Avançar para o conteúdo principal

A corrupção de alto-coturno, legalmente impune, é isto

Este artigo de Helena Garrido, a antiga esquerdista radical tornada cronista de costumes económicos é o exemplo concreto de um elenco de casos de corrupção que se tornam virtualmente impuníveis como tal.
Estou convencido que isto só subsiste em Portugal porque as pessoas em geral ignoram estes fenómenos e acabam por achar que são normais e fazem parte da "política".  Passados mais de 40 anos de regime democrático, os portugueses estão em geral mais analfabetos nestas matérias do que antes do 25 de Abril de 74...

No final do artigo a autora fala da perplexidade em não aparecer, ainda, um partido populista, em Portugal.
Perante este caldo de cultura, se uma boa parte dos analfabetos funcionais forem deste modo alfabetizados não demorará muito porque o combustível já existe: a inveja atávica dos tugas.

Observador:

O tempo passa e há já quem tenha caído com o peso das suas dívidas durante a crise e já se tenha levantado ou reduzido o seu nível de vida. Se é esse o seu caso é porque não devia centenas de milhões de euros, não estava integrado na rede do poder ou não pertencia a nenhum grande clube de futebol. Para esses, que deviam centenas de milhões de euros, os bancos não têm meios para os obrigar a pagar ou a falir e os mais diversos poderes defendem-nos com o sigilo bancário, ao mesmo tempo que se apresentam como defensores dos desfavorecidos. Nunca como hoje se teve um discurso e se actuou de forma oposta ao que se diz.
Porque não conseguem os bancos que os grandes devedores lhes paguem? Estão protegidos por contratos jurídicos invioláveis, argumenta-se. Ou nada têm nas empresas que eram suas e que, em muitos casos, desnataram. Ou nada têm em nome pessoal como aconteceu por exemplo com Nuno Vasconcellos da Ongoing que só tinha uma mota de águaquando o BCP finalmente resolveu executar a sua dívida de 9,7 milhões de euros.
Bem vindos pois a um país onde os grandes devedores conseguem continuar a dever sem que nada lhes aconteça enquanto outros, os pequeninos, pelo menos alguns, já tiveram tempo para pagar o que devem e reconstruir as suas vidas. Ou estão ainda a pagar caro os erros que cometeram.
Bem vindos a um país onde um banqueiro pode receber uma liberalidade de um cliente sem que nada lhe aconteça, para além de estar enredado em processos judiciais. Ou ao país em que um banqueiro pode conseguir financiamento para empresas do grupo da família, enganando gananciosos ou analfabetos, sem que nada lhe aconteça. Ou antes, o que lhe acontece é o Estado substitui-lo como credor.
Bem vindos a um país onde modestas pessoas, muitas iletradas e info-excluídas, ficam sem uma agência bancária a poucos quilómetros do sítio isolado onde vivem porque houve homens integrados nas redes do poder que não pagaram o que deviam ao banco do Estado que, por sua vez, concedeu esse crédito por orientações políticas, amiguismo ou critérios duvidosos que estão a ser avaliados pela justiça.
Bem vindos ao reino em que alguns homens, que abriram portas financeiras ou jurídicas para outros homens acederem a centenas de milhões de crédito que lhes dava o estatuto de banqueiros ou empresários, continuam a com poder para ditar as regras que do reino.
Bem vindos ao reino onde se leva à miséria quem deve milhares à banca ou se processa sem dó nem piedade quem deve centenas ao fisco e protege-se, a coberto do sigilo bancário, quem deve centenas de milhões e tem nas costas a responsabilidade do dinheiro que alguns bancos precisaram, nomeadamente a CGD.
Bem vindos ao reino que, numa luta sem quartel pela sua auto preservação, defende-se o sigilo bancário como se fosse um valor absoluto, indiferente à necessidade de apurar responsabilidades que podem mudar mentalidades e atacar o coração de uma elite rentista que condena o povo ao subdesenvolvimento.
Bem vindos ao reino da impunidade, ao reino em que a elite responsável ou cúmplice do problema dos bancos vai armadilhando a justiça com falta de meios e assim se vai preservando.
Bem vindos, enfim, a um reino que devia ser de uma fantasia de terror.
Quando se diz que não há uma única pessoa responsabilizada pelo que se passou na banca portuguesa é dizer pouco. Porque além de não existirem responsáveis pela concessão de crédito sem a devida avaliação de risco ou com critérios duvidosos – porque é disso que se trata e não de eventos inesperados que geraram incumprimento -, há igualmente grandes devedores que se podem dar ao luxo de continuara dever e, no limite, a fingirem que são empresários porque são protegidos pelo “sigilo bancário”.
Como se tudo isto não bastasse está criada em alguns bancos a ideia de adiar ainda mais a limpeza do malparado, opondo-se à proposta da iniciativa da Alemanha e da França de obrigar a uma redução para 5% da carteira de crédito. E ouvimos da Associação Portuguesa de Bancos exactamente os mesmos argumentos usados para convencer a troika a não aplicar em Portugal a solução de limpeza geral usada na Irlanda – e que a CGD acabou por adoptar no seu último aumento de capital. Estamos à espera de uma nova crise para termos ainda de gastar mais dinheiro a salvar bancos? (Atenção que a salvação dos bancos é uma expressão lata para dizer que estamos a salvar, e bem, depósitos. Mas esta solução que considero ser a que tem menos custos para a economia não pode ser o caminho para desresponsabilizar quem fez uma gestão danosa e perdoar grandes devedores).
Quem assim reina frequentou as mesmas escolas ou colégios, as mesmas faculdades, concentra-se basicamente em Lisboa, é um grupo de amigos e conhecidos que troca cumplicidades e favores. Um grupo transversal aos partidos que vai expurgando quem a ele não pertence ou se atreve a tentar mudar esta elite que controla o poder a seu favor, mesmo com discursos de defesa do povo. Este reino da impunidade terá um dia consequências graves. Por tudo isto mas também pelo que temos assistido nos últimos tempos, resta-nos estar gratos por não termos ainda em Portugal um partido populista de tipo autoritário em Portugal.

Comentários

Tiro ao Alvo disse…
Não haverá por aqui incompetência do Fisco? Digo isto porque, os prejuízos resultantes de créditos incobráveis só eram aceites como “custos” pelo Fisco se, em relação ao devedor, houvesse sentença judicial decretando a falência, ou coisa parecida que atestasse a impossibilidade de cobrança do valor em causa.
E assim sendo, e creio que ainda assim é, os Bancos teriam, obrigatoriamente, de publicitar os seus devedores incumpridores, movendo-lhes acções judiciais que, naturalmente, eram levadas ao conhecimento público.
Será que, com estas novas designações dadas aos prejuízos, e adoptadas pela Banca, chamando aos "calotes" imparidades, o Fisco deixou de exigir que as empresas (os Bancos) processassem judicialmente os seus devedores relapsos? Se assim for, os funcionários do Fisco são coniventes com esta bandalheira.
Tiro ao Alvo disse…
Queria escrever rapaces e saiu relapsos. Desculpem.
Zephyrus disse…
Já existe um partido populista. Afinal o que é o BE? O que me espanta é não existir um partido Tradicionalista...
Zephyrus disse…
As elites do Estado Novo não se conheciam uns aos outros? Trocavam favores deste tipo?
josé disse…
"Se assim for, os funcionários do Fisco são coniventes com esta bandalheira."

É essa a essência da corrupção semântica. A linguagem corrupta. Imparidades em vez de calotes é algo que só certos professores universitários conseguem criar.

A corrupção tem sede nas faculdades de Direito.
josé disse…
Li no outro dia uma notícia que me escapou de comentar sobre um jurisconsulto universitário, de Coimbra que inventou uma teoria para safar ladrões de casaca como estes. No caso, o Banco de Portugal comprou-lhe o parecer, mas quem pagou foi o beneficiário.

É esta canalha que tem que ser denunciada. E às imparidades devem chamar-lhes calotes.
josé disse…
Essa corrupção semântica não existia no Estado Novo. Uma dívida era uma dívida, não era uma imparidade. E falava-se português, não o linguarejar economiquês e anglicano.
Zephyrus disse…
Esses mega empréstimos foram feitos quando? Quem estava no poder? Quem apoiava estas políticas? Onde andam agora?

Quem andou ai por volta de 2010 a assinar manifestos a pedir tgvs da vida? O BE e o PCP que diziam? Como andAm por aí como se nada fosse, como se não estivessem estado lá? Por menos não desapareceu o PS dos gregos e dos franceses? Não perdeu o psoe quase metade do eleitorado? Quem andou a assinar manifestos Portugal patrioteiros com Sócrates no poder? Promovidos pelo jornal do bergs... um dos que dava a cara pela fossA foi meu professor...

Por que motivo a imprensa não recupera este fundo do baú recente, agora que andam por aí aassobiar para o lado como se nada se tivesse passado?
Zephyrus disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Zephyrus disse…
As mentiras agora são inverdades...
josé disse…
huumm...boa ideia. Tenho cá esses artigos todos, recortados. E catalogados por mês e ano. Basta ir às pastas...
Zephyrus disse…
Houve um manifesto patrioteiro promovido pelo Expresso... estava o tal no poder. Seria útil recordar quem deu a cara. Um foi meu professor... ah ah e também quem assinou manifesto a pedir tgv ou aeroporto novo...
Zephyrus disse…
Houve uma pessoa que saltou logo fora. O professor Campos e Cunha...foi dos poucos que esteve lá, saiu logo e disse que o rei ia nu.
Zephyrus disse…
Por onde andavam Vieira da Silva, Galamba, Costa, Marcelo, Catarina Martins ou Jerónimo nesses anos? O que diziam e apoiavam?
Unknown disse…
comedia geral, extrema esquerda ao ataque, depois da novela de ficcao de Abril, se entitula novo drama com novos inimigos e caracteres. Os mesmo criados pelas favolas socialistas comunistas. Antes eram intitulados de revolucionarios progressitas afins, hj os mesmos entitulam os outros de ideas populistas chamam. Como se pudesse existir possibilidade de diferentes pensamentos politicos quando os daqueles em poder censura e inimizades espalharam. Rodearam a historia de portugal de 70 pra frente como se nada tive sse existido antes. Criaram se martires, pelo que parece. esqueceram se que o mundo esta em constante evolucao.Amado Eca que devia ser alvo de enaltecimento e admircao, mas que por sua vez o general sem medo ocupa o seu lugar.
Zephyrus disse…
Quem vai criar Novo partido primeiro? Santana ou Sócrates? Ahah
muja disse…
Mas... há algum partido em Portugal que não seja populista?

A pergunta é sem rasteira...
muja disse…
https://novoadamastor.blogspot.com/2018/07/processo-m-alegre-vs-brandao-f.html
Neo disse…
muja disse...
Mas... há algum partido em Portugal que não seja populista?

Tirou-me as palavras da boca. Quanto a partidos autoritários, o BE e o PCP são exatamente o quê?
A Helena Garrido dá umas no cravo e outras na ferradura.
Floribundus disse…
« Tenho cá esses artigos todos, recortados. E catalogados por mês e ano. Basta ir às pastas... »
espero que inclua não só alguns artista do ps, pc e be, mas também rio e o entertainer

como dizia um boticário braselêro
«-estou aqui como espectorante»
Ricciardi disse…
O Jose é, digamos assim para ser simpático, pouco entendido em matérias econômicas.

Consequentemente diz que imparidades e dividas é a mesma coisa.

Mas não é.

Dívidas não preciso de explicar.

Em termos simplórios, para cérebro de José perceber, Imparidades são diferenças entre o valor dos activos a preços correntes e o valor dos mesmos aquando da sua aquisição.

Por exemplo, se comprar o José pelo preço que ele pensa que vale e o vender pelo preço que ele realmente vale, gera-se uma imparidade gigantesca.

Rb
Ricciardi disse…
Imparidade não é necessariamente uma divida. É um estado de perda potencial.

Antigamente, no tempo do estado novo, não se registavam imparidades. Hoje as regras da UE obrigam a registar imparidades. E bem. A perda potencial deve estar refletida em balanço.

Para o cérebro do José conseguir perceber melhor. Se comprou uma casa por 100 há dois anos e ela hoje vale 80, não há dívida alguma. Mas há uma imparidade de 20.

Em suma, não fale do que não sabe.
Rb
Tiro ao Alvo disse…
"Em suma, não fale do que não sabe".
Este Ricciardi, ponde-se em bicos de pé, veio cagar sentenças, armando-se em especialista em economia, apresentando uma definição para as imparidades dos Bancos, como se estes se dedicassem unicamente à compra e venda de "activos", esquecendo-se que o que estava em causa a publicação, pela Banca, dos grandes devedores incumpridores, como devia ser feito e é feito para os pequenos devedores ao Fisco que, por dá cá aquela palha, são logo ameaçados de penhoras.
O que aqui defendi é que os Bancos cumpram o estabelecido sobre a matéria, rejeitando as imparidades, para efeitos fiscais que não cumpram a letra e o espírito das leis, nomeadamente os estabelecido no Código do IRC, a saber:
Só são considerados como créditos de cobrança duvidosa, quando estejam reunidos os requisitos constantes do artigo 36.º do CIRC, de entre os quais, os seguintes:
• A existência de processo especial de recuperação de empresas e proteção de credores ou processo de execução, falência ou insolvência;
• Os créditos tenham sido reclamados judicialmente;
• Os créditos estejam em mora há mais de seis meses e existam provas de diligências para o seu recebimento.
A questão é esta: por que razão não são divulgados os nomes desses caloteiros, que originaram um tão elevado valor de imparidades que, todos nós, estamos a pagar com os nossos impostos? Só para defender certos senhores, é o que me parece.
É bom saber de que lado estão os Ricciardis.
Ricciardi disse…
Eu digo de imediato qual é o lado, oh Tiro ao Alvo.

Por principio os bancos não devem divulgar informação ao público em geral alguma acerca do quer que seja. Ponto.

Porem, todo o principio tem excepções. Se o estado (os contribuintes) emprestou dinheiro a certos bancos e se há desconfiança séria (judicialmente apurada) de que haja, ou tenha havido, credito concedido em moldes desonestos, devem ser informados os contribuintes dos nomes daqueles que beneficiaram do credito e daqueles que o concederam.

Imparidades, porém, não tem nada a ver com isto.

Rb
Tiro ao Alvo disse…
"imparidades, porém, não tem nada a ver com isto".
E teima a criatura.
Toda a gente sabe que os Bancos assumiram enormes prejuízos resultantes de imparidades respeitantes a operações de crédito que concederam e que não foram liquidadas a tempo e horas, valores que, por força da lei, só podem ser considerados, pelo Fisco, como custos normais do exercício de actividade, numa das condições que acima referi.
Ora, se a Banca cumprisse a lei e instaurasse processos judiciais contra os seus (grandes) clientes incumpridores, os nomes desses clientes passavam a ser conhecidos publicamente e a comunicação social, sem grande trabalho, poderia e deveria divulgá-los. Mas há sempre quem não queira que assim se faça, em nome do sigilo bancário que, como é fácil de entender, não estaria em causa. O que está em causa é a não perseguição judicial de clientes caloteiros que, não sei bem porquê, têm sempre gente a defendê-los, muitas vezes gente que se diz preocupada com os mais desfavorecidos, mas que, facilmente fecha os olhos, sempre que estão envolvidas empresas públicas ou políticos da sua cor.

Ricciardi disse…
Tirinho, vc também desconhece o que é uma imparidade. Leia acima e percebe.

Imparidade é uma desvalorização potencial dum activo registada num certo momento.

Se quiser, uma imparidade pode muito bem ser um bom motivo para justificar o credito malparado.

Porqur?

Porque há situações que não são antecipaveis. Se fossem eramos deuses. Quer dizer, um banco pode ter emprestado bem, com todo o cuidado, o dinheiro a alguém e entretanto ter acontecido um fenomeno que fez falir a mutuária do empréstimo. Na crise de 2008 aconteceu isso a muitas empresas. Por essa razão o malparado disparou para 14%. Milhares de empresas tinham projectos em curso que colapsaram. Na construção isso muito visível.

Em suma, quebrar o.sigilo bancário do deve ocorrer depois de haver motivos sérios para tal. Deve ser a justiça e não vc a definir se há razoes para o quebrar ou não. Cada caso é um.caso. Não podemos meter tudo no mesmo saco. Ele pode haver razoes naturais para o incumprimento como pode haver razoes criminais. Não cabe a si ou mim decidir isso. Cabe aos tribunais.

ASSIM, o sigilo deve permanecer ate ordens judiciais em contrario.

Rb



Tiro ao Alvo disse…
Não há pior do que o cego que não quer ver.
Que mais havemos de pedir a quem escreve económico com acento circunflexo? O Ricciardi não é de cá, escreve à brasileira e pensa que a definição que deu não serve para o sistema financeiro. O homem embicou com o sigilo bancário, que julga ser a tábua de salvação para não serem conhecidos os nomes dos responsáveis pela situação dramática em que vive a Banca portuguesa, tanto os nomes dos gestores bancários corruptos ou incompetentes, como os nomes dos maganões que se apoderaram de milhões e milhões, que sacaram de Bancos que estão a ser salvos com dinheiros do Estado, nomeadamente da CGD, tudo com a conivência de uma mão cheia de políticos, alguns dos quais deviam estar na cadeia a fazer companhia aos corruptos. O resto é treta.