segunda-feira, 22 de junho de 2009

A cidadania de juizes

Como é sabido, Rui Rangel, indivíduo conhecido publicamente por ser juiz, actualmente desembargador na Relação de Lisboa, apareceu em grande destaque, na semana passada e durante a apresentação da campanha "Benfica Vencer, Vencer", para eleições no...Benfica.
O jornal "i" de hoje, noticia que Eurico Reis, outro indivíduo conhecido publicamente por ser juiz, iguamente desembargador e neste caso colega daquele na fundação de um espécie de sindicato de juízes- Associação de Juízes pela Cidadania-"quer afastar Rui Rangel da presidência desta associação devido ao seu envolvimento na campanha "Benfica, vencer, vencer", devido ao "papel visível e preponderante na campanha" que Eurico Reis considera inaceitável "devido à conduta que um juiz deve ter".
Este tipo de análise subjectiva sobre condutas aceitáveis ou inaceitáveis de juízes em funções e que se apresentam nessa qualidade em qualquer sítio onde vão, suscita alguns comentários.
Rui Rangel e Eurico Reis, com semelhanças nesse aspecto, são dois indivíduos que aparecem frequentemente a falar em público nos media ( geralmente a TSF e a SIC), sobre assuntos judiciários. Rui Rangel escreve uma coluna no Correio da Manhã, onde comenta livremente diversos temas de actualidade, incluindo judiciários e até decisões de tribunais.
Eurico Reis nunca lhe ficou atrás. Em entrevistas avulsas na tv, tem comentado de modo algo idiossincrático certos casos mediáticos, não se coibindo de dar opinião sobre modelos de organização institucional e judiciária que considera mais adequados, tecendo críticas, por vezes sem fundamento, a certas instituições como o MP.
Algumas das intervenções públicas de Eurico Reis têm contribuido, a meu ver, para uma certa deslegitimação das instituições judiciárias, sem consequências de maior.
Agora, pretende ver o ser colega de sindicato ou associação, "corrido", por se empenhar demais na campanha eleitoral para a direcção do seu clube desportivo de afeição.
Um dos argumentos usados por Eurico Reis para vituperar a atitude do colega, é a circunstância de no futebol, "tanto dinheiro envolvido, é um estímulo a actividades ilícitas e alvo de reprovação social".
Esperemos pela reacção do visado...

3 comentários:

O JUSTICEIRO disse...

E diz o roto ao nú: porque é que não te vestes tu????????

josé disse...

Dito de outro modo: similis cum similibus

JB disse...

E diz o roto ao nú: porque é que não te vestes tu???????? - O justiceiro

É mesmo isso. O que tenho contra estas pessoas em concreto é que dão uma péssima imagem dos juízes portugueses, quer pela vacuidade dos seus discursos, quer pela evidente ânsia de protagonismo que um e o outro transmitem. Pobres juízes que têm de aturar estes dois e pobres de nós que os aturamos quase diariamente nas televisões e jornais. Era tempo de o CSM agir...

Dura lex, sed latex