Páginas

sábado, 20 de maio de 2017

As cançonetas da Eurovisão de outros tempos

Ao ler esta crónica de hoje, de Alberto Gonçalves, no Observador,  saudavelmente iconoclasta, dei por mim a sintonizar melodias antigas ouvidas de há 50 anos para cá e por esta época a propósito do Festival Eurovisão da Canção.

Tal Festival  já foi um acontecimento cultural e popular de importância singular há muitos anos, quando não havia internet e a televisão só tinha dois canais e a preto e branco.

Actualmente é um entretenimento semelhante a outros que  todas as semanas passam nas tv´s para preencher horário nobre nas noites de fim de semana.

Sobre a cançoneta que ganhou o festival da Eurovisão deste ano e que é portuguesa, cantada por Salvador Sobral pouco há a dizer: é uma boa canção pop e que mereceu ganhar, pela composição melódica e pela interpretação.
Quanto ao valor intrínseco e duradouro só o tempo  dirá o que vale, mas não irá muito longe nessa caminhada. Quem é que se lembra hoje de Smokey Robinson? Cantava coisas parecidas, às vezes...  

Nos últimos 50 anos, aliás e que me lembre, com auxiliares de memória, apenas três ou quatro  cançonetas merecem esse destaque e distinção do tempo,  já com mais de 40 anos:

Sandie Shaw- Puppet on a string, em 1967.
Dana- All kinds of everything, em 1970.
Abba- Waterloo, em 1974.


Em  1973 houve uma canção que não ganhou e que os espanhóis Mocedades cantaram- Eres tu.  A melhor canção de sempre desse Festival, na minha modesta opinião.
Depois dessas não me lembro de nenhuma outra que valha a pena lembrar e ouvir.

Estará Amar pelos dois ganhadora deste ano, ao nível de qualquer uma destas? Não me parece.

Então isto que hoje se pode ver nos quiosques de todo o país é um sinal de outros tempos...que pouco ou nada têm a ver com música, mesmo pop.


A música não é pirotecnia, pois não? Nem papel pintado, de parede.

31 comentários:

Floribundus disse...

detesto paneleiros e tive de os aturar na chafarica

in illo tempore havia machos
agora aparecem uns seres esquisitos

até passei a gostar dos ABBA

zazie disse...

Concordo com tudo mas, na altura, como vi no hospital a acompanhar familiar, percebi outra coisa- a letra e a simplicidade apelou a sentimentos que estão para lá dos estilos musicais.

Tal como as nossas pequenas fés, de que falou a HM- esta tocou em muita gente em toda a parte do mundo. E isso, sim, há-de fazer parte da nossa forma de estar mais simples quando não pretende megalomanias ou ir atrás dos outros.

zazie disse...

Ah- o rapaz não é nada um mongo drogado, é descendente do conde de Sobral de Monte Agraço.
A descontração não é rufia, é outra coisa, também muito fora dos padrões cançonetistas e palermices arrivistas de intervenção.

josé disse...

Braamcamp Sobral...Refer. Exoneração pelo Cravinho. Contestada.

josé disse...

Mas não é esse o ponto. O ponto é a música.

Tenho a impressão de a ter já ouvido...pelo menos em parte.

zazie disse...

E mais um acrescento- não sei bem a que se deve, talvez ao tom meio jaz, meio pop, ele conseguiu fazer soar o português de um modo muito bonito, coisa que me parece uma proeza, se comparada com o "oição" oição" que só pelos ão,ão estragava tudo.

A nossa língua não é nada cantável. Ora a maioria dos comentários estrangeiros- ao acaso, sem precisarem de ser críticos- foi soar-lhes bem. Porque ele tornou tudo doce e meigo.

E é claro que não é nada de especial musicalmente- era apenas a única que se aproveitava num pavor de anormalidades coroegráficas, e toda a restante pirotecnia.
Não foi arrogância ele ter dito isto, ao contrário do que o Alberto Gonçalves escreveu. Ele valorizou um estilo oposto à onde geral de marketing.

zazie disse...

Sim, claro. Não estou a dizer o inverso que o José escreveu- já todos a ouvimos, mas não naquela noite.

Como alguém escreveu lá nos comentários- "já que participamos, sempre é melhor ganhar".

Soa-me a snobismo desvalorizar o agrado de tanta gente em tantos países. Ganhou-se e de forma que não envergonha. Se ganhasse uma cena como a barbuda do ano passado ou aqueles tipos de comboio de terror de feira-popular é que era mau.

josé disse...

Essa da pirotecnia esteve bem. Mas...quem concorre a um festival deste género não deveria cuspir na sopa porque essa sopa é toda ligeira e feita de efeitos.

Agora como proclamação de princípio está bem, mas não é para ir muito longe.

zazie disse...

Ah, claro- é uma pose acriançada quando já nem é uma criança.

Acho é que a irmã devia fazer letrinhas mas ficar calada- que parecia o homem do dueto final.

josé disse...

Curiosamente ouvi a canção a primeira vez no dia em que foi apresentada no fesrival de cá. É costume estar a tv ligada enquanto escrevo isto e outras coisas. Por isso espreito e se tiver interesse vejo. Foi o caso. E gostei logo daquela interpretação que me surpreendeu.

Mas já ouvi aquele tom e aquela melodia algures. Ou parte dela. Soou-me logo bem da primeira vez que ouvi.

Mas nem liguei muito. Nem sabia que iria depois à Eurovisão. Quando se falou nessa ida fiquei atento e considero que foi de facto uma canção bem feita para o festival.

A importância que se dava a tal Festival há 50 anos ou 40 era maior que hoje. Portanto, isto parece um revivalismo improvável de algo já desaparecido.

Foi como se esse festival da Eurovisão fosse de novo o que significava nesse tempo: as canções que concorriam e ficavam nos primeiros lugares tinham transmissão no rádio assegurada e venda de discos em grande.

Foi assim com os Abba, por exemplo, em 1974.

E quando a francesinha Myriam ganhou em 1977 só por ser luso-descendente foi também uma pequena vitória portuguesa, lembro-me bem disso.

zazie disse...

Eu nem tinha ouvido nunca. E nunca mais vi um Festival da Canção desde esses tempos.

Foi mesmo na net que ouvi e vi em vídeo e depois lá naquela coisa, também só assisti até ele.

O resto não consegui- nisso assino por baixo o que o AG escreveu. Já em casa cliquei nos vídeos dos seleccionados e achei isso- foi a única que destoou e destoou por bons motivos.

Valeu por uma noite. Pode continuar a cantar em bares e assim- é um "cantor amador" no sentido em que dantes também existiam os "pintores amadores". Uma coisa agradável em pequeno grupo sem pretensões maiores que isso.

zazie disse...

Eu nem li mais nada acerca da coisa e nem sei bem como foi a votação. Mas aqueles votos todos para além do júri não se podem explicar por força de lobby de emigrantes.

josé disse...

Bem, por acaso acho que tem boa voz e pode ir além do amadorismo, se tiver talento para compôr ou cantar composições como esta.

Mas a música hoje em dia em Portugal é coisa muito fluida. Um Bettencourt que tem uma voz fabulosa não tem grande expressão, como teria há umas décadas, se vivesse e cantasse então.

Os únicos discos que ouço de música portuguesa são dos cantores de intervenção dos sessenta e setenta. E a Banda do Casaco, ou o Rui Veloso e mesmo este com muita parcimónia.

Os Trovante de um disco de 1987 também gosto.

O resto é para ouvir no rádio quando calha. Não compro um disco para colecção.

Nunca compraria este disco, Amar por dois, porque não o ouviria por gosto singular, como ouço outros.

Aqui há uns tempos comprei o Não há nada pra ninguém, um single do Mário Mata dos anos 70-80. E ouço-o.
Ou Os Lobos do Vieira da Silva, de 1975 que também comprei em single.
Ou O Café de Fernando Tordo.

E muitos outros, até o conjunto António Mafra.Tenho vários singles ( ep´s) deles. Originais e que são diferentes do som dos cd´s. Soam mesmo a anos sessenta.

zazie disse...

O José é um melómano.

Eu não acrescento nada porque a circunstância em que a ouvi foi outra não partilhável.

hajapachorra disse...

A Luísa Sobral não precisa de plagiar ninguém. É só ir ao YT e ver paspalhão.

josé disse...

Paspalhão ou paspalhona será V. E se vem para aqui insultar corto-lhe o pio num instantinho.

josé disse...

I´m singing in the rain e somewhere over the rainbow são duas das canções que inspiraram o Amar pelos dois.

Não quer dizer que seja plágio. Quer dizer que a conugação melódica foi bem encontrada.

josé disse...

E também me lembra Tom Waits do Piano has been drinkin.

zazie disse...

ehehehehe

A orelhinha do José é tramada e quem não entende isso faz figura de urso.

zazie disse...

Piano has been drinkin, sem dúvida!

Um espanto como o José apanha isto tudo sem ser músico.

zazie disse...

Somewhere Over The Rainbow- logo no início. É verdade que que recorda, pois.

E sim, a canção é muito bonita e ele canta-a muito bem- até nas paragens e modelações da voz.
Sem ver, ouvindo apenas, é mais bonita.

josé disse...

Para que fique claro: não estou a apontar para plágio algum. Estou apenas a notar semelhanças estilísticas, melódicas e até de composição com outras grandes músicas.

E isso pode até ser um elogio e não um vitupério. Mas esta coisa dos sons sempre me fez confusão porque sete notinhas e respectivos intervalos dá para muita combinação e quem descobre o alinhamento certo, em determinado contexto e com certa forma, torna-se genial.

É isso que me interessa observar e comentar.

zazie disse...

Eu percebi- o hajapachorra é que nunca entende nada. Convenceu-se que já atingiu o topo de aprendizagem para ensinar os outros e nem pensa.

O que eu acrescentei é como é que o José consegue isso sem ser músico. Porque imagino que podia ser.

zazie disse...

O latinorum sem capacidade de entender o sentido de um escrito simples, faz lembrar o Gil Vicente e a ironia do cavaleiro da triste figura.

josé disse...

Até digo mais: se tivesse notado um plágio evidente nem sequer o diria aqui. Nunca. Por uma razão: não gostaria de ser desmancha-prazeres.

josé disse...

Mas só neste caso concreto.

Hugo disse...

Gosto muito deste TED. Penso que uma vez já o partilhei aqui, contudo, acho que no desenrolar desta conversa, faz de novo sentido. Um abraço. Eu gostei da música mas parece-me normal. Era a melhor a meu ver. Contudo, hoje em dia ser normal é a bitola para extraordinário... (em tudo...)
https://youtu.be/zd-dqUuvLk4

Maria disse...

Ante-ontem perdi um comentário sobre este tema. Vou tentar re-escrevê-lo mas já não sairá igual e é pena.

A canção ganhadora é engraçadinha, calminha, a letra mais ou menos conseguida e bem entoada pelo cantor. Porém e que me desculpe quem não concorda, para mim é mais uma cançãozita igual a tantas outras simplezinhas e bonitinhas. Já tivemos canções tão ou melhores do que esta em anteriores festivais e no entanto não ganharam...

O Salvador é um jovem muito simpático e educado, não é presunçoso nem altivo nem pedante, como é o cretino Paulo Carvalho e outros ex-cantores e ex-baladeiros (esta conduta insuportável que é a imagem de marca dos comunistas e extremo-esquerdistas, já vai rareando da parte dos cantores situacionistas que desde há alguns anos resolveram adoçar o discurso da sempiterna 'ditadura fascista' por absoluta necessidade de sobrevivência, mas também não precisavam de o fazer porque o regime, que deles necessitou (e necessita) durante largos anos para prosseguir com a sua agenda de destruição das tradições portuguesas e de tudo o que cheirasse a Salazar e Estado Novo, apoia-os e ajuda-os nas suas carreiras, como sempre fizeram, por piores artistas que eles fossem ou sejam.

Inependentemente de tudo o mais, por termos um português a cantar na sua língua-mãe e por ele ter ficado em primeiro lugar no festival, já é algo que beneficia Salvador e uma alegria para ele e família.

Mas a pergunta que ninguém faz é esta: por que razão ganhou a nossa canção, algo indubitàvelmente inesperado tendo em conta os nossos fracos votos recebidos no passado neste mesmo Festival? Há que ter em conta que os organizadores deste festival nunca ligaram peva a Portugal, nem aos nossos cantores nem à nossa música, na verdade olhavam-nos com um certo desprezo. Espanha incluída. Em alguns festivais passados lá tivemos uns votozitos dados por condescendência pela Espanha, Irlanda(?), França e poucos países mais. E se tal aconteceu é de crer que apenas se tratou para limpar a honra do convento.

Há porém um aspecto que dignifica o país e quem promoveu o festival: tem um povo decente, é patriota e odeia os comunistas. Mais que não seja, só por isto é um povo de louvar. Quem sabe se por gostarem de Portugal e de se condoerem dos portugueses depois da tragédia que nos aconteceu como país e povo, com o golpe de Abril, por culpa dos socialistas e comunistas, ideologia de que eles próprios também foram vítimas, quem sabe, dizia, se os votantes croatas não contribuiram ajudando na votação que deu a vitória a Portugal? É muito capaz.

Repetindo-me, qual o motivo de tanto folclore por parte do governo à volta do Salvador, da canção e da sua vitória, manifestado por políticos, comentadores, intelectuais, por ex-cantores de protesto(por estes só é natural...), baladeiros, etc.? Pode-se perguntar ainda, não sem alguma admiração, o que levou a RTP e toda a comunicação social, passando por todos os jornais e revistas, a promoverem uma campanha publicitária de uma tal envergadura pré e pós festival, semanas seguidas e imagine-se que até foi encomendado um desenho gráfico animado alusivo ao evento, por acaso inspirado e que até achei engraçado? Em toda esta intensa campanha certamente que foram gastos uns largos milhões de euros..., quem pagou? Nós contribuintes, claro. E será que tudo isto aconteceu por os promotores da dita, de cá, saberem d'antemão que iríamos ganhar o festival e portanto os gastos terem sido calculados e bem aplicados? Estava tudo combinado? Com a gentaça que nos desgoverna tudo é possível.
(cont.)

Maria disse...

É que, reparem, não houve cão nem gato dos chamados comentadores esquerdistas, ex-cantores de protesto, ex-baladeiros, situacionistas, tipo Paulo Carvalho, Mendes, Godinho, etc., como também políticos da extrema-esquerda reinante, tipo Rosas, Louçã, Beleza, assim como vários socialistas, etc., que não tenham cantado hossanas ao Salvador e à sua canção. E qual o motivo de tantos louvores à canção e ao cantor da parte de todos estes hipócritas, se todos eles levaram a vida a dizer do pior que havia sobre o dito festival e sobre os nossos cançonetistas participantes no mesmo e apelidando as canções lançadas no mercado e àquelas que eram seleccionadas então para o festival da Eurovisão, sendo todas vilipendiadas mais os seus intérpretes, com a excepção dos participantes no dito festival, o comunista Paulo Carvalho, a fingida Simone d'Oliveira e mais outros situacionistas que eram e sempre foram levados nas palminhas.É bom lembrar que estes cantores comunistas, que abominavam o nosso Regime e tudo o que com ele estivesse relacionado, também aceitavam participar todos felizes e contentes no Festival da Eurovisão... - pois claro, não havíam eles de querer ir lá cantar, era da maneira que ganhavam mais uns bons cobres bem jeitosos e ganhavam popularidade lá fora, é que este pessoal era/é de esquerda mas gostava/gosta do dinheiro com que a direita rica lhe pagava/paga os ordenados e nestes casos não são nada esquisitos nem se preocupam com a origem do dinheiro... - rebaixando as canções de artistas não comunistas apologistas do Regime anterior, quando não gozando à brava a nossa música popular, esses mesmos cantores e as respectivas canções populares a maioria enormes exitos, apelidando-as depreciativamente de "nacional cançonetismo". Até a maravilhosa Amália foi rebaixada por este bando de comunistas e esquerdistas traidores à Pátria, por ser pró-Estado Novo e Salazarista sem vergonha e uma enorme patriota. Pararam de a humilhar quando ela farta de tanta injustiça chamou os bois pelos nomes e mandou-os àquela parte. A partir daí começaram a fingir que a 'adoravam' e cìnicamente a homenageá-la e a escrever-lhe canções e a elogiá-la ao máximo, como fez o traidor-mor Manuel Alegre. A pulhice desta gente não tem limites.
(cont.)

Maria disse...

Há em toda esta explosão de alegria e ovação sem limites ao Salvador e à canção, notòriamente exageradíssimas (o próprio o referiu) da parte do governo e demais políticos em funções e fora delas, desde o indigno Ferro Rodrigues ao farsante e cínico António Costa, só para dar dois exemplos ) e de outras figuras gradas ao sistema, tecendo loas ao Salvador e particularmente à "canção" e outras tantas ao prémio alcançado, sendo tudo isto muito estranho, para dizer o mínimo. Disse e repito, tivemos no passado canções tão boas ou melhores do que esta e nunca ganharam o festival.

Talvez possa haver neste apoio incondicional ao Salvador e à canão algo de mais suspeito do que aparenta, tendo em conta o carácter duvidoso e a agenda vil perseguida pelos golpistas comunistas e socialistas, falsos como Judas, inimigos dos ricos e dos bem nascidos (todos eles muito mais ricos e menos bem nascidos do que os ricos do Regime anterior que eles invejavam e invejam mais que tudo e continuam a odiar de morte) que nos desgovernam, traduzido na oferta ao partido socialista d'algum palacete da família do Salvador, de difícil manutenção para os dias que correm. O mesmo já aconteceu com ofertas deste elevadíssimo calibre (edifícios classificados, grandes moradias, palácios, palacetes, etc., na capital e por todo o País) a este/s partido/s logo após o 25 de Abril. Os seus proprietários, normalmente pessoas já sem grandes rendimentos mas com bens valiosíssimos, com medo dos donos do regime e das suas vinganças, por serem de direita, mas sobretudo para socialmente não caírem em desgraça e também e principalmente para nunca mais serem polìticamente incomodados pelo menos enquanto perdurar este regime. Donos do regime, estes, que por sua vez e já em posse dos mesmos, foram distribuíndo esses bens pelos partidos do sistema e pelos apaniguados, como é sua prática em todas as democracias do mundo e quando calha estas serem governadas à esquerda então é ouro sobre azul para os canalhas.

Nada disto nos deve admirar, tudo isto é do conhecimento geral.

Maria disse...

Por lapso referi povo croata mas queria dizer povo ucraniano, òbviamente.