segunda-feira, 16 de dezembro de 2019

A Flor do jornalismo murcho

A direcção de informação da RTP , de dona Flor e seus apaniguados, finou-se. Antes de murchar houve uma tentativa de reanimação com rega intensiva por mais de uma centena de colegas de profissão que asseguraram que a dita dona Flor era uma profissional sem tempo e exemplar a todos os títulos. 
Alguns dos que tentaram evitar que a Flor murchasse:

No abaixo assinado, com quatro pontos, os jornalistas - de várias redações, entre eles, diretores de outros canais televisivos - apontam que "Maria Flor Pedroso é jornalista há mais de 30 anos, sem mácula", uma "jornalista exemplar" e "reconhecida e respeitada pelos pares".

Entre os subscritores estão Sérgio Figueiredo, diretor de Informação da TVI, Ricardo Costa, diretor de Informação da SIC, entre vários nomes históricos dos media portugueses, como Adelino Gomes, Cesário Borga, Bárbara Reis, Fernando Alves, Francisco Sena Santos, João Garcia, João Paulo Guerra, José Silva Pinto, José Carlos Vasconcelos, Rui Pego, Nicolau Santos, entre outros.

Entre vários jornalistas da TVI, como Vasco Rosendo, Paula Costa, Simões, Filipe Caetano; Joana Reis ou Alexandra Monteiro, estão também nomes da SIC como o de Cristina Ferreira, Fernanda de Oliveira Ribeiro, Joana Latino, entre outros.

Os subscritores defendem que a diretora de informação da RTP "é uma das mais sérias profissionais do jornalismo português", tendo chegado "por mérito ao cargo que atualmente ocupa".

Estamos conversados sobre o jornalismo nacional...com estes exemplos e estes "modelos".

Estes jornalistas, para mim, estão definidos e qualquer coisa que escrevam será para deixar de ler ou quando muito fazê-lo com todo o cuidado, porque é possível que seja falso.  
Não foi apenas uma Flor que murchou mas todo uma estufa de jornalistas sem estofo verdadeiro. 

É uma tristeza, antes de ser mais uma vergonha.

Sem comentários:

A escrita polémica de VPV