Páginas

quinta-feira, 5 de setembro de 2013

Jornaleiros a dias


João Ribeiro, porta-voz do PS, ao i: “Parte da direcção de informação comporta-se como servente do governo”

O PS apresentou ontem queixa contra a RTP na Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) e na Comissão Nacional de Eleições (CNE), por considerar que o programa "'O País Pergunta' não garante a igualdade de tratamento entre os líderes político-partidários." Ao i, o porta-voz do PS acusa "parte da direcção de informação da RTP" de estar "instrumentalizada e governamentalizada".

Quem é o director de informação da RTP? Um certo Paulo Ferreira que está a aquecer o lugar há menos de um ano, depois de ter passado por um Público no tempo das famigeradas "escutas de Belém", uma operação de propaganda operada com mão de mestre pelos spinners de Sócrates, o Inenarrável. Um tal Almeida Ribeiro, ex agente do SIS, não deve ser estranho ao assunto.
Paulo Ferreira faz agora aquilo para que foi treinado: informação a favor de quem manda. Jornalista, isto? 
Evidentemente, logo que o panorama político mudar, mudam os convites. A RTP tem sido isto ao longo de décadas. É preciso que seja o erário público a pagar esta pouca-vergonha?

7 comentários:

Vivendi disse...

Historiadores querem arquivos da PIDE de novo em Portugal:

http://www.dn.pt/politica/interior.aspx?content_id=3405138&page=3

Floribundus disse...

o ps prepara-se para a 4ª bancarrota.

o MONSTRO, através dos sindicatos profissionais vai ajudar

o socialismo vive à custa de quem trabalha e paga impostos

Maria disse...

Vivendi, se isso é verdade é simplesmente fantástico. Aliás os arquivos, propriedade absoluta e intransmisível do Estado português cujo desaparecimento confere crime punível com prisão agravada, nunca deveriam ter saído de Portugal, muito menos para um país inimigo que só nos quis mal, mas com a máfia que tomou d'assalto o nosso país as piores malfeitorias foram e continuam a ser possíveis, sendo o roubo dos arquivos da polícia política apenas mais um dos milhares de gravíssimos atentados patrimoniais perpetrados contra a soberania de Portugal, obra exclusiva do mais perigoso bando de criminosos que este infeliz e bom povo jamais pensou ver algum dia governar a sua sagrada Nação.

Maria disse...

"... crime punível com prisão agravada..." . Ou mais concretamente, crime de alta-traição punível com prisão perpétua.
Maria

Vivendi disse...

Pois Maria. Mas como lemos no artigo do DN a mesma máfia (varelas &) quer refazer a história ao seu jeito.

Floribundus disse...

Vivendi
deveria ter escrito 'o que resta' dos arquivos

Vivendi disse...

;) nem mais Floribundus. O PCP fez a sua própria triagem e condenou às purgas o que não lhe interessava.