Páginas

domingo, 27 de novembro de 2016

Fidel? Não tenho pachorra...



Sobre a morte de Fidel Castro, Jerónimo de Sousa do PCP disse em nome dos "camaradas portugueses" que o Comité Central sentia um "profundo pesar". O cripto-líder Arménio Carlos disse mais: "foi o líder histórico de uma revolução que prossegue um caminho próprio".

Catarina Martins do BE afinou pelo mesmo diapasão: "Um grande homem  da revolução cubana, uma revolução vitoriosa"

Os socialistas não saíram do seu registo e pela voz do governante Santos Silva disseram que "é uma personalidade histórica de Cuba cuja morte devemos lamentar".

José Manuel Fernandes colocou os pontos nos iii, sem mastigar frases de circunstância:

 "Há muito que Fidel Castro não era uma figura deste tempo. Não por estar doente e afastado do poder, que passara ao irmão, mas por representar uma utopia há muito desacreditada, a utopia marxista-leninista, e a mais trágica das ilusões do século passado, a ilusão comunista."
 (...)
  "Esta duplicidade moral da esquerda pode ser ilustrada com uma provocação simples, mas verdadeira: o regime de Castro matou muito mais opositores do que o regime de Pinochet; Castro, ao contrário de Pinochet, nunca permitiu uma consulta livre sobre o seu destino político, nem abandonou o poder respeitando a vontade popular; Castro encontrou uma Cuba corrupta mas economicamente dinâmica e deixa-a empobrecida e corrompida pelos mesmos males que vituperou, como prostituição, enquanto Pinochet recuperou a economia chilena, ainda hoje a mais dinâmica de toda a América Latina. Castro não deveria por tudo isso merecer mais condescendência do que a tolerância zero que justamente dedicamos à ditadura chilena."

Cuba não é exemplo de nada para ninguém, mas os mitos continuam a alimentar essa esquerda fóssil.

Aquela ilusão comunista ainda hoje é defendida e partilhada pelo PCP, pelo BE e amplamente ajudada pelo PS que apesar de a não defender continua a partilhar o cama com aqueles fósseis.
Isto é a nossa tragédia nacional que se representa há cerca de 40 anos no palco social e político. Agora já é uma farsa, mas com virtualidades de se tornar outra vez tragédia, se o permitissem as circunstâncias e o tempo.

De todos os escritos que hoje li sobre o assunto o que mais me enoja é o do Público. Pela pena de um tal Fernando Sousa o branqueamento de Fidel Castro é de tal ordem que até suja o papel. O máximo que chega na História negra desse tipo particular de comunismo é aos anos 2000 e aos casos mediáticos das prisões de dissidentes.

O resto é hagiografia pura e com uma tónica comum que é dada pelo comunista Domingos Lopes, assim:


Imagino o que seria o jornal se o obituário a fazer fosse o de Salazar. 

19 comentários:

zazie disse...

Já o palerma do 44 aproveitou para vender "carisma"

ehehehe

Floribundus disse...

dizia um social-fascista
'galego explorador de pretos'
'coitado do cancro'

desaparece um FdP

'morreu o bicho.
ficou a peçonha'

Pedro Santos da Cunha disse...

Segundo a Revista Forbes este Assassino tem uma fortuna Pessoal superior a US$ 500 Milhões!
Lindo não é?
E também, segundo parece, o mano também tem uma Fortuna ainda Maior!
Viva a Revolução!
A deles, claro!

jbp disse...

O único a fazer-lhe um obituário decente foi o Trump.

Utilizador disse...

Viva José,

Podia colocar esta capa completa online? Apareceu aqui em dez 2011, e esta edição não está no site da FMS.

http://3.bp.blogspot.com/-IVwweRZ6z1M/Tvy-gOAMXjI/AAAAAAAAGCs/sgpCqU5TuLU/s1600/img104.jpg

Desde já os meus agradecimentos

AG

josé disse...

Amanhã procuro.

josé disse...

Ahahahah! É que tenho mesmo que procurar...

Maria disse...

Segundo os comunistas-marxistas-estalinistas e os socialistas-marxistas-leninistas, Salazar foi um ditador torcionário (só falta dizerem que ele era sanguinário, mas não dizem porque elas inexistem e eles sabem-no) e no entanto nunca mandou matar um único opositor ao regime, antes pelo contrário até os deixava viver e entrar e sair do país sem o menor problema, os menos perigosos para a segurança do país, naturalmente, há muitos ainda vivos que o podem atestar -- essa história velha e relha de ele ter mandado assassinar H. Delgado é uma rotunda mentira fabricada pelos opositores ao Regime para denegrirem a pessoa de Salazar ao culpá-lo de um crime vergonhoso que não cometeu e os próprios comunistas e socialistas, autores da bruta mentira que está por detrás da armadilha em que Delgado caiu, sabem ser esta a verdade pura, designadamente o traidor M.Alegre que foi quem convenceu Delgado a regressar a Portugal por Badajoz garantindo-lhe que não seria detido pela PIDE, mas à espera de que o fosse como estava combinado entre camaradas traidores. Este estupor sempre se manteve calado quem nem um rato sobre o assunto, porém se ele for Homem com H maiúsculo, que não é, que o confesse pois sabe como foi montada a armadilha, sabe como Delgado foi traído por ele e pelos seus camaradas e como aconteceu o triste desenlace -- fossem eles comunistas ou socialistas declarados (e só conspiradores perigosos, agentes subversivos e traidores à Pátria é que as autoridades mantinham bem afastados do país) e bem podia tê-lo feito já que tinha autoridade e poder para isso. Muito menos ordenou sevícias sobre os prisioneiros políticos..., quem duvidar que veja as imagens dos presos a saírem de Peniche no 25/4, todos eles sorridentes e bem dispostos, com aspecto saudável, nada alquebrados, com roupa impecável e inclusive blusões de passeio, de tal modo que mais parecia estarem a saír de um espectáculo de variedades ou de um desafio de futebol...

Quanto ao sanguinário Fidel, este sim, verdadeiramente criminoso e torcionário e responsável directo dos dois milhões de compatriotas por ele mandados assassinar e de outros tantos inocentes que ele manteve na prisão durante dezenas de anos durante os quais sofreram as mais terríveis sevícias e torturas, reveladas pelos poucos patriotas que conseguiram escapar ao terror e disso mesmo têm vindo a dar testemunho. Sobre estes factos comprovados, os comunas, xuxas e bloquistas mantêm-se calados que nem ratos e pelo contrário glorificam-no até ao vómito. Até Putin. imagine-se!, disse que a Rússia de hoje nada tem a ver com aquele regime.

Já agora cabe pergutar: alguma vez Salazar, durante os anos que governou, mandou encostar ao "paredão" fileiras de compatriotas inocentes para serem fuzilados, como sucedeu em Cuba no tempo do diabólico Che Guevara, mas também a mando do 'pacifista' Fidel? E que dizer das centenas de milhar de massacrados e de outros tantos milhares de fuzilados na Guerra Civil de Espanha perpetrados por republicanos comunistas?
Salazar porventura mandou desterrar milhões de compatriotas, não para a gelada Sibéria, que cá não existia -- Sibéria, aliás, onde a maioria dos desterrados morreu de fome e de frio e muitos deles intencionalmente assassinados pelos próprios guardas, para servirem de alimento aos prisioneiros esfomeados, canibalismo, este, incitado pelos mesmos guardas, que também aproveitavam para se banquetear -- mas para São Tomé, Angola ou Timor para os deixar morrer à fome e à sede sob um calor tórrido de África, o que viria a dar ao mesmo? Que se saiba e dito pelo próprio Soares, quando ele esteve desterrado em São Tomé vivia regaladamente, bem instalado, muito bem servido e com todas as necessidades satisfeitas e com uma bela praia só para ele..., de tal modo que nem quis ser libertado por camaradas que lhe propuseram ir resgatá-lo de barco ao largo do mar que ligava à praia ali mesmo em frente... De facto que grande ditador torcionário Salazar foi para os prisioneiros políticos, então não?
(cont.)

Maria disse...


Ainda sobre Salazar.

Que os guardas prisionais de Caxias e Peniche terão exagerado na brutalidade exercida sobre alguns prisioneiros políticos, nos interrogatórios a que estes eram submetidos, é muito possível, mas tê-lo-ão feito por sua própria iniciativa e jamais a mando de Salazar, que além de um humanista era um respeitador das leis da Igreja. E afinal quais são as prisões, nas democracias ou em qualquer outro regime, em que alguns guardas prisionais não exerçam força bruta sobre os detidos? Isso acontece num dos países dito o mais democrático do mundo, como os Estados Unidos, mas não só, onde a brutalidade e a tortura sobre prisioneiros comuns são o pão de cada dia e então sobre presos políticos a exercida ultrapassa os limites do inimaginável.

Maria disse...

O que têm a dizer os comunistas, socialistas, extremo esquerdista e afins, incluíndo a pretensa Amnistia Internacional fundada por Soares (e logo por este marau..., o Rui Mateus que o diga, para conseguir milhões foi capaz das piores traições a amigos e de outras tantas traficâncias e corrupções para atingir os seus fins obscuros, nós portugueses, que o digamos) Amnistia que volta e meia, para mostrar serviço, protesta contra os maus tratos a prisioneiros..., mas só nos países não democráticos) das sevícias, torturas e mortes por espancamento, choques eléctricos, tortura da água e da parede, privação do sono e demais violência e humilhações abomináveis sofridas pelos prisioneiros de Abu Graib, fora aqueles que morreram em sua consequência? E por que não se revoltam os comunas, xuxas e bloquistas e não injuriam os governantes norte-americanos sobre a violência e tortura que desde sempre e sob as suas ordens, têm vindo a ser infligidas sobre os prisioneiros de Guantanamo, prisão esta que Obama disse ir encerrar durante a sua presidência, nunca o tendo feito?

Maria disse...

E o que dizer dos tratamentos infra-humanos sofridos pelos prisioneiros, além dos citados, que sofrem horrores em todas as outras prisões norte-americanas e os muitos milhares que morrem em consequência? E porventura durante os anos em que Salazar governou existiram prisioneiros a serem condenados à morte e/ou a serem executados na cadeira eléctrica ou através de injecção letal ou brutalmente espancados e agredidos a murro e a pontapé e sujeitos a outras crueldades ainda mais graves, como acontece diàriamente nos E.U. e noutros países que alardeiam democracia aos quatro ventos?

Maria disse...

E os crimes crudelíssimos que têm vindo a ser cometidos pelos assassinos do ISIS, crimes que deixam indignados e bem todos os povos civilizados e no entanto estes são grupos terroristas organizados e apoiados militarmente pelos Estados Unidos (tal como anteriormente já o havia sido Bin Laden, tendo este sido sócio da família Bush durante muitas décadas, em empreendimentos ligados ao petróleo) e a igualmente fabricada pelos E.U., Al Qaeda e que, por conta das guerras fratricidas despoletadas por aquelas bandas e que estão para durar, se todas estas tragédias fossem atiradas à cara dos governantes americanos, estes alegariam com ar de almas boas, terem "sido forçados a fazê-lo para levarem a 'democracia' a todos aqueles povos infelizes e oprimidos"(a mesma lenga-lenga de sempre) Guerras, estas, apoiadas moralmente por comunistas e extremo-esquerdistas

Maria disse...

e socialistas de todos os quadrantes, embora, se questionados, o neguem veementemente e nem outra coisa seria de esperar já que eles são mentirosos patológicos e todos sofrem da síndrome da mentira adquirida. Mas estas sevícias e torturas em prisioneiros não acontecem só nos E.U. como também noutras 'democracias' por todo o mundo. Porém destes países e dos seus governantes verdadeiramente torcionários, assim como de grupos terroristas que decapitam seres inocentes como quem bebe um copo d'água, os comunistas, esquerdistas e socialistas, que tanto difamaram o 'ditador' Salazar e o acusaram das piores torpezas e malvadezas para com os presos políticos e opositores ao Regime, curiosamente (ou não...) conservam-se quedos e mudos... Se eles se reduzissem à sua insignificância, é que era o melhor que tinham a fazer. Mas não.

Maria disse...

Eles persistem na sua imparável e insuportável cruzada cretina e mentirosa contra o 'ditador' Salazar e contra a 'extrema-direita fascista'... Como se porventura existisse alguma extrema-direita em Portugal. Mas mesmo que ela quisesse existir, eles, comunistas, socialistas e esquerdistas proibiam-na terminantemente, como o fizeram na Constituição de 76. Isto sucedeu pelo medo atroz de os seus partidos irem perder acto contínuo o lugar proeminente que detêm e usufruem no espectro político e também e principalmente pela clara evidência de que a partir dessa altura em todos os processos eleitorais iriam ser relegados para um lugar insignificante na escala partidária, obtendo se tanto uns 10/12% dos votos expressos, tal como tem vindo a acontecer desde que há eleições tanto com o PCP como com o Bloco de Esquerda. Salazar acusado de ter sido (hipotèticamente) um temível ditador fascista? Não nos façam rir que o país não está em condições para aceitar graçolas, está sim para chorar. Sobretudo de raiva, raiva incontida, pelo que os partidos de esquerda e de extrema esquerda fizeram a Portugal.

Maria disse...


Imaginem isto! Segundo a esquerda comunista e socialista Salazar era tão ditador e tão fascista ... que até mantinha relações diplomáticas com Cuba e, embora não diplomáticas, com a própria União Soviética onde volta e meia os nossos cantores iam actuar, como por ex. a maravilhosa Amália Rodrigues! Salazar era tão mauzinho e tão anti-comunista que até permitia que actores de teatro fossem livremente a Cuba representar peças de teatro e/ou dar lições nesta arte... Mas que grande anti-comunista que era Salazar. Pois.

Os comunistas estão à espera do regresso vitorioso da sua ideologia como sistema político para poderem voltar ao poder em Portugal e nos restantes países em que o perderam, mas uma tal catástrofe nunca irá acontecer. Eles não se dão conta, por uma questão de facciosismo, estupidez ou teimosia ou os três defeitos juntos, do erro crasso em que incorrem pois o comunismo está morto e enterrado e nem os povos e governantes dos países ex-soviéticos admitem que ele renasça e muito menos que regresse ao poder nesses países, agora democráticos. Num ou noutro destes países em que eles ainda subsistem, sempre que há eleições recebem uma percentagem mínima de votos. Os povos desses países não os toleram e os partidos comunistas são tolerados pelo sistema apenas e só com a condição de não se intrometerem nas respectivas políticas.

Maria disse...

Se quisermos comparar sanguinários do calibre de Estalines, Lenines, Pol Pots, Fideis, Idis Amins, Bokassas, Rosas Coutinhos, Otelos, Soares e Cunhais (e muitos mais, seria fastidioso enumerar) -- e neste rol de criminosos estão incluídos os dois últimos pulhas citados que, por interpostos homens de mão, literalmente a comandar as tropas comunistas nos nossos Territórios Ultramarinos e a orientar os novos governantes africanos, todos comunistas, a lutar contra Portugal e a favor da U.S. e dos E.U., mandaram assassinar milhões de portugueses inocentes no pós 25/4 -- com o extraordinário político e enorme patriota que foi Salazar, descontados os poucos defeitos que lhe pudessem ser assacados, fàcilmente se chega à conclusão de que Salazar foi um verdadeiro santo dos altares. Todas aquelas personagens despóticas e sanguinárias, as estrangeiras e as portuguesas, serão para sempre assim cognominadas e como tal reconhecidas pelas futuras gerações.

Maria disse...

Salazar, pelo contrário, será sempre lembrado como um defensor estrénuo da Pátria e do Povo e tributos à sua memória ser-lhe-ão prestados geração após geração pelos séculos e séculos, ficando o seu nome gravado a letras de ouro na História de Portugal.

Por mais que os comunistas-estalinistas-maoistas, os comunistas-troskistas e os socialistas-marxistas-leninistas continuem a ridicularizar os méritos de Salazar como Governante e a desvirtuar a importância do seu legado político, persistindo em apoucar o seu nome e ridicularizar a sua pessoa, aquelas são qualidades indesmentíveis, reconhecidas inclusivamente pelos seus inimigos e é bom que a esquerda reinante se convença de uma vez por todas que contra factos não há argumentos e perante uma verdade irrefutável não existe mentira, por maior que seja, com força suficiente para a contestar, desdizer, anular ou destruir.

Maria disse...


Por mais que os comunistas-marxistas-estalinistas-leninistas, os comunistas-troskistas-maoistas e os socialistas-marxistas-leninistas continuem a ridicularizar os méritos de Salazar como Governante e a desvirtuar a importância do seu legado político, persistindo em apoucar o seu nome e a sua pessoa, aquelas são qualidades indesmentíveis, reconhecidas inclusivamente pelos seus inimigos e é bom que a esquerda reinante se convença de uma vez por todas que contra factos não há argumentos e perante uma verdade irrefutável não existe mentira, por maior que seja e com força suficiente para a contestar, desdizer, anular ou destruir.

Deixo uma nota assaz curiosa para todas as esquerdas comunistas matutarem e se ainda lhes sobejar uma réstea de vergonha, que respondam. Fidel tinha crucifixos em todas as suas casas e nas respectivas paredes de todas as salas e quartos dessas casas. Também tinha crucifixos nas paredes dos quartos de todos os hotéis e moradias onde os convidados estrangeiros e políticos em visitas de Estado ao "comandante", costumavam ficar alojados. Se esta era a realidade assumida por um comunista confesso(?) adorado por todas as esquerdas, esquerdas que odeiam a religião católica de morte e exigiram ainda não há muito tempo (como se elas mandassem no nosso País!) que os crucifixos fossem retirados das salas de aula de todas as escolas porque aqueles 'ofendiam' as outras religiões!!! Imaginem a hipocrisia e a falsidade desta gente, num país em que 90% da população é católica tínhamos que obedecer a uns trastes que odeiam os portugueses e mais ainda Portugal. O cinismo destes inimigos de Portugal não tem paralelo, nestes quarenta e dois anos de 'democracia' eles nunca pronunciaram uma única palavra de condenação ou crítica sobre os milhares de crucifixos espalhados por todas as casas da sua amada Cuba, como igualmente pelos palacetes do seu idolatrado Fidel... Os comunistas não só nunca criticaram nenhuma acção ou feito de Fidel, como sempre o homenagearam como um herói onde quer que ele se deslocasse, tendo o mesmo acontecido aquando da sua última visita ao nosso País... Repito, a hipocrisia e o cinismo desta gente não têm limites.

Maria disse...

O que têm os comunistas a dizer sobre este facto aparentemente paradoxal? Se Fidel não tinha o mínimo receio de ofender as 'outras' religiões que por lá existissem, porque no seu país e na "sua" religião era ele quem mandava, por que motivo os comunas cá do sítio nunca abriram a boca perante semelhante 'afronta' às outras religiões (esta suposta alegação, por cá propalada, é falsa, eles odeiam todas as religiões, sobretudo a católica) praticada na pátria do seu querido camarada Fidel? Ah, já se sabe, é a hipocrisia, o cinismo e o ódio a falarem..., mas, atenção, estas manipulações só acontecem em países não comunistas. Cuba era/é outra loiça e como Fidel Castro era comunista (seria mesmo, tendo em conta a sua aparente religiosidade?), a ele tudo era permitido e perdoado pelos camaradas portugueses... até os milhares de crucifixos por eles odiados, espalhados por todas as casas e escolas do país... e palacetes de Fidel. E não obstante sobre este paradoxo estranhíssimo - ou nem tanto - da parte dos comunistas nem um ai. Cínicos dum raio. Malditos sejam e diabos os levem.