Páginas

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Mais histórias dos primos convexos

Enquanto a zanga de famiglia se desenvolvia em Junho de 1975, levando ao encerramento do jornal dos primos, houve uma edição alternativa do jornal que se publicou...em Paris.

Nos quiosques da capital francesa vendia-se o jornal português, escrito em francês para inglês ver.

Como se pode ver, ampliando a imagem, foi nessa altura que saiu este número da Paris Match, com data de 28 de Junho de 1975 e com capa alusiva aos Beatles.


O interesse da revista, porém, ia um pouco mais além: trazia a tradução integral da célebre entrevista de Álvaro Cunhal à jornalista Oriana Fallaci, publicada originalmente no L´Europeo de 6 de Junho desse ano, em Itália.

Por cá, tal entrevista nunca foi traduzida ou publicada integralmente, com excepção de um artigo no Expresso que trazia excertos da mesma e ainda do tal jornal do caso República que se publicava...em Paris, para inglês ver e que terá publicado tal entrevista.
Se publicou, este livrinho do jornalista Pedro Foyos esqueceu-se de a mencionar. Coisas de primos convexos.

Mas vai aqui o excerto principal da Paris Match sobre o caso República, então ao rubro e a parte final, um remate do principal primo convexo que assegurava que Portugal nunca seria social-democrata...

Jamais! O primo Lino que na altura militava ao lado do dito, também aprendeu a dizer jamé e nunca mais esqueceu.



"Mas uma coisa é certa e segura: nós não teremos um Portugal social-democrata. Jamais. Fique bem ciente disso." dizia o primo Cunhal à jornalista que lhe respondeu:  "Pode contar comigo... "


Entretanto, em Agosto de 1975 vários jornalistas, quase todos primos, juntavam-se assim:


Portugal é uma famiglia!

E afinal, uma pesquisa pela Net deu nisto: a tradução publicada pelo Jornal do Caso República, da entrevista em causa, publicada em 27 de Junho de 1975. Aqui mencionada e transcrita. É ler, senhoras e senhoras! E mostrar aos primos convexos o absurdo de uma ideologia morta, enterrada, embalsamada e conservada agora em modo de geringonça para espantar europeus:



Eu escrevi que o livrinho não falava no caso da entrevista de Cunhal a Oriana Fallaci? Pois no livrinho aparece esta menção, inserida no artigo de Álvaro Guerra, de 21 de Junho de 1975.


2 comentários:

Floribundus disse...

hoje o representante da OCDE cozeu o polvo social-fascista

imediatamente a comunicação xuxial omitiu o que não era conveniente divulgar

centeno estava com a cara .. de quem se passeou por Harvard

em 16 17 18 vamos crescer menos que em 15

vamos pagar a banca antes da bancarrota

o monhé desapareceu sem combate

o entertainer continua incontinente verbal
quando não faz de assistente social para uso e abuso de 'vélhinhas'

a culpa é do Trump

Floribundus disse...


Manuel Villaverde Cabral

Em pouco mais de um ano, a coligação de esquerda restabeleceu o peso esmagador do Estado sobre a sociedade e a economia, aumentou a dívida pública e reduziu o crescimento, ignorou qualquer reforma