Páginas

domingo, 6 de setembro de 2015

O PCP para consumo interno

Revista do PCP, O Militante, número de Setembro/Outubro de 2015. Podia muito bem ser um número de 1965, há 50 anos, altura em que o Partido realizou um congresso, o VI em plena clandestinidade.

A linguagem era a mesma de agora, sem tirar nem pôr, a não ser determinados adjectivos suavizados no actual contexto histórico, para dar uma patine democrática ocidental a um Partido que nunca o foi na sua existência e se recusa terminantemente a sê-lo. A longevidade do PCP em estado fóssil deve-se a esta cristalização em ambiente siberiano.

Tal como se reafirma neste número da revista, o PCP continua a ser um partido marxista-leninista e estalinista se preciso for. Álvaro Cunhal já em 1965 dizia que "o processo revolucionário segue caminhos diversos segundo as condições existentes em cada país. (...) A revolução não segue caminhos obrigatórios e inevitáveis, válidos em todas as condições e em todas as épocas". Ou seja, em vez de se assassinarem milhões de camponeses, como Estaline fez, denunciado pelo próprio sucessor, Krutschev, bastaria organizar uns tantos tarrafais ao contrário e baptizá-los como centros de recuperação de activos humanos. Ninguém jamais seria capaz de afirmar que tais campos eram gulags...ou de extermínio programado a la longue.

Estas três páginas sobre a comemoração do VI Congresso do PCP, realizado em 1965, são deveras elucidativas da natureza profundamente totalitária e anti-democrática do PCP. Ninguém o diz claramente nas tv´s quando o bravo Jerónimo assoma à pantalha para espalhar a propaganda ideológica disfarçado de democrata e patriota e assertoado na figura marxista-leninista. O PCP não fala disso na televisão. E ninguém lho pergunta, muito menos a Judite aburguesada nas maletas de marca francesa e sapatos a condizer.

 Sobre o modo como o PCP conduziu o PREC de há quarenta anos não há qualquer segredo se se lerem estas duas páginas de ensinamentos do estratega-mor, Álvaro Cunhal, um marxista-leninista de gema que tinha em Estaline uma referência de estadista patriota.








8 comentários:

Floribundus disse...

quando Malraux, ministro gaulista, mandou limpar as estátuas de Paris
foi acusado de retirar a patine

afirmou que estava a limpar a merda

a patine dos barreirinhas equivale há de Paris

cristalizaram os slogans e não há volta a dar-lhes

receio mais o paleio falacioso do monhé, cuja vitória está nas mãos do 33

no Insurgente está um artigo excepcional sobre o 'plafonamento'. preferia teto, da SS

o rectângulo arrisca-se a ser transformado em 'BOI DE PIRANHA'

Floribundus disse...

à de Paris
ia escrever de modo diferente

jbp disse...

http://www.dn.pt/politica/interior.aspx?content_id=4763628

Luis Filipe disse...

Eu este ano fui visitar de férias a Rússia e foi interessante, muito interessante, ver e ouvir a história da Rússia e dos bolcheviques.
Parece-me que nem os Bolcheviques nem o Estaline tinham nada a ver com o marxismo-leninismo, ou teriam pouco em termos filosóficos... eu nesta altura não misturo Estaline, bolcheviques e seus seguidores, com essa corrente que foi o do marxismo-leninismo.

José disse...

"Parece-me que nem os Bolcheviques nem o Estaline tinham nada a ver com o marxismo-leninismo, ou teriam pouco em termos filosóficos"

Então tinha a ver com quê e com quem? Com o Bernstein social-democrata?

Luis Filipe disse...

Caro José,
o que entendi e ouvi foi que os bolcheviques eram um bando de ladrões, criminosos e labregos que aproveitaram um momento da história, para se aproveitarem.
por seu turno Estaline era um ladrão, reles, um criminoso e um psicopata, e que o próprio Lenine avisou, que ele nunca poderia suceder-lhe, por se tratar da besta que era.
Ora isto sendo verdade não se trata de marxismo, fascismo ou radicalismo, na minha opinião tem outros contornos.
Mas enfim é a história e o resto, a atualidade é o que se vê.
O marxismo não funciona porquê? pelos princípios ou pelos executantes?
Eu não sei se o marxismo mandou enviar milhões para os gulags, entende o meu ponto de vista?
Um abraço
Luis

josé disse...

A resposta está no postal a seguir.

muja disse...

O Luís Filipe faz umas observações interessantes.

Agora deve reflectir: se os executantes do marxismo-leninismo redundam sempre num bando de ladrões, criminosos e labregos psicopatas, porque será?

Que princípios poderá ter coisa que atraia semelhante fauna?

Quanto aos russos, aquilo foi a história deles durante quase um século. Boa ou má, é o que é. Acho que fazem bem em não fazer o que por cá fizeram: a tábua rasa de tudo.

Quer se queira, quer não, a Rússia Soviética faz parte da história da Rússia. E eles guardam-na ciosamente. E por tal merecem respeito.

É um contraste apreciável com a viscosidade rastejante "democrática" que viceja deste lado do continente... sempre mais que pronta a alienar a história a troco de patacos e às vezes nem isso...

Mas é uma coisa curiosíssima: a trampa comunista acabou absorvida e foi digerida pelo nacionalismo. A bandeira soviética representa hoje o oposto absoluto do que representava quando a fauna a arvorou a bandeira da Rússia. La boucle est bouclée.

E algo me diz que foi esta constatação que fez virar os "ventos", e passar de moda a trampa. A foice e o martelo fazem vergar, mas não fazem partir. E o que não mata fortalece - mais tarde ou mais cedo.

A técnica que desenvolveram deste lado é bem mais viciosa. Em vez do martelo usam ácido dissolvente.