Páginas

sábado, 18 de março de 2017

Opa da Sonaecom: estavam todos feitos...

Observador:

José Sócrates diz que Paulo Azevedo tentou recolher o apoio de última hora do seu Governo à Oferta Pública de Aquisição (OPA) do capital da Portugal Telecom (PT) lançada pela Sonae em 2006.

De acordo com um artigo de opinião que o ex-primeiro-ministro publicou este sábado no Diário de Notícias, Sócrates diz que o líder da Sonae ligou-lhe na véspera da Assembleia-Geral da PT que iria votar a desblindagem dos estatutos, que ocorreu em março de 2007.

“Alguns dias antes da assembleia geral da PT, o dr. Paulo Azevedo fez-me um derradeiro telefonema solicitando-me que o governo revisse a sua posição no sentido de dar orientações expressas à Caixa [Geral de Depósitos] para apoiar a referida OPA. Respondi-lhe que o governo não o faria e que se manteria fiel à sua conduta inicial de estrita neutralidade. Dei conta desse telefonema ao sr. ministro da tutela [Mário Lino]”, escreve Sócrates.


Curiosa neutralidade. Em 1 de Março de 2007, dias antes da Assembleia-Geral da PT referida no texto, a revista Visão publicou estas duas páginas em que avulta a informação do jornalista subscritor no sentido de "a tão proclamada neutralidade de José Sócrates, desde o início da operação, ameaça, agora. pender para o núcleo  de accionistas opositores ao projecto da Sonaecom, liderado por Ricardo Salgado, presidente do BES."

Ou o jornalista era bruxo ou sabia de algo que se preparava. É escolher a opção...e pensar se Paulo de Azevedo e Belmiro de Azevedo não terão razão quando afirmam que "estavam todos feitos".



Alguns meses antes desta reunião da AG da PT, em Setembro de 2006, Henrique Granadeiro era notícia de primeira página no pasquim de Pedro Tadeu ( que afirmou não ler o jornal se não o fizesse): afinal não estavam apenas "todos feitos". Eram todos amigos de conveniências e proveniências várias que desembocavam no mesmo interesse primordial: milhões de euros. E os jornalistas sabem muito bem disso porque lá estiveram, à pala do Granadeiro e da PT, na altura uma vaca com farto úbere que dava emprego a quem fosse conveniente. O Expresso de 20 de Maio de 2006 até se admirou disso...




Os resultados da OPA, na Visão de 8 de Março de 2006, dias depois da realização da mesma, com entrevista ao vencedor Henrique Granadeiro: o Santander era um "banco traidor" porque tinha apoiado o Belmiro da Sonaecom. O resto sabe-se agora e quem foram mesmos os verdadeiros traidores.





Estes recortes são o diabo...que tapa com uma mão e descobre com as duas. E vai ser isto que o processo vai dar a conhecer ao público em geral. Vai ser mesmo o diabo ou muito me engano.

8 comentários:

Bilder disse...

Além de tudo isso o sr Azevedo também devia explicar porque anda a sonae a financiar um jornal neomarxista/liberalinho falido(alpublico).

josé disse...

Porque pode.Teve este ano um lucro confortável na Sonae e por isso pode continuar a pagar o pizzo aos jornalistas esquerdistas que assim fazem o jornal e não o incomodam

Gustavo Sampaio disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Maria disse...

Sim, de facto, atendendo ao naipe de convidados que se juntaram para o tal almoço e sabendo nós hoje o carácter maquiavélico de quase todos eles, é mais do que óbvio que na altura (e em todas as posteriores) estavam feitos uns com os outros. O dr. Azevedo tem carradas de razão.

lusitânea disse...

Estes FDP "comeram" as poupanças de muitos Portugueses.Acções da PT compradas a 3,13 euros vendidas a 14,5 cêntimos na OI. 1500 euros "investidos" no BCP há anos e anos a valer 18 euros...
Mas são muito mas muito bondosos em salvar o planeta por nossa conta claro...
São democratas mas só conseguem ter boas amizades com ditadores.Triste sina...

Dudu disse...

Para apostar tanto dinheiro na OPA, a família Azevedo contava com a abstenção da CGD, o apoio da Telefonica e a não utilização da golden-share.
No final aperceberam-se da posição do governo e Paulo ainda tentou a não interferência junto do 1°ministro que cinicamente disse que nunca o faria.
O telefonema que o 44 refere no DN confirma a tentativa do Paulo.
Rui Pedro Soares era então o elo de ligação com o governo.

josé disse...

Também penso assim e mais: este escrito do entalado vem demonstrar que não era imparcial. Antes pelo contrário tomou partido pela PT e Salgado.

A razão agora está à vista...

joserui disse...

Gosto é da sagaz Câncio, que nunca viu nada, ao lado do bispo. Que personagem anedótica… mas deve ter dado para molhar o bico.