Páginas

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Afinal, havia pessoas que sabiam o que era preciso.

Este documento dactilografado ( recebido por mensagem electrónica) já vem de 1984 e é da autoria de um então deputado do PSD, José Silva Marques ( cujo percurso pessoal foi algo sui generis, por causa do género), então da Comissão Política do PSD. A lucidez de tal documento até dói, ao ler-se nos dias de hoje e permite pensar que não havia apenas mários soares ou almeidas santos ou mesmo cavacos silvas que dali a pouco tempo foi rodar um Citroën BX ao congresso da Figueira da Foz, depois de Portugal ter pedido ajuda ao FMI, no tempo daquele Mário Soares.
Se o partido fizesse metade do que aqui está escrito como proposta política nunca teríamos novamente por cá o FMI. Assim, temos uma "troika".

Tomem e façam justiça a algumas pessoas lúcidas, porque nem todos eram politicamente corruptos ou fantasistas. Pelo contrário, já havia gente com os pés bem assentes no chão e que se lhes tivessem dado ouvidos teríamos um outro país. O que não teríamos era um Conselho de Estado com os nomes que temos...


5 comentários:

lusitânea disse...

Como diz o Belmiro a governação tem sido feita sempre à vista.
Isto depois de terem extinto tudo o que fosse "força de bloqueio" e já agora de "planeamento".
Deu no que deu.Com a rapaziada rica mas os Portugueses falidos.E africanizados...
Os chefes são sempre responsáveis pelo que se faz ou deixa de se fazer
Mas como temos manadas de chefes...

lusitânea disse...

Chefes com grande clarividência.Que conseguiram colocar o seu zé povinho na situação oposta ao que tinham em 25 de Abril:Independência,desenvolvimento, um império lá fora.
Agora o império é cá dentro e por nossa conta,estão falidos por decénios e está tudo a ruir...
Mas traição nunca houve...que "gatunagem" já ninguém duvida...

lusitânea disse...

Bem houve "avanços" civilizacionais importantes:Agora podem apanhar no cu e com "casamento"...

alexandre Iº disse...

O ponto 4, sob a epígrafe «Assembleia da República», matou logo qualquer possibilidade de prosseguimento...

Floribundus disse...

a vida arripiante no rectângulo traz-me à lembrança um dos mais notáveis Upanishads
«é difícil caminhar por sobre o fio afiado de um navalha»