quarta-feira, 2 de julho de 2014

A História contemporânea contada como deve ser

Sobre o período do Estado Novo, a versão corrente, nos media,  é a dos Rosas&Pereira, ou seja, a que o define como uma excrescência do fascismo, reportando a perspectiva comunista da História ou pelo menos a vulgata esquerdista redutora e revisionista.
Mesmo em versões mais ligeiras e abreviadas nas crónicas dos notáveis do sistema, o foco não se desvia muito daquele conceito vulgarizado pela Esquerda.

Por isso mesmo importa dar a conhecer o outro lado da História, porventura o mais realista e fiel ao retrato do passado mais próximo.

Franco Nogueira foi ministro de Salazar e do Estado Novo. Conheceu por dentro o regime e não partilhava daquelas ideias esquerdistas que apontam sempre aos amanhãs a cantar, mesmo com a cartilha metida na gaveta.

Em 1981, no II Suplemento da História de Portugal, dirigida por Damião Peres, publicou o tomo O Estado Novo ( 1933-1974), editado pela Civilização e  que em cerca de 500 páginas reconforta aqueles que tinham do Estado Novo a visão do tempo em que o viveram.

As dez páginas que seguem, relatam o que foi o tempo da II Guerra Mundial, em Portugal e como Salazar lidou com o problema mundial, enquanto por cá se mantinha a paz e se comemoravam os oito séculos que tínhamos como Nação independente.



2 comentários:

Rui disse...

Que giro, por acaso comprei um dos volumes do livro há uns anos, meio por acaso pois estava numa promoção na livraria "Barata". Surpreendeu-me, gostei bastante de o ler e até o recomendei e emprestei a familiares.

Permitiu-me ter contato com outros pontos de vista em relação a um período no qual não vivi, o Estado Novo e conhecer melhor Salazar uma figura de importância incontornável na nossa história e as relações que existiam nesse período com outras potências como a Inglaterra, os Estados Unidos e as Nações Unidas. Muito interessante também para perceber um pouco melhor a política internacional.

Gostei muito de o ler e recomendo, especialmente a quem não viveu durante essa época pois permite ter uma visão completamente do discurso "mainstream".

Floribundus disse...

sobre Salazar li apenas Christine Garnier

recomendou-mo um Amigo que era seu parente e pagou parte da campanha de Arlindo Vicente

Damião Peres e o ministro indicado eram Homens sérios

não pertenciam à estrumeira onde se debola no pó a esquerda festiva e balofa

Finito, Fernando Esteves