segunda-feira, 15 de julho de 2019

A ideologia do Bloco de Esquerda é conhecida há muito

Jerónimo de Sousa, o comunista do PCP fossilizado em estalinismo precoce, pergunta:

"(...)mas qual é o projecto, qual a ideologia do Bloco de Esquerda? É uma interrogação.”


A pergunta é boa mas inútil. Jerónimo, o ortodoxo conhece a história contada pelos velhinhos do partido e que já partiram há décadas. Aliás foi diagnosticada pelo maior de todos, Lenine: é uma ideologia infectada pela doença infantil do comunismo. 
Trostki era comunista, mas infantil, como Estaline comprovou e por isso o eliminou do mundo dos vivos, um acto benemérito que o PCP aprovou...

De resto, nunca o Bloco escondeu de onde vinha e para onde queria ir, excepto para a maioria dos seus votantes que não querem entender isto e continuam atrás do muro da vergonha: 

Há mais de dez anos, o mentor do Bloco, Louçã, frade laico da ordem dos mendicantes de caviar dizia assim:

"Numa esquerda socialista. (...) Para nós o socialismo é a rejeição de um modelo assente na desigualdade social e na exploração, e é ao mesmo tempo uma rejeição do que foi o modelo da União Soviética ou é o modelo da China. Não podemos aceitar que um projecto socialista seja menos democrático que a "democracia burguesa" ou rejeite o sistema pluripartidário. Não pode haver socialismo com um partido político único, não pode haver socialismo com uma polícia política, não pode haver socialismo com censura. O que se passa na China, desse ponto de vista, é assustador para a esquerda. (...) Agora, a "esquerda socialista" refere-se mais à história da confrontação, ou de alternativa ao capitalismo existente. Por isso o socialismo é, para nós, uma contra-afirmação de um projecto distinto. Mas, nesse sentido, só pode ser uma estrutura democrática."
O que dizia Louçã em 2005 a este propósito? Isto:

"O BE é um movimento socialista ( diferenciado da noção social-democrata, entenda-se-nota minha) e desse ponto de vista pretende uma revolução profunda na sociedade portuguesa. O socialismo é uma crítica profunda que pretende substituir o capitalismo por uma forma de democracia social. A diferença é que o socialismo foi visto, por causa da experiência soviética, como a estatização de todas as relações sociais. E isso é inaceitável. Uma é que os meios de produção fundamentais e de regulação da vida económica sejam democratizados ( atenção que o termo não tem equivalente semântico no ocidente e significa colectivização-nota minha) em igualdade de oportunidade pelas pessoas. Outra é que a arte, a cultura e as escolhas de vida possam ser impostas por um Estado ( é esta a denúncia mais grave contra as posições ideológicas do PCP). (...) É preciso partir muita pedra e em Portugal é difícil. Custa mas temos de o fazer com convicção."
O Bloco não tem segredos para ninguém. Nem sequer para o Jerónimo da seita ortodoxa. Só tem para quem prefere que seja assim e os votantes embarquem eleitoralmente no engodo. 

Sem comentários: