sábado, 29 de setembro de 2012

"E não se pode exterminá-los"?

Imagem do C.M. de 29.1.2012 ( não vai assim há tanto tempo...)


Eduardo Dâmaso - A ministra da Justiça recebeu um elogio na 5ª avaliação da troika por algumas das reformas realizadas, mas esta semana obteve um ainda maior quando os fiéis de Sócrates a atacaram por ter dito que os tempos de impunidade acabaram
É, aliás, muito simbólico que a demissão da ministra seja pedida pelo deputado Lello, que se 'esqueceu' de declarar um ganho superior a meio milhão de euros ao Tribunal Constitucional. E é simbólico porque tal pedido ocorre na mesma semana em que a ministra reafirma a criminalização do enriquecimento ilícito.
Percebe-se o drama dessa gente que toda a vida ocupou cargos políticos e, por isso, deveria ser facilmente determinável o seu património mas não é. Pelo meio, há sempre uns figurantes sem importância para amplificar a gritaria, mas o essencial está na lei do enriquecimento ilícito: ela não interessa a um certo PS, nem a um certo PSD ou CDS.
O chamado Bloco Central dos Interesses luta pela manutenção da impunidade e vai tentar atropelar toda a gente, sobretudo a ministra. Como se viu no Freeport e na Face Oculta. Como se viu nos seis anos desastrosos que o PS deixou na Justiça e no País.
Eduardo Dâmaso, director-adjunto | Correio da Manhã | 29-09-2012

6 comentários:

, disse...

Estamos a falar dum senhor que quando lhe perguntam donde vêm os "cabritos" que tem, diz que a mulher herdou "quintas" e "cabras".
A mesma argumentação que explicavam os próximos do José Sócrates - e concertada com o Lello & Cia - que o "menino d'oiro" tinha herdado fortunas e prédios dum avô rico! Quando lhe perguntava como um neto herda diretamente dum avô, sem passar pelos netos, ficavam sem resposta...
O José Lello foi o tesoureio do PS com Sócrates, ocupando o mesmo cargo que Jorge Coleho ocupara antes - leia-se articular o saco deles e do partido com os empreiteiros e os banqueiros, entre muitos outros.
E o saco deles próprios não tem fundo. A cosntrutora DST de Braga quis ir mais longe no saque - antes era quase só Minho - e por conselho de António Braga um dos próximos de Sócrates - contratou como Administrador José Lello. Claro que a DST entrou nas PPPs, nas eólicas do Alto Minho, fez a encenação da Qimonda Solar, tem negócios bem So(a)lheiros com o clã que manda no Minho, mas sobretudo entrou no clube restrito das PPPs. Lello fez para a DST o mesmo papel que Jorge Coelho para a Mota Engil.
Mas eles são todos pobrezinhos, mas herdam!
Vão ver que o avô de Sócrates afinal deixou os 383 Milhões em herança, e se calhar em cabras! E é inacreditável que os senhores investigadores e procuradores só tenham procurado o rasto do dinheiro nos off-shores, sem procurar a sua origem a montante, ou seja, donde veio! Ou terá sido depositado em moedas??

Floribundus disse...

neste fascismo estercorário o 'esterco remexido fede com mais força'. virou gerusia

disse Erasmo de Roterdão
'todos apreciam o cheiro dos seus peidos'

esta situação só muda se houver ministros 'testiculatus'

o tc parece seguir a expressão latina
«as leis são teias de aranha»

Mani Pulite disse...

Muito mais do que a austeridade para os que nada têm exige-se um Pacto e acção coordenada Europeia contra a corrupção,contra os que tudo roubam a todos.

Cisfranco disse...

Os partidos estão todos infestados de gente da pior qualidade. Também lá existe gente sã, mas o que é verdade é que os partidos não estão a conseguir responder à altura da situação. Reconhecendo-se, embora, que eles são necessários, é evidente que os partidos estão a fazer parte dos problemas que o País atravessa. Com eles não haverá solução para os problemas. As reformas necessárias e urgentes não vão acontecer por iniciativa dos partidos. Qual deles tem intenção de apresentar propostas para eleição de cidadãos independentes, sem qualquer vínculo partidário à AR? Ah pois é! A concorrência é muito bonita e salutar, mas é para os outro...

Streetwarrior disse...

Por coincidencia e sem nada a ver com José Lelo, ontem á conversa com um conhecido meu, perguntava ele...
Mas afinal, qual a solução?

È uma pergunta de dificil resposta.
Mas qualquer ela que seja a resposta, primeiramente e seguindo uma grande frase de Einstein...
"Nunca os problemas poderão ser resolvidos, plas mesmas mentes que os criaram."

Ultimamente tem-me acontecido algo que provavelmente também ocorrerá a muitos dos que por aqui passam.

Quando oiço alguns (todos) dos figurinos do PS a falar na Tv, epá...fico sempre de boca aberta tal o surrealismo daquilo que estas personagens dizem.

A demagogia, a cara podre, a cinise, o descaramento e o surrealismo dos personagens que ás propostas que estes FDP se dizem contra ou quando "violentamente se abestêm " quando apresentadas....é de uma falta de verdade e de carácter...que nem sei explicar.
Só consigo ficar de boca aberta tal o meu espanto.
È que a meu ver, tudo aquilo que se dizem contra....ainda ontem, era tudo aquilo que proponham.
È demais!
NÃO TENHO PALAVRAS PARA QUALIFICAR ESTA GENTE.

Vivendi disse...

Lellos desta categoria nem para pô-los na feira a vender banha de cobra servem.

Dura lex, sed latex