quinta-feira, 26 de dezembro de 2019

Novas do polvo de Lula

Observador:

O ex-presidente do Brasil, Lula da Silva, voltou a ser indiciado numa investigação no âmbito da Operação Lava Jato, por corrupção e lavagem de dinheiro. O inquérito da Polícia Federal brasileira foi concluído na segunda-feira e, além de Lula da Silva, também o ex-ministro António Palocci, Paulo Okamoto (ex-chefe de gabinete de Lula e presidente do Instituto Lula) e Marcelo Odebrecht foram indiciados pelos mesmos crimes.

Em causa estão os donativos da construtora Odebrecht ao Instituto Lula, entre dezembro de 2013 e março de 2014. Durante esses meses terão sido transferidos quatro milhões de reais — o equivalente a mais de 880 mil euros — da Odebrecht para o instituto a que o ex-presidente dá nome.


Sobre isto temos a certeza que não vai sair nada no Público, assinado pelo ilustrérrimíssimo professor Boinaventura, personagem de Barcouço e também universitário de gema que deve conhecer o Bornito porque estamos a falar do terceiro mundo explorado pelo imperialismo ianque que lhes vende vestidos de noiva a preceito. 

O Brasil há muito que fez o retrato foto-maton deste personagem submarino da democracia popular brasileira.

Olha aí, minha gente, tirado da internet, agora que não podemos ler a Veja ou qualquer revista brasileira de actualidades por cá. Razão? Não sei e não compreendo. 



E a prova rainha que falta aos processos de Lula ( e também por cá, aos do antigo presidiário 44). Sem esta prova os professores boinaventura não consideram prova a corrupção.


Sem comentários: