Páginas

domingo, 13 de agosto de 2017

Magalhães & Silva, Catão de circunstância

O advogado e fundador do PS, Manuel Magalhães e Silva escreve umas croniquetas no CM, de vez em quando.

Hoje deu para assumir  um papel que lhe assental mal, o de Catão. Magalhães e Silva é advogado de firma prestigiada no gotha do nosso universo político e portanto, privilegiado em funções que se distinguem, desde as governativas até às de supervisão. Deve por isso ganhar a vida em proporção à importância que tem nesse universo.



Este advogado  devia estar calado nestes assuntos de seriedade porque a desmultiplicação dos papéis em jeito de catão que assume publicamente só se compara com a gomina que põe no cabelo para brilhar na tv, onde frequentemente é chamado para debitar opinião sobre tudo e o habitual par de botas, particularmente em assuntos de justiça candente que envolva notáveis do PS e arredores.

Esta notícia é do JN, de 3.2.2013 e não me dei ao trabalho de procurar mais na internet, no Base para ver mais:
 
"Alguns dos maiores gabinetes de advogados são contratados ano após ano para prestar serviços de assessoria e consultoria jurídica a entidades públicas.
A lista, disponível na Internet, mostra que no ano passado foram entregues ajustes directos a consultórios de advogados no valor de 7,6 milhões - inferior ao entregue em anos anteriores, reflexo da contenção notada em todos os ajustes directos, mas ainda assim suficiente para pagar o projecto de requalificação do troço nascente da Avenida da Boavista, da Câmara do Porto.
Em 2012, os maiores adjudicados foram a BAS (a sociedade de Pedro Madeira de Brito e Artur Filipe da Silva, com 548 mil euros), a Abreu & Associado (411 mil), a Nuno Cerejeira Namora, Pedro Marinho Falcão & Associados (386 mil), a Jardim Sampaio, Magalhães e Silva e Associados (367 mil), a Paz Ferreira & Associados (346 mil) e a Sérvulo & Associados (314 mil). Em número absoluto, esta sociedade foi a que assinou mais contratos.
Este ano, sobretudo graças aos 650 mil euros que o Banco de Portugal pagará à Vieira de Almeida & Associados por serviços de assessoria jurídica, durante três anos, o valor contratado com gabinetes de advogados ultrapassa o registado na mesma altura do ano passado.

Alexandra Figueira | Jornal de Notícias | 03-02-2013"


 Costa e Lacerda Machado conhecem-se desde a faculdade, onde se tornaram bons amigos, ao ponto de este ser depois seu padrinho de casamento. O outro amigo próximo era Eduardo Cabrita, com quem o jovem advogado parte depois para Macau, onde está dois anos como assessor jurídico — indicados precisamente por Costa ao então secretário-adjunto Magalhães e Silva. É aqui que conhece Jorge Coelho, que se lembra dele como um jovem “afável e competente”, que fazia parte da equipa de futebol que organizava.

É deste tipo de atitudes que detesto particularmente: estes indivíduos falam como se fossem donos de uma moral que arvoram em público, apenas porque são alguém politicamente e portanto com as costas sempre aquecidas pelo conforto político. Sem isso seriam zero no panorama mediático-social. Ou antes, seriam tanto como os demais que não têm esse poder. 

O tal juiz de Oeiras que é afilhado de casamento de um dos candidatos à Câmara, das duas uma: ou decidiu mal, legalmente e portanto poderá vir a ser sindicada a sua decisão; Ou decidiu mal, por peita moral, por prevaricação deliberada e tal não se sindica com artigos manhosos como este. Ou então decidiu bem, legalmente e por isso sem motivo algum para crítica, o que deveria envergonhar quem escreve desse modo e afastá-lo de vez de toda a actividade pública de supervisão de comportamentos de magistrados, precisamente por causa da suspeita, agora séria, de má índole ou má capacidade de ajuizamento de quem assim actua.

Presumi-lo corrupto e deixar a suspeita que não é sério, como faz Magalhães e Silva, tendo em conta o que este representa politicamente e pela actividade que publicamente tem exercido, é um exercício venal em prol de  uma moralidade de vão de escada e representa um grau mais acima na hipocrisia ambiente.

Se há coisa que o advogado Magalhães e Silva devia resolutamente abster-se de fazer é a prolação de juizos morais escritos e publicados sobre comportamentos alheios deste género relativamente a magistrados.

7 comentários:

Terry Malloy disse...

O relevante, parece-me, não é levantar suspeitas sobre o juiz de Oeiras.
O relevante é destacar do corpo do artigo, a bold, a generalização "Ao menos a aparência, senhores juízes!".

Isto é, a propósito de um caso particular, enxovalhar uma classe.

Como se, a propósito de Vale e Azevedo, eu pudesse dirigir-me ao escriba e atirar-lhe publicamente "Ao menos não sejam tão pulhas, Srs. Advogados, ao menos um bocadinho menos pulhas!".


altaia disse...

A politica é uma merda a justiça está a caminho é só deixá-los poisar

Manuel Pereira da Rosa disse...

E o povo será alguma vez Povo?
"A soberania una e indivisível reside no povo que exerce segundo" as prescrições geradas pelo bestunto do seu paizinho miudinho que também não gosta dos juízes.
A Nação Portuguesa é soberana e o seu poder é limitado apenas pelo direito pela moral e pela natureza das coisas.
Quem é fassista, quem é?

Manuel Pereira da Rosa disse...

Que faz o Magalhães no CSMP? Não havia necessidade!

josé disse...

O que é que o Magalhães faz no CSMP? Uma coisa, pela certa: vigia os magistrados do MºPº que podem intrometer-se demasiado nos assuntos e raison d´état que o PS representa em Portugal.

Apenas isso, acho.

Manuel Pereira da Rosa disse...

Olhe José (permita-me) os magistrados são servos do soberano, por ele nomeados para o servir. Meter o povo na representação e susceptivel de criar confusões. Por acaso, já pensou no poder do subdito de um soberano que tem poder sobre os que o querem tramar. E se esse subdito for em simultâneo servo então esse poder maior se torna. O STJ é uma fraude porque não é supremo, a AR é uma incubadora de quadrilhas o pseudo eng Sócrates comandou o PS para a produção de uma lei para lavagem de dinheiro mediante o agamento de uma comissão de 5%, tendo a supimpa lata de chamar IRS a uma comissão negociada, etc., etc.


josé disse...

O marxismo refere-se a uma superestrutura que comanda as demais...sendo essa a burguesia. Daí a necessidade de luta de classes.

Então pergunto: se os magistrados são servos do soberano e a constituição feita pelo soberano que é o povo diz que a justiça é administrada em nome do povo, a questão é de saber em que medida o povo é realmente representado e quais os checks&balances, para usar o estrangeirismo, para controlar tal coisa.

Em resumo: é preciso desmontar as aldrabices dos poderes, de todos os poderes. Porém, é melhor ter vários poderes que se vigiam mutuamente do que apenas um que se proclama o supremo poder do povo, como se faz nos regimes totalitários.

O único regime totalitário com alguma aceitação teórica é a da monarquia iluminada.