quarta-feira, abril 28, 2021

Os discos de José Afonso já são digitais

 Já escrevi em tempos sobre José Afonso e pouco mais teria a acrescentar. Porém, hoje é notícia este facto: 


Quem ler ficará a pensar que os discos de José Afonso vão "voltar ao mercado", no caso em formato cd e em vinilo e nas melhores condições técnicas, agora que o Estado meteu o bedelho.

A informação, porém, omite o seguinte que foi notícia em 2017: 



Como se lê, as gravações originais, em suporte de fita magnética, desapareceram na voragem das falências. Tal como aconteceu com outros discos importantes da música popular portuguesa e estou a lembrar-me de um disco da Banda do Casaco chamado Hoje há conquilhas, amanhã não sabemos, um grande disco desse grupo do ano de 1977. 

Quem quiser voltar a editar tais discos não tem grandes alternativas. Ou utiliza um vinilo e digitaliza a respectiva gravação; ou utiliza digitalizações anteriores, como parece ser o caso dos discos de José Afonso, uma vez que as fitas originais que serviriam para tratar outra vez o som original, em modo analógico e não digital, voltando a produzir uma nova matriz para cópia, desapareceram. 

Para além disso a notícia inclui uma asneira ao escrever que o "lançamento será feito no formato clássico ( vinil e cd) mas também no digital" o que subentende que a autora do texto não percebe que o formato do cd é efectivamente um formato digital e com uma determinada definição standard ( 16bits/44.1 kHz). 

O som digital declina-se em acrónimos como PCM ou DSD e DXD, Flac, mp3 ou MQA e outros mais. E se o vinil for prensado a partir de uma matriz digital, acaba por sê-lo igualmente naquilo que é mais importante, que é a gravação de um som inicialmente gravado em formato analógico passar a uma gravação em modo digital num daqueles formatos, mesmo em fita magnética e com recurso a códigos binários de 0 e 1. 

Tudo isto pode parecer extravagante e pouco importante, mas isso é para quem não distingue a natureza e a qualidade sonora dum formato e de outro.

O som do vinilo, de um LP gravado em modo analógico, não é o mesmo que o som digital de um cd ou mesmo de um sacd ou dvd ou blu-ray audio. É um som diferente e para quem aprendeu a distinguir geralmente é melhor.

Quem quiser ouvir José Afonso do modo que para mim é preferível deverá encontrar os discos originais, em vinilo, o que só é possível nas lojas de discos usados. 

As reprensagens geralmente não prestam justiça às versões originais porque têm uma sonoridade que aparece um pouco mais degradada do que a original, na maior parte dos casos. Se ainda por cima forem versões realizadas a partir de cópias digitalizadas, o som ainda será pior. As versões em cd são normalmente mais fracas em termos sonoros porque não soam do mesmo modo que o vinilo e a aparente limpidez e melhor resolução tornam-se cansativas para o ouvido. O som do vinilo é mais "natural" e relaxante e de qualquer modo corresponde ao som original destes discos todos:




Sem comentários:

A escola deve ser conservadora