terça-feira, 1 de julho de 2014

Sarkozy detido para interrogatório, por tráfico de influência

O caso Sarkozy, em França, torna-se exemplar do funcionamento das instituições judiciárias, pelo menos nesta fase inicial de inquérito.

Segundo se noticiava há meses, Sarkozy foi interceptado nas conversas telefónicas que manteve com um seu advogado, Thierry Herzog, a propósito de suspeitas que já existiam acerca de financiamento ilícito da sua campanha presidencial.
As suspeitas recaiam nas ajudas monetárias que teriam sido dadas pelo então presidente líbio, Kadhafi e também nas recebidas da milionária Lilianne Bettencourt.
O ex-presidente Sarkozy foi colocado sob escuta com a autorização de um juiz de instrução, no âmbito de um processo.
Em Março deste ano o site Mediapart revelou  o conteúdo destas escutas que envolviam um nome falso ( Paul Bismuth) que seria do próprio Sarkozy e que mostravam fortes suspeitas de ambos ( Sarkpzy e advogado) terem manobrado nos bastidores para influenciar decisões jurisdicionais. Assim, o magistrado Gilbert Azibert da "cour de Cassation" ( o tribunal de Relação francês) teria tentado influenciar a decisão de três juizes conselheiros encarregados de examinar a validade dos actos de instrução do processo relativo àquela Bettencourt. Em troca, Sarkozy prometera ao Gilbert um apoio importante para um lugar ao sol, no Mónaco.

Tudo correu mal quando o magistrado Gilbert não obteve o efeito desejado no tráfico de influências que pôs em marcha: a apreensão das agendas de Sarkhozy foi julgada válida pelo juízes e ainda por cima resultou na abertura de um inquérito contra este e outros precisamente por tráfico de influência.

Na sequência deste inquérito, Sarkhozy foi hoje detido para interrogatório. Ontem, foram detidos igualmente os magistrados Gilbert Azibert e Patrick Sassoust, e também o advogado Herzog.

Há mais de uma década, por cá, um certo António Costa, ex-ministro de um governo PS, entreteve-se a telefonar a um PGR no sentido de obter um jeito. Não obteve. Mesmo assim, nada lhe aconteceu e anda agora a pugnar para ser primeiro-ministro.
De então para cá, reviram-se as leis processuais penais para que não acontecesse o mesmo que a Sarkozy. Um dos beneficiários directos de tais revisões foi...José Sócrates.

Recordar 14.3.2007  é viver...

Com a revisão do CPP, pela Unidade de Missão de Rui Pereira, restringe-se o número e qualidade de pessoas que podem ser válida e directamente escutadas e consagra-se a excepcionalidade deste meio de prova. Para quê? Para evitar que se apanhem em escutas, conversas tipo aquela, daquele que falava despreocupadamente com um assessor do PR, propondo uma “chupeta” para o PGR ir à vidinha, lá para fora e deixar os “boys” em sossego. 

Este pequeno texto é do blog Gande Loja do Queijo Limiano de há uns anos. Tal como este...
 E este de Agosto de 2004:

  "o agora eurodeputado António Costa telefonou a Souto Moura na manhã da detenção de Paulo Pedroso (Maio de 2003), tendo o PGR dito depois que não sentira essa chamada como uma pressão; no entanto, o procurador responsável pelo processo Casa Pia, João Guerra, argumentou com a “intolerável pressão” desse telefonema para justificar a prisão preventiva." 

O que queria António Costa, de Souto Moura? Pressioná-lo, evidentemente, mas mais do que isso: obter um favor se fosse possível: o de não dizimar o PS.

Isso torna-se claro nesta notícia do Público de 17 de Outubro de 2003:

 O juiz Rui Teixeira considerou as escutas em causa como uma tentativa de perturbação do inquérito ao caso de pedofilia que envolve a instituição casapiana, tendo a partir destas decidiu ordenar a prisão preventiva de Paulo Pedroso.

Numa conversa telefónica entre António Costa e Paulo Pedroso na manhã do mesmo dia, o líder parlamentar do PS diz ao deputado "já fiz o contacto", ao que Pedroso respondeu "sim".

E António Costa continuou: "disse que ia falar imediatamente com o... procurador do processo... portanto, o Guerra... o receio que tem... é que a coisa já tenha... já esteja na mão do juiz... visto que é o juiz que tem de se dirigir à Assembleia... pá, talvez o teu irmão seja altura de procurar o Guerra...".

Já perto das 11h00, João Barroso contacta o irmão para lhe dizer que "o João Guerra está incontactável...". Paulo Pedroso responde: "O procurador-geral disse ao António que achava que já tinha ido tudo para o TIC...".

António Costa e Paulo Pedroso voltam a falar ao telefone, afirmando o líder parlamentar do PS: "[O procurador-geral] falou com o magistrado do Ministério Público... porque lá o dito Guerra tá lá com ele. E disse-lhe, Eh pá! O problema é que isso já está nas mãos do juiz".

Ao início da tarde, a alguns minutos da conferência de imprensa de Paulo Pedroso na Assembleia da República, numa conversa entre Ferro Rodrigues e Jorge Coelho, o secretário-geral do PS diz que "o almoço não serve para nada".

Segundo a SIC, que cita o Ministério Público, o almoço em causa é entre o Presidente da República e o procurador-geral da República.

António Costa e Ferro Rodrigues voltam a falar ao telefone perto das 19h30, tendo o primeiro indicado que estava a chegar "a casa do Júdice" e que sabe que há "uma testemunha da judiciária não é fiável".

Já no final do dia, Ferro Rodrigues diz a António Costa: "tou-me cagando para o segredo de justiça".

O Ministério Público suspeitar ainda que nos dias seguintes à detenção, houve um esforço concertado do PS para fazer passar a teoria da "cabala" entre algumas personalidades influentes da sociedade portuguesa. O Ministério Público acredita terem sido feitas chamadas para dirigentes do PSD como Pedro Santana Lopes, e Morais Sarmaento, para Souto Moura e ainda para o ex-presidente do PSD Marcelo Rebelo de Sousa.


António Costa nunca respondeu civica, política e muito menos criminalmente por esta vergonha, esta ignomínia da democracia, esta farsa, este tráfico de influência.
Em consequência destas notícias, ao longo dos anos seguintes, o PS de António Costa conseguiu alterar o CPP de molde a evitar estas coisas. 

Sarkozy, por muito menos, tem a polícia à perna...


9 comentários:

Floribundus disse...

o MONSTRO é uma mistura sórdida fabricada no largo dos ratos

'niente da fare'

são proprietários do rectângulo
porque recebem no mínimo 1,5 milhões de votos

estão-se cagando nos contribuintes

'até quando ... quousque tandem'

José Domingos disse...

Os países, que estão a caminho do socialismo, estão-se a cagar para o povo. É assim, nos estados de direito, e é constitucional.
Um "gajo", farta-se mesmo desta merda.

mujahedin مجاهدين disse...

José,

Talvez não tenha entendido bem o que escreveu, mas tanto quanto percebi dos media franceses e suíços, tanto Sarkozy como o advogado são suspeitos de procurarem obter de um magistrado, contra o tal lugar ao sol, informações sobre um processo em segredo de justiça (secret de l'instuction) que envolve Sarkozy - o tal caso Bettencourt.

Portanto, nem é caso, parece-me, de tentar influenciar decisões judiciais. Pelo menos, não foi isso que levou à detenção. Foi mesmo e só, suspeita de violação de segredo de justiça:

Les magistrats enquêtent notamment sur un réseau d'informateurs susceptibles d'avoir renseigné les proches de Nicolas Sarkozy dans les procédures judiciaires pouvant le menacer.

Les enquêteurs cherchent notamment à établir si l'ancien chef de l'Etat a cherché à obtenir des informations sur le dossier Bettencourt auprès d'un magistrat de haut rang, en échange de la promesse d'un poste de prestige.


http://www.rts.ch/info/monde/5972791-l-ex-president-francais-nicolas-sarkozy-a-ete-place-en-garde-a-vue.html

O que faz a coisa ainda mais improvável de acontecer no rectângulo. Isto:

Há mais de uma década, por cá, um certo António Costa, ex-ministro de um governo PS, entreteve-se a telefonar a um PGR no sentido de obter um jeito

é muito mais grave. Sarkozy e Herzog não são suspeitos (pelo menos para já) de tentarem "obter um jeito", mas "somente" de procurarem obter informações.

josé disse...

Não me parece que seja apenas isso e isso seja o mais grave.

O que procuraram, através do tal juiz que também foi detido, foi influenciar uma decisão que iria ser tomada.

Tal como o António Costa o procurou fazer em 2003.

josé disse...

Lendo os sites que indiquei percebe-se o que sucedeu.

mujahedin مجاهدين disse...

Não falei do que eles "procuravam" fazer. Apenas da razão concreta pela qual foram detidos.

O Liberation diz o mesmo:

Les juges d’instruction soupçonnent l’ancien chef de l’Etat (2007-2012) d’avoir essayé, par l’entremise de Me Herzog, d’obtenir des informations couvertes par le secret auprès de Azibert sur une décision de justice en lien avec l’affaire Bettencourt, en échange de la promesse d’une intervention pour un poste de prestige à Monaco.

http://www.liberation.fr/societe/2014/07/01/sarkozy-presente-a-un-juge-dans-la-soiree_1055279

O Mediapart não sei porque paga-se para ver.

Portanto, quando o José diz "Sarkozy, por muito menos, tem a polícia à perna...", é por menos ainda ehehe!

josé disse...

No sítio Mediapart ( que deveria ser um exemplo para o Observador) tem isto:

"Nicolas Sarkozy a été mis en examen dans la nuit de mardi à mercredi pour « corruption active », « trafic d'influence » et « recel de violation du secret professionnel ». L'ex-président est au cœur d'une information judiciaire ouverte depuis février. Deux hauts magistrats, Gilbert Azibert et Patrick Sassoust, ainsi que l'avocat et ami de l'ancien chef de l'État, Thierry Herzog, ont eux aussi été placés en garde à vue, pendant 48 heures, puis mis en examen pour deux d'entre eux, Azibert et Herzog. "

Isto é muito mais que violação de segredos de justiça...

josé disse...

Segundo notícias de hoje, o "corpo de delito" reduziu-se e jão não figura expressamente a suspeita de influência para obtenção de decisão judicial favorável:

L’ex-président français Nicolas Sarkozy a été mis en examen dans la nuit de mardi à mercredi pour corruption active, trafic d’influence actif et recel de violation du secret professionnel, a annoncé le parquet national financier.


Cette décision est intervenue à l’issue d’une garde à vue d’une quinzaine d’heures, mesure coercitive inédite pour un ancien chef de l’État.


Nicolas Sarkozy avait déjà été mis en examen dans le cadre de l’affaire dite Bettencourt, mais avait bénéficié d’un non lieu dans ce dossier.


L’avocat de Nicolas Sarkozy, Me Thierry Herzog, et le haut magistrat Gilbert Azibert l’avaient précédé dans le bureau des juges, qui leur avaient signifié leur mise en examen dans ce dossier.


«À l’issue de leur garde à vue, MM. Nicolas Sarkozy, Gilbert Azibert et Thierry Herzog ont été présentés aux deux magistrats instructeurs chargés de l’information ouverte contre X le 26 février 2014 des chefs de trafic d’influence et de violation du secret de l’instruction», selon un communiqué à l’AFP du parquet national financier.

«Conformément aux réquisitions du parquet, ils ont été mis en examen. Nicolas Sarkozy, des chefs de recel de violation du secret professionnel, de corruption active, de trafic d’influence actif», selon le communiqué.

«Gérard Azibert, des chefs de recel de violation du secret professionnel, trafic d’influence passif et corruption passive; Thierry Herzog, des chefs de violation du secret professionnel, recel de violation du secret professionnel, corruption active, et trafic d’influence actif», a poursuivi le parquet national financier.




La justice cherche à déterminer si Nicolas Sarkozy, via Thierry Herzog, a cherché à obtenir des informations couvertes par le secret dans une décision attendue de la Cour de cassation dans l’affaire Bettencourt. En échange aurait été promise à Gilbert Azibert une intervention pour lui obtenir un poste de prestige à Monaco.


Floribundus disse...

a França de esquerda procura liquidar o ex-PR através dos 'seus'

houve escândalos bem piores que nunca foram contados

foram maires, ministros, et allii ....

a França está quase ao nível do rectângulo

entre outras histórias além das vidraças
filho de Bokassa-'gosto muito do PM'
Bokassa-'come porque está delicioso'

O CM arrasa um juiz do TCIC