quarta-feira, 17 de junho de 2009

Perspectiva político-partidária

"Em Portugal há três esquerdas, dois centros e nenhuma direita, porque sobre esta ainda pesa a sombra da correcção política anti-salazarista"- Jaime Nogueira Pinto, i, ontem.
Subscrevo. E acrescento: o equívoco maior na sociedade portuguesa advém de uma das esquerdas ( PS de Vital Moreira, por exemplo), considerar um dos centros ( o PSD de Cavaco Silva, por exemplo) como sendo a Direita.
Evidentemente, acantonam essa Direita fictícia, sempre que lhes interessa conquistar votos à outra esquerda segregada ( o PCP) e à que se esconde em falsa modernidade ( BE).
Aliás, Jaime Nogueira Pinto em que lado está? No Centro, rigorosamente.

10 comentários:

Anónimo disse...

Curiosamente, Bagão Félix tem um sentido social real e prático bem mais apurado que boa parte da mais representativa esquerda e é capaz de o traduzir em ideias e opiniões claras. Mas leva o carimbo de Salazar.

josé disse...

A Igreja é de Direita ou Esquerda, politicamente?

É que me custa a entender esta divisão artificiosa, com utilidade para certos políticos.

Talvez seja altura de abandonar certas taxionomias e subsitui-las por outras mais perceptíveis: autoritarismo, centralismo, controlo de liberdades individuais, perseguição por motivos políticos, etc etc.

Há disso à Esquerda, Centro e Direita. Apenas varia o grau.

Este exemplar que lá está agora a mandar, é de Direita ou Esquerda?

Para mim é apenas um desastre.

Karocha disse...

Boa pergunta José!
Se alguém souber responder, eu também gostava de saber.

zazie disse...

É verdade.

E este Jaime Nogueira Pinto é excelente cabeça mas também está aí. no único lugar aceitável por cá.

lusitânea disse...

A constituição feita na altura em que o Freitas queria transformar todos os Portugueses em patrões(via para o socialismo original´deve ser a mais anti-direita que exise na Europa.E com a rapaziada de esquerda a conservar a titularidade de "poder classificar" quem é fascista, reaça, racista,etc.
A pobreza e cobardia por um lado e a necessidade do "clientelismo" para "sobreviver" por outro, faz com que ninguém se arrisque a ser "fracturante" e a defender VALORES que a esquerda diz serem "fascistas".Por exemplo o "nacionalismo".Definitivamente enterrado.Até o hino é a contra-gosto até porque tem "contra os canhões marchar, marchar".Os internacionalistas do PCP e BE fazem a "doutrina" e o PS e PSD aplicam-na...
Não existe direita e tenho pessoalmente pena, apesar de tudo fazer para que ela se recrie pois que parte do actual problwma é derivada da sua clandestinidade.Culpa do 25 de Novembro abortado na sua profundidade pelos mesmos de sempre.

josé disse...

O 25 de Novembro de 75 culminou um ano duma intensidade política que não tem paralelo na história contemporânea portuguesa dos últimos 50 anos.

Nesse dia, se não fosse o Melo Antunes e o Eanes e o Mário S. o comunismo seria ilegalizado na forma de partido como é o PCP.

Porém, as mudanças já eram tantas que não houve vontade política suficientemente forte para acabar com o estalinismo em Portugal.

Por isso, em 1976 tivemos uma Constituição que um tal Vital Moreira ajudou a compor.

Ainda hoje pagamos o preço da aventura.

O tipo anda por aí, na mesma, essencialmente. Só virou a casaqueta.

Unknown disse...

Acho que ainda vamos a tempo,,, e de norte a sul ou de sul a norte, como quiserem,têm que ser estripados os furúnculos que tanto mal têm feito a Portugal. de outra forma ainda vou ver, nesta vida, a africanização deste País e não é com pulas de África, pois esses não são africanos, mas sim com "morenos"....

lusitânea disse...

O 25 de Novembro teve vencedores e vencidos.Por obra de magia os vencedores foram sendo relegados e renegados consecutivamente.Hoje os vencidos são os vencedores.E andam bem de vida...
Ora quem é que foi ao longo dos anos a "trave mestra", o "pai" e ao mesmo tempo "dono"?Com clarividências destas o que é que se poderia esperar?Quem é catequizado em principio nunca abandona a sua religião...

lusitânea disse...

Em Portugal ou é 8 ou 80.As coisas nascem e morrem sem ser verdadeiramente reformadas e adaptadas com peso e medida.Portanto só a "ruptura" pode resolver aquilo que vai sendo acumulado...

Panurgo disse...

José,

Nem na esquerda, nem na direita. Está ao cimo. Bom, devia estar...