quinta-feira, 3 de outubro de 2019

Freitas do Amaral, o ex-futuro alternativo de Portugal


O antigo presidente e fundador do CDS Diogo Freitas do Amaral morreu esta quinta-feira, confirmou fonte do CDS ao Observador. Freitas do Amaral encontrava-se internado nos cuidados intermédios no Hospital da CUF em Cascais desde meados de Setembro.

Freitas do Amaral poderia ter sido presidente da República, em 1986. Foi por um triz que não foi eleito e esse triz deveu-se ao PCP e comunistas em geral que votaram no candidato dos "pobrezinhos", Mário Soares. 

Se Freitas do Amaral tivesse sido eleito, não haveria este PS feito de interesses formados em Macau. Não teria havido Sócrates como primeiro-ministro e a política em Portugal conjugar-se-ia de outro modo, mais sadio provavelmente. O PSD teria sido outro, talvez. Ou talvez não. 

Percebe-se tal coisa lendo notícias da altura: 

O Jornal 3.1.1986:


Semanário 4.1.1986:


Expresso: 14.2.1986:


A opção do Expresso dessa data  era...Mário Soares. 


JN 18.2.1986 que confirma a vitória comunista de apoio a Mário Soares:


Depois foi o que se viu: 

O PS que veio logo a seguir, uma desgraça nacional ( Semanário 7.6.1986 e 28.6.1986)



E o PSD que ficou logo em seguida, outra desgraça nacional (Semanário 7.6.1986) cujas maiorias absolutas serviram para aparecerem os Loureiros e Oliveiras e Costa: 


O problema endémico manteve-se e agravou-se ( Semanário 7.6.1986)


O que Freitas do Amaral fez em seguida não interessa para nada. Nada de nada. 

Sem comentários:

Os escombros do apocalipse