domingo, 13 de outubro de 2019

Chomsky e Público: unha com carne a cuspir na sopa...

O Público de hoje tem um artigo sobre Chomsky,  um sinistro que há décadas cospe na sopa do capitalismo em que viceja e inspira sumidades como o nosso professor Bonaventura, de Barcouço.

Nada mais natural: o Público, alimentado a subsídios pelo capitalista Belmiro que várias vezes ameaçou fechar o estaminé, continua a cuspir esquerdismos radicalizados sob a batuta de Manuel Carvalho, como antes arrotava artigos bárbaros sob a botina de uma filha e neta de comunistas.


Chomsky é um caso perdido, antigo,  mas um guru para estes esquerdistas bem calafetados por capitalistas de risco seguro e quem lhe descobriu a careca há alguns anos foi Tom Wolfe, o jornalista-escritor que detestava estes personagens de uma mitologia alternativa, inventada no final do sec. XIX por um alemão, Marx de apelido e Karl de nome próprio. É o deus desta gente, um morto-vivo que os alimenta desde sempre.

Tom Wolfe morreu o ano passado e  o seu  último livro, The Kingdom of Speech, não encontrou ainda oportunidade de tradução, pela Bertrand, que tem outras prioridades editoriais, como a propaganda do regime que temos.


Não obstante, já por aqui foi citado a propósito deste embuste chamado Chomsky que depois de se ter espalhado no estudo da origem da linguagem, espalha agora o veneno da ideologia mais perversa que temos na actualidade, a que alimenta os blocos de vário tipo esquerdista e por isso o Público os publicita.

Nada melhor do que algumas passagens do livro acima mostrado para se poder ler o resumo das actividades de Chomsky em prol da destruição paulatina de conceitos, substituindo-os por outros de natureza neo-marxista:





Sem comentários:

Finito, Fernando Esteves