quinta-feira, 2 de setembro de 2010

A resposta de J.A.Cerejo ao advogado JAR

Vem hoje no Público ( clicar para ler) , a resposta do jornalista José António Cerejo ao advogado que tomou as dores de um certo político e que insultou o jornalista, atingindo-o na honra profissional. O advogado é um "antifassista" notório que ganhou galões de democrata para sempre, no tenebroso Tribunal Plenário do antigamente. O jornalista, talvez por isso, recorda-lhe o passado para lhe atirar o reflexo condicionado a um presente envenenado. E assoma no escrito uma realidade perturbadora: o advogado J.A.R. terá ficado afectado, estes anos todos, pelo síndroma de Estocolmo?

4 comentários:

Joaquim disse...

Notável o texto de José António Cerejo, que para além do sr. Rocha identifica os cobradores de uma conta-corrente antisfascista (eles que tanto amam a prescrição de crimes, não admitem qualquer fim para a suposta dívida da sociedade sempre por saldar e cujo valor é autoritariamente estabelecido por esses cobradores, inclusive para reclamar créditos também para outros ainda imberbes no antifascismo mas agora donos das polícias "democráticas").
Dívida social há muito existe para um jornalista solitário, com inimigos em todos os segmentos desta coisa pequenina, que há muito admiro e também há muito "marcado" pelo máximo cobrador da eterna dívida (que vive para os lados do campo grande) e respectiva "família".

Karocha disse...

Grande Cerejo!
Dos poucos que continua...

lusitânea disse...

Com muitos jornalistas como o Cerejo não haveria aquilo que o Feteiro disse:Uma quadrilha a governar...

José Domingos disse...

Excelente texto. Ainda, há Jornalistas,em Portugal, poucos, muito poucos.
Claro, que estes antifascista, custam muito dinheiro, aos contribuintes, um passado, pago a peso de ouro, mas que curiosamente,permanece um dogma, um passado envolto, em nevoeiros.