terça-feira, 8 de outubro de 2019

As três parcas que levaram para contar no Prós & Contras de ontem

Ontem à noite, enquanto ouvia, através de um leitor digital Onkyo DP S1 , ligado a um conversor DAC da iFi micro iDSD Black Label e em auscultadores Sennheiser 600, tudo amplificado por um sistema hi-fi antigo,  Aiwa 22, de 1979, a gravação digital em dsd 5,6 Mhz, efectuada através de um gira discos Thorens TD 160 Super, com braço Pierre Lurné e cabeça de leitura da Shure ( SC35C) acoplado a um conversor analógico-digital da Korg, modelo 10R,  do disco em vinil, prensagem de 1973, Tommy, dos The Who, dei em olhar para a tv que na RTP passava o sistémico Prós&Contras.

Quando olhei de relance, distraí-me um pouco dos sons de I´m Free! e libertei-me da canga dos auriculares quando vi a figura de André Ventura, do novel Chega ( tinha escrito chaga por lapso de escrita e vai ser mesmo uma chaga na pele do politicamente correcto. Aliás já começou a chagá-los...), no programa, a falar.
E ouvi o que nunca tinha ouvido na tv num programa daqueles! Ó céus! Seria possível?! Enquanto tirava a canga,  a câmara rodou para as figuras de outros presentes no Prós, como o inenarrável Santos Silva, ministro que malha na direita e das figuras sinistras da irmã Mortágua, filha do pirata e de uma gaga que se chama Joacine, é preta e representa o partido Livre. Reparei que estavam com cara de caso, como dizem os brasileiros e intrigou-me.
Cara de caso é o menos que se poderá dizer, porque todas essas personagens na verdade destilavam ódio, do verdadeiro, para com o interveniente do Chega.
E que dizia então o Chega, para lá do mais? Que o discurso corrente e mediático já tinha definido o Chega como partido da extrema-direita copiando notícias lá de fora e que se preparavam para o excluir do âmbito de um debate democrático, como habitualmente fazem. As três parcas figuras estavam quase possessas. A Nona Santos Silva que malha na direita nem tinha falas e só tinha olhos semi-cerrados por trás das armaduras de óculos sem elas. A  expressão era de um quase horror estampado na fronha. A Décima Mortágua contorcia os beiços e a gaga Morta nem tinha voz, apenas olhos coruscantes de raiva.

Eram estes democratas que estavam ali a presenciar o exercício da democracia como nunca se vira: alguém a dizer-lhes na cara mediática o que nunca tinham ouvido assim em directo, num programa de tv!
Deixei os The Who para trás, com a história do rapazito cego surdo e mudo e passei a ver, ouvir e falar sobre o programa, porque logo a seguir houve outra surpresa agradável: o representante do Iniciativa Liberal, um tal Cotrim que nem conhecia, falava que se fartava, quase no mesmo registo que o Ventura e a aventura era a mesma: afinal era possível ouvir na tv um discurso para além do habitual e sistémico.
O Cotrim malhou tanto no malhadinhas Silva que este embatucou umas palermices e não foi capaz de responder a malhar.

Porra! Que bem malharam estes dois naquelas figuras parcas e tristes, da democracia que temos e  nos preparam outra geringoça!

Haja esperança! O Parlamento promete ser um local animado. Só espero que aqueles dois não se transformem em antítese dos antigos Mário Tomé e Acácio Barreiros. Para não falar do boquejão António Campos, extremoso pai de Paulo, filho da mãe  ou do maçónico Rego que espumava raiva sempre que via sotaina pela frente imaginária.

Sem comentários: