terça-feira, 30 de dezembro de 2008

A Maçonaria que "dá a cara"


A revista Sábado, hoje publicada, sob assinatura de António José Vilela, trata "O poderoso triângulo da Maçonaria" portuguesa, com a nomeação de alguns membros das "três mais importantes lojas maçónicas em Portugal": a Mercúrio, Mozart e Brasília. Faltam outras, claro, como a Universalis, tratada em artigo anterior. Mas as guerras intestinas, dão nisto: só se expele o que não serve.
Uma fonte do jornalista, não deixa lugar a dúvidas sobre as intenções dos caminheiros do Bem: "ser a elite da Maçonaria e ter poder. Muito poder."
"O poder destas lojas, é o reflexo da influência dos seus membros" , escreve o repórter para apresentar a loja Mozart, liderada por um tal Nuno Vasconcellos, que é assim apresentado:

"Empresário da área dos media, ele é o homem da Ongoing Strategy Investments, a holding da família Rocha dos Santos que há poucos meses adquiriu os jornais Diário Económico e Semanário Económico, que é a segunda maior accionista do Grupo Impresa e que detém 6,9% da Portugal Telecom e 3,5% da Zon".

E é aqui que bate o ponto. O grupo Impresa é o grupo de Balsemão que segundo alguns, terá sido o principal factor de pressão para a decisão do primeiro-ministro, em apoiar o BPP, depois de o seu ministro das Finanças ter dito jamais.
Como é dito, o Expresso, dirigido por Henrique Monteiro, à Maçonaria deve obediência. Nada espantaria que o novo génio da cretinice jornalística da SIC-Notícias, e também do Expresso, seja novel membro da agremiação. A SIC, cela va de soi.

A revista Sábado é do grupo rival, a Cofina de Paulo Fernandes, pretendente a um naco mais substancial de influência mediática e portanto explica-se por aí, o interesse em apontar nomes, moradas e estratégias do concorrente, tentando mostrar-lhe a careca.
Tal manobra já analisada no blog Do Portugal Profundo, configura uma luta de facções a Maçonaria, onde avultam os nomes de José Manuel Almeida Ribeiro, o assessor do PM e outros [ redacção alterada],remete no entanto, para outro aspecto mais central e nuclear: qual o papel da Maçonaria global, no exercício do poder político em Portugal?
É questão que deveria ser colocada e bem mais importante do que o fait-divers dos poderes governamentais versus presidenciais.

Os nomes citados pela Sábado, dão conta de peonagem importante em diversas instituições do Estado, infiltrações maçónicas com o objectivo confessado anonimamente de conquistar poder, muito poder.
E por isso, vemos os nomes de responsáveis do SIS do SIEDM, das Forças Armadas e militarizadas, universitários etc etc.
Fazendo o paralelo com a antiga Loja P2, italiana, a semelhança, ressalta á vista desarmada: um interesse notório em recrutar membros das forças militares e da segurança, numa relação de quase um para quatro, em confronto com o grupo seguinte mais representado, o dos políticos, dirigentes bancários, universitários, industriais, jornalistas e magistrados.

A P2, nos anos oitenta, foi considerada pelo então presidente Sandro Pertini, uma associação de malfeitores. E foi perseguida criminalmente, porque se descobriu que tinha exactamente aquele objectivo concreto: poder, muito poder. De tal ordem, que levaria à subversão do regime, tornando-o uma democracia de nome, apenas.

Em Portugal, estaremos perto desse fenómeno, com estas escolhas e filiações de peonagem maçónica no coração do aparelho de Estado?

O que resta ao director do SIED, Jorge Silva Carvalho, apontado já por duas vezes, como membro emérito do clube que pretende o "poder, muito poder"? A demissão, com certeza. E que já tarda. E a de dois nomes importantes do SIS, indicados por inicial- F.R e J.A. Idem aspas. E ao assessor número um de Sócrates. Obviamente...

Outra pergunta: que interesse particular têm estas organizações secretas que não "dão a cara" e se apresentam como autênticos "cobardes" da democracia aberta e dela têm medo, nos peões de brega das instituições militares e de Segurança? Brincar aos cóbóis?


9 comentários:

lusitânea disse...

Só li a sábado da semana passada.Lá o "general" referido já não está no activo, não é das "armas" e pouca influência terá nos comandos.Será mais um Vasco Lourenço de avental.Claro que poderá haver outros mas julgo haver muitos anticorpos a esse tipo de organizações, por definição.Mas julgo que quem deve saber sabe do que se passa.

Karocha disse...

O Nandim no outro dia almoçava num tasco eu conheço-o há muitos anosm sentei-me e disse-lhe, Sabe quem eu sou? Resposta Sei.
O que devo fazer?
Fale com o Provedor de Justiça.
Respondi, você não deve estar bem e gargalhei-lhe na cara José...

Karocha disse...

Comigo andam a brincar aos aos cóbóis há muitos anos, agora acho que é com o Pais inteiro,ainda só passei os olhos pla Sábado!

Bom 2009 José

rodmor disse...

José:

Vou comprar agora a revista e lê-la.

Votos de um Bom Ano de 2009.

Tino disse...

Foi uma grande infelicidade para Portugal Salazar ser católico e Homem de fortes princípios morais, e ter-se ficado pela simples ilegalização destas organizações mafiosas...

Foi uma penas não se ter ido mais longe...

Agora é tarde. O cancro disseminou-se por todos os órgãos vitais...

CCz disse...

Caro José,
.
Bom ano!!

Zé Luís disse...

Os portugueses gostariam de perceber que a agenda da classe política está, de facto, centrada no combate à crise.

Caveto Silva dixit

É um mínimo de um mimo.

KILAS disse...

2009, ano de crise????


Crise para quem?????

Jorge Coelho, Vasco Franco, Armando Vara, Arménios, Dias Loureiro, Isaltino, Felgueiras, Valentim, em suma, para a classe política( ? )?????

Crise verdadeira é para aqueles tristes em que marido e mulher trabalham os dois numa fábrica, que são despedidos, com filhos para criar, com casa para pagar, etc... Isso sim, é crise.

Crise verdadeira é para aqueles idosos que recebem uma pensão de cerca de € 200,00, que querem comprar medicamentos e não têm dinheiro, que passam fome, uma fome envergonhada que envergonha, ou deveria envergonhar quem nos desgoverna desde 1974..., sem excepções!

Segundo me apregoam o grande feito deste Governo foi o combate ao défice e ter eauilibrado as contas´públicas. Pudera! com as medias que tomaram: fecharam escolas, hospitais, maternidades.... assim, até o merceeiro da minha terra o Ti Jaquim fazia milhor, não era preciso chamarem o Zé das Tretas....

aquiles disse...

José, faça o favor de não separar o sujeito e o predicado com vírgulas. Além de irritante, ajuda a desvirgular ainda mais as cabecinhas lobotomizadas pelo ministério das competências.