Páginas

quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

Na morte de Cândida Ventura o branqueamento do PCP é o jornalismo que temos

Morreu Cândida Ventura, uma notável do PCP de antanho e que se destacou por ter sido dirigente do PCP e abandonar este partido, com estrondo porque denunciou o carácter totalitário da ideologia perfilhada e os abusos das palavras que passaram a actos nos países de Leste onde viveu.

Seria esta a ocasião para que o público que lê jornais ficasse a saber não só quem foi Cândida Ventura mas principalmente o que a notabilizou.

O obituário do Público de hoje, na última página e sem assinatura, portanto imputável à direcção do periódico, pouco ou nada contribui para informar o leitor sobre o significado daquela individualidade e é um modelo de "langue de bois" como dizem os franceses, ou cassete como se diz por cá em francesismo, mas que se pode melhor entender por jornalismo asséptico que sustenta causas ocultas em que se destaca a hegemonia cultural da esquerda que redige nos jornais.

É muito interessante e exemplar o modo como se consegue fazer um obituário, sem omitir informações relevantes e ao mesmo tempo ocultar a importância de algumas delas.

"Regressou a Portugal no início de 1975 e no ano seguinte consumou a ruptura com o PCP" é a frase que informa acerca daquele afastamento, assim como se a ruptura fosse uma coisa anódina e sem importância de maior. Aliás, "após o afastamento do PCP, manteve a intervenção política e cívica noutros quadrantes político-partidários".

É assim que a história se escreve neste jornalismo de sarjeta ideológica e politicamente motivado: com a omissão e censura pura e simples dos aspectos mais relevantes do que foi e significou Cândida Ventura e da razão porque se fala nela. Não foi certamente por "partilhar"  o poder com Álvaro Cunhal, tendo sido sua companheira também. Foi porque rompeu fragorosamente com esse partido acaparado pelo Público e hegemonia cultural desta Esquerda.

E nem se diga que tal informação é desconhecida. Basta clicar no Google com o nome da dita e o acrescento PCP para surgir um sítio com informações relevantes sobre o assunto. O Público não foi ver? Devia porque não encontra tal informação em mais lado algum.

Por isso fica aqui outra vez o postal de 1 de Junho de 2014 para mostrar o nojo deste jornalismo de causas ocultas e submetido à hegemonia cultural esquerdista que se manifesta como o ar to tempo que se respira.


O PCP anda há décadas a mentir às pessoas em geral. Valha a verdade que só se deixa enganar quem quer, uma vez que a Verdade é tão explícita que vale o ditado de o pior cego é aquele que não quer ver.
Os media portugueses de há quarenta anos a esta parte não querem ver, pura e simplesmente, uma vez que fazem o jogo objectivo do PCP em querer passar por uma força democrática como as demais da democracia burguesa quando o não é, em absoluto. Basta ler o que se escreve nos órgãos oficiosos do PCP, como O Militante, as dissertações várias publicadas em livros ou proferidas em congressos do Partido para o perceber claramente e sem qualquer dúvida.
Por isso mesmo é de um fenómeno estranhíssimo, o que se trata: um partido que não pretende a democracia burguesa, que convive com a mesma malgré lui e que tudo fará para a destruir ( tal como supostamente os fascistas o fariam e por isso são proibidos de se organizarem em partido) e mesmo assim é tolerado, apoiado como uma força "imprescindível" à democracia e cá vamos cantando e rindo.
Incrível!

Em 21 de Fevereiro de 1974 o Diário Popular, no suplemento habitual das quintas-feiras, publicou a recensão a um livro de Alexandre Soljenitsine, Agosto, 1914, aproveitando o crítico, Manuel Poppe, para mencionar o regime comunista na URSS como "totalitarista" e ainda outras considerações suaves mas firmes sobre o sistema soviético. Ninguém, em 1974, antes do golpe de Estado, poderia dizer que não sabia que a URSS era um sistema totalitário, pior que alguma vez o regime de Salazar o fora. E mesmo assim...vejamos o que aconteceu: Cunhal, o pior dos estalinistas europeus, foi acolhido como um herói, apesar de chegar desconfiado e receoso do que lhe poderia suceder ( porque sabia bem que o que queria não era pera doce para "o nosso povo").
Por força de uma incultura geral, foi acolhido como um herói da democracia, apesar de ser exactamente o contrário e encarnar uma personagem totalitária como as piores que poderia haver.

Ficam aqui as páginas do suplemente literário para perceber que ao lado da crítica de Manuel Poppe apareciam também recensões críticas a obras de comunistas notórios ou cripto-comunistas, como Fernando Lopes-Graça e José Gomes Ferreira.



Não obstante tudo isto e o intenso debate intelectual e social que se estabeleceu em França nos meses imediatos ao 25 de Abril de 1974, antes e depois, verifica-se que a liberdade de expressão sobre este assunto era incomparavalmente superior antes de 25 de Abril de 1974 do que depois.

A publicação em Portugal do livro Arquipélago do Gulag, 1º volume, ocorrida em 1975, passou completamente despercebida nos media e nunca se fez o "desmame " desse tipo de comunismo em Portugal e que o PCP tão bem incorpora, ainda hoje,  de modo fossilizado e incrível.

Em 13 de Julho de 1984, O Jornal publicou uma reportagem de várias páginas e entrevista, sobre uma "tránsfuga" do comunismo do PCP, Cândida Ventura e um livro que a mesma publicou ( muito tempo antes de Zita Seabra assumir o "erro"), "o socialismo que eu vivi" .  Assim:


Como é que o PCP lidava com tudo isto? Primeiro, atacando, como se pode ler naquele Diário Popular sobre os americanos.  E por outro lado, assim, logo em 1985:


Até hoje tem sido esta farsa que ninguém está interessado em desmontar, porque tiveram a sua quota-parte nela. Ou através de familiares directos, "antifascistas" eventualmente presos pelo regime anterior, ou porque participaram directamente nela e a prolongam por efeito perverso de recusa e negação.

Por causa disto estamos como estamos, com três bancarrotas ás costas e mais outra que se prenuncia se esta gente chegar ao poder.


Felizmente nem toda a gente partilha desta hegemonia cultural e para sabermos mais temos que procurar quem nos sabe dizer melhor: Zita Seabra, precisamente. O artigo do Observador, aliás, é do Público de 20.8.2008. Ainda era director José Manuel Fernandes...

E repare-se neste paradoxo: alguns podem argumentar que para saber isto foi necessário fazer o 25 de Abril de 1974, justificando assim a luta do PCP.  Mas não é, porque é precisamente este partido quem faz uma censura mais feroz e sectária a estes factos e acontecimentos, sem qualquer pudor. E sempre foi assim, desde a obliteração literal de imagens a censura completa e definitiva em publicações, punido os infractores com gulags ou hospitais psiquiátricos, por serem, naturalmente,  doidos.

11 comentários:

ainda ha disse...

«na última página e sem assinatura, portanto imputável à direcção do periódico»

Ó josé, lembro-o que está a escrever sobre ininputáveis. e filhos de uma mae querida.

ainda ha disse...

As coisas são as da vida. Deixou para o fim a, quanto a mim, excelente crónica de Zita Seabra.

Floribundus disse...

em Praga um guia mostrou-nos os locais de confronto e os acontecimentos vividos

por maior que seja o branqueamento

não conseguem esconder as mãos sujas do sangue de milhões de mortos, torturados, internados em gulags e hospitais psiquiátrico

nem a nível do rectângulo todas as atrocidades cometidas

apoiam o monhé até a cgtp conseguir dominar o sector dos transportes

veremos o que acontece com a TAP e outras

se pudessem encostavam-nos todos à parede

João José Horta Nobre disse...

Divulguei:

http://historiamaximus.blogspot.pt/2015/12/na-morte-de-candida-ventura-o.html

Floribundus disse...

Fialho de Almeida repetiria o que disse no 1º ano de vida da I rep
'bacanal de percevejos numa enxerga podre'

Bic Laranja disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Bic Laranja disse...

Formidável relato de João Gaspar Simões, o autor da «Vida e Obra de Eça de Queirós», da última vez que se avistou com Fernando Pessoa, apenas dias antes do seu passamento.
Que contraste com o traste radiofónico de há semanas sobre os 80 anos da morte do poeta por aquele Fernando Alves, sempre a armar ao intelectualóide, e a querer subliminar ente colar Pessoa ao anti-fâchismo que lhe Póvoa o bestunto.
Que diferença, o Diário Popular, do jornalixo hoje.
Cumpts.

josé disse...

O Diário Popular desse tempo era de facto um grande jornal. E um dia destes vou publicar uma edição inteira que aliás já tenho copiada por scanner.

Maria disse...

Que excelente ideia, José, de publicar uma edição inteira do Diário Popular. Parabéns.

Era muito novinha para ligar a jornais e menos ainda de ler as respectivas notícias. De resto, mesmo que quisesse nem tempo tinha para o fazer devido aos estudos e estes não era nada poucos. Mas lembro-me como se fosse hoje do ardina da área atirar para a nossa varanda, bem cedinho, pelas sete da manhã, o D.de N. que o meu Pai lia por alto enquanto tomava o pequeno almoço, antes de sair para o trabalho. E também o excelente Diário Popular que o nosso Pai comprava diáriàmente e lia integralmente depois do jantar.

Mais tarde, quando numa das vezes que me encontrava em Portugal, já me permitia ler parte dos dois jornais. O que me surpreendia, já bem entrada a democracia..., era comparar o estilismo (ou a falta dele) e a deplorável ortografia de certas notícias, quase sempre saídas da pluma de 'jornalistas' progressistas, extremamente mal redigidas, com erros ortográficos e de sintaxe de bradar aos céus e de extrema dificuldade na compreensão das frases por falta de nexo na elaboração nos termos das mesmas, factos estes que me deixavam abismada.

(cont.)

Maria disse...

(cont.)

Esta pecha inadmissível mantém-se até hoje para vergonha de quem a introduziu no País à revelia de todo um Povo que a odeia e despreza, assim como todos aqueles que se reclamam de grandes patriotas (mas pouco!) e de grandes democratas(mas pouco!), que durante décadas não se cansaram de proclamar aos quatro ventos irem devolver-nos a liberdade política(mas pouco!), a de expressão(mas pouco!) e iam acabar com a censura(mas pouco!). Estamos rodeados de políticos-traidores e demais farsantes, aldrabões e pulhas do pior extracto mascarados de gente impoluta e tal como o José diz e repete com toda a propriedade, este arremedo de regime tem como arautos aqueles que, com a ousadia e a desvergonha que os caracteriza, redigiram uma Constituição que é uma afronta aos portugueses ao incluírem na mesma partidos da esquerda comunista e extremista, radicais portanto, todos anti-democratas, com especial destaque para os comunistas marxistas-estalinistas-leninistas que sempre odiaram Portugal e o seu Povo e, perante este desaforo, imagine-se a hipocrisia e o cinismo ao excluirem do seu articulado (feito intencionalmente, pois pudera!, eles sabiam que os portugueses queriam para seus governantes tudo menos partidos comunistas e extremistas da mesma safra) partidos conservadores e genuìnamente portugueses, defensores da unidade pátria e preservação das suas tradições milenares e enaltecimento dos seus Heróis passados e presentes. E é evidente que este estado de coisas, considerado perigosíssimo pela esquerda comunista-estalinista e extremista-maoista-radical, traidoras e anti-democráticas, impossibilitava em absoluto o seu assalto ao poder. O resultado desta traição os portugueses sabem perfeitamente qual foi. Estamos perante uma tragédia de proporções bíblicas que desabou sobre este pobre País e este infeliz Povo e tem que acabar seja lá por onde for. O Povo exige-o com carácter d'urgência. Para voltar a recuperar a sua anterior segurança, estabilidade emocional, felicidade, alegria e orgulho perdidos. Só se implora a Deus que apareçam Portugueses Valentes e Destemidos que finalmente materializem o desiderato.

Maria disse...

conclusão)

Voltando ao início, confrontamo-nos com mais esta realidade infamante que persiste em desvirtuar a nossa maravilhosa língua e que, a par doutras medidas muito piores, tem a assinatura de um punhado de falsos democratas-traidores que nos têm vindo a desgovernar, implementando desde o seu início medidas altamente gravosas para o bem-estar do Povo e desenvolvimento do País e que pelo contrário nada mais têm feito do que mergulhar o País em crises contínuas, originando bancarrotas sucessivas, relegando-nos para o ranking dos países mais atrazados e pior governados da Europa. Resumindo, estamos submetidos a um diabólico regime que se traduz na realidade e de facto numa ditadura de esquerda, graças a traidores e apátridas, que à custa de falsidades e de mentiras clamorosas a introduziram no País à revelia do Povo, só se conservando no poder por maquiavèlicamente proibirem partidos de direita (afinal com que direito a esquerda comunista - com o apoio dos socialistas, seus sócios políticos e amigos do peito - assumiu ter obtido do povo procuração para tomar uma tal medida indignante e a que falso pretexto?), estes sim genuìnamente portugueses e que, uma vez permitidos como seria obrigatório fosse este um regime efectivamente democrático, que os derrubariam de uma penada numa fracção de segundos. Medo, um medo atroz da direita civilizada, conservadora, leal e patriota, é o que eles têm, pois caso esta atingisse legalmente o poder a esquerda comunista nunca mais o alcançaria. Eis o verdadeiro motivo pelo qual a esquerda socialista e comunista está agarrada ao poder, sacando tudo quanto pode e enquanto pode, ao erário público e por extensão ao povo português. E este escândalo, que já passou há muito das marcas - quarenta e um anos de mentiras, crimes, corrupções e traições, é demasiado tempo para qualquer povo por mais estoico que se considere - continua incrìvelmente a perdurar sem que apareça um punhado de Bravos com a coragem e o destemor que sempre caracterizou os nossos heróicos antepassados, para o estancar de vez, fazendo em simultâneo desaparecer do nosso País para todo o sempre os seus satânicos mentores.