocasião propícia para atacar uma das suas manifestações mais perniciosas recuaram e nada fizeram. Perderam por isso a consideração mínima exigível para continuarem a apitar porque só vêem combóios a passar. Sempre que estiveram nas estações estenderam-lhes a bandeira do livre-trânsito. E continuaram a apitar...para mostrar como são bons nesse exercício.

Hoje no Público, João Cravinho declara-se estúpido e ingénuo. E não só, acrescentaria. Também chico-esperto nessa medida.  Se assim não fosse, o BERD e a conta bancária recheada do bom ordenado, seriam apenas uma miragem.



De um postal de 15 de Maio de 2018 fica quase tudo o que se pode dizer de João Cravinho sobre o seu combate feroz contra a corrupção e ainda a sua atitude concreta de chico-esperto.

Assim, como explicava o general Garcia dos Santos, em 24.4.2012, numa entrevista ao jornal i e que em 2009 já tinha sido referido. Muito a tempo de parar a loucura Sócrates que estava instalada e conduziu a outra bancarrota, em 2011:

Quer outro exemplo? As auto-estradas, as Scuts. Eu tive uma conversa com o engenheiro Cravinho em que ele me disse que ia pôr a funcionar as Scuts. Eu disse: “Ó senhor ministro isso é um tremendíssimo disparate!”. A Scut é uma invenção inglesa, ao fim de pouco tempo os ingleses puseram aquilo completamente de parte, por causa do buraco que era previsível. Mas disse-me que o assunto estava exaustivamente estudado sob todos os aspectos, técnico, financeiro. Está à vista o buraco que são as Scuts.
Jornal i- E as PPP?
Garcia dos Santos- É a mesma coisa.
Jornal i-Quando saiu da JAE denunciou uma situação generalizada de corrupção. Acha que as PPP também se integram nessa situação? O Tribunal de Contas diz que houve contratos que lesaram o interesse público...
Garcia dos Santos-Tem que se admitir a possibilidade de haver ali corrupção, e da forte. Como é que se atribui a uma determinada entidade certos privilégios que não seriam naturais? É porque se calhar há alguém que se locuptou com alguma coisa. Infelizmente, outra coisa que funciona mal no nosso país é a justiça. Nunca chega até ao fim.

Jornal i- Foi colega do eng. João Cravinho no Técnico…
Garcia dos Santos-Foi por isso que ele me chamou para ir para a Junta. Sabe o meu feitio e quis que eu limpasse a casa.

Jornal i-Mas o que é que aconteceu? O eng. João Cravinho chama-o para limpar a casa, o senhor limpa, e depois zangam-se. O que se passou?
Garcia dos Santos-Fomos colegas no Instituto Superior Técnico. Houve um jantar de curso e nesse jantar o Cravinho a certa altura chama-me de parte e diz: “Tens algum tempo livre?”. E eu disse: “Tenho, mas porquê?”; “Eu precisava de ti para uma empresa”; “Que empresa?”; “Agora não interessa, a gente daqui a uns tempos fala”. Passado uns tempos chamou-me e disse-me: “Eu quero que vás para a Junta Autónoma das Estradas, mas não digas a ninguém que o gajo que lá está [Maranha das Neves] nem sonha”. O Cravinho deu-me os 10 mandamentos do que eu precisava de fazer na Junta, limpar a casa, obras que era preciso fazer, etc. Entretanto, comecei a conhecer a casa, dei a volta ao país todo e um dia disse-lhe: “Há aqui uma série de coisas que é preciso fazer e há 11 fulanos que é preciso pôr na rua”. Ele retorceu-se, chamou-me daí a dois dias, disse que era muito complicado. O problema é que era através de uma das pessoas que eu queria pôr na rua que passava o dinheiro para o PS.

Curiosamente a jornalista São José de Almeida que o entrevista, não se lembrou destes episódios para os recordar ao entrevistado e procurar a explicação do dito. Particularmente para lhe perguntar se então, nessa altura, perdeu o pio, perdão, o apito...

Sem comentários: