segunda-feira, 21 de outubro de 2019

O TCIC é para acabar...

Este novel Secretário de Estado vai vender  algo que tem de seu ( vai mesmo, de verdade?!) por ser incompatível :

Nuno Artur Silva entra no Executivo e fica a tutelar a RTP, a empresa pública de onde foi afastado da administração pelo Conselho Geral Independente há pouco mais de um ano por alegado conflito de interesses. Enquanto administrador da RTP, Nuno Artur Silva detinha parte da Produção Fictícias, fornecedora de conteúdos da televisão pública.
O fundador da Produções Fictícias (PF) Nuno Artur Silva terá assegurada a venda da sua participação na empresa produtora de conteúdos, fundada em 1993, avança o “Público”, na tarde desta segunda-feira, 21 de outubro. O empresário do setor de media, que foi administrador da RTP entre 2015 e 2018, foi nomeado titular da recém-criada secretaria de Estado do Cinema, Audiovisual e Media.


Ora a moda é celebrar contratos promessa que nunca se cumprem...ou arranjar testas de ferro. É perguntar como se faz, a um putativo mestre desses assuntos, tal como o MºPº o define, de seu nome José Sócrates. 
Este foi quem nomeou um dos novos ajudantes do Governo socialista, o juíz Antero Luís, para o serviço de informações, em 2005 e em 2011. Anos de experiência! 
Quanto ao Belo Morgado, a nomeação para cargos de confiança governamental ainda é mais antiga e foi da responsabilidade de governos do PSD ( Laborinho Lúcio achava que ele é que era...e Cavaco Silva idem. Enfim...) .

Estes ajudantes, como não terão participações sociais em empresas do ramo em que agora se empregaram não irão vender nada. Mas têm ambos algo para alienar...

A nomeação destas personagens pode ter um fito específico: acabar com o TCIC onde estão os juízes Carlos Alexandre e Ivo Rosa. Por razões diferentes aqueles dois ajudantes  do Governo coincidem nesse desiderato e a ministra, como já se disse é muiiiito inteligente. Era para sair e não saiu.  
O ajudante dessa muito inteligente ministra Van Dunem, já apostou nisso há muito. Para além do mais,  não pode com o juiz Carlos Alexandre. O outro que agora ajuda o Cabrita dos microfones,  também  não o suporta. E por isso a vontade de comer já se juntou à fome.  

Portanto, o destino do TCIC está traçado a breve trecho: é para fechar. 

Veremos como vão fazer de conta que não vai ser assim...

Público de hoje ( O CM nem cheira o assunto, mas vai depois lamber os restos, mais lá para a frente...):


O adjectivo está mal escolhido. Cirúrgicas, sim, estas nomeações. Foram para lá com uma missão. E vai-se notar.

Sem comentários:

Finito, Fernando Esteves