Páginas

domingo, 8 de novembro de 2015

A direita que desapareceu e a esquerda que surgiu do nada.

Como desapareceu a direita em Portugal? É um mistério. Ou não existia em condições de se apresentar como tal, na altura do 25 de Abril de 1974, o que é sempre uma hipótese a considerar; ou então escondeu-se, borrada de medo, aproveitando para se reciclar em utopias ambulantes que ainda por aí vagueiam, como as almas penadas, com disfarces variados. Um dos últimos será de pajens de uma monarquia utópica sem rei nem roque.

Certo é que nos dois anos até à Constituição de 1976 essa tal direita sumiu-se de vez e jamais se constituiu em força política capaz de mandar cantar um cego as canções do aleijadinho como os demais partidos fazem.
Ainda hoje se procura com candeia de Diógenes tal direita mítica e só se encontram pajens.
Que é feito dos herdeiros espirituais destas pessoas que em 1966 se sentavam onde hoje se alapa a maioria de esquerda?
Quem souber que responda.


Esta tragédia nacional começou logo a seguir ao dia 25 de Abril de 1974 e para isso só os recortes de jornal o testemunham com precisão.

Em 27 de Abril de 1974 os jornais que a esquerda mantinha ainda nem sequer assumiam explicitamente a novilíngua comunista-socialista. 


Mas não durou muito o jejum. Dali a dois dias, em 29 de Abril o jornal da maçonaria socialista já parangonava o fascismo do regime deposto como o maior horror à face da nossa terra à beira mar plantada.


 Tendo o partido Socialista assumido a novilíngua comunista e assimilado os conceitos associados de reaccionário, longa noite fascista, etc,  fácil se tornou espalhar o novo acordo linguarejeiro nos media transformados em câmaras de eco.

 Dali para a frente foi sempre o mesmo mantra que se repetiu ad nauseam até aos dias de hoje.

E por onde paravam os próceres do antigamente que supostamente deveriam representar uma direita portuguesa tradicional e sólida em valores e conceitos?

Alguns foram passar férias a Espanha; outros ao Brasil e os demais espalharam o spleen pela província silenciosa em maioria que nunca se viu e muito menos nas alturas-chave. Se não fosse a Igreja Católica ter dado uma mão o desastre teria sido maior.

Logo nessa altura, passado o rescaldo do prec essa direita passava por ser...o CDS! Assim o afirmava em 1976 o emigrado de Vence, esquerdista que escrevera um livro jurando que "o fascismo nunca existiu" para tentar provar o contrário...


 Entretanto a tarefa de identificar e circunscrever essa direita mítica ficou por conta da...esquerda travestida no jornal de Francisquinho Balsemão, acolitado pelo católico progressista social-democrata liberal e socialista às vezes, Marcelo Rebelo de Sousa que chegou a privar com Marcelo Caetano e lhe pregou a rasteira de judas, não o conhecendo na altura de aperto.

Em 16 de Julho de 1983 o Expresso catalogava essa tal direita desaparecida em combate de trincheira  clandestina, ficando a expensas desses cavaleiros andantes do infortúnio da orfandade a tarefa espinhosa de "levantar de novo o esplendor de Portugal". Não levantaram. Alguns já morreram e outros nunca o quiseram porque tinham mais que fazer. Por exemplo, ganhar dinheiro que a vida custa a todos...




Assim andam por aí os órfãos do costume e os pajens de sempre, desvalidos e a vomitar impropérios despropositados e de sarcasmo roto.
Em vez de defenderem ideias atacam quem lhes parece; em vez da discussão algazarram a irrisão e perdem-se no detalhe porque se julgam superiormente imbuídos da chama oculta dos conquistadores de moinhos de vento.

Que desperdício.

39 comentários:

S.T. disse...


Ponhamos o dedo na ferida , José : a CERTEZA JURÍDICA esvaziou-se nos primeiros meses idos à revolução. Bem lhes adiantou manterem os privilégios e o articulado da corporação , a praxe e o protocolo : a Justiça foi capturada lenta e insidiosamente pelos interesses partidários .

S.T. disse...


( Como se há-de confirmar - em breve - uma vez mais. ))

Kaiser Soze disse...

Desapareceu em reacção ao fim do Estado Novo, o que me parece, durante algum tempo, normal.
Suponho que, por esta altura e pelo mesmo motivo não deva haver muita tolerância para comunistas no Leste da Europa.

S.T. disse...


Qual semântica , qual o caralho : este país sindicado por um PGR Australiano , Norueguês , Norte-americano , Alemão , Chinês que fosse , fazia a Cofina vender mais do que o Wall Street Journal....

S.T. disse...


pqp vou fazer as malas e embarcar...

S.T. disse...


Os «orfãos do costume e pajens de sempre» , que se amanhem... e o José também. O último a saír , sff , que feche a luz.

josé disse...

Bon voyage!

S.T. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
S.T. disse...


( a direita desapareceu ? Fica bem : ó vaidoso )

;))

Floribundus disse...

a esquerda não surgiu de geração expontânea

criaram-na com todo o desvelo ao longo de dezenas de anos

dentro e fora do rectângulo com apoios do estado e de capitalistas da 2ª rep

assisti a tudo isso

sempre me lixaram por não integrar grupelhos

muitos capitalista e gente do regime favoreceram muito xuxa e comuna e lixaram os católicos

o salgueiral adianta-se uma hora por mês

zazie disse...

Engraçado como em 30 anos grande parte deste vocabulário desapareceu. Ainda chamavam "Estado de Direito" ao que agora é "Estado Social".
-----------------------------------------------------------------

«( Como se há-de confirmar - em breve - uma vez mais. )»

Também temo isso, S.T.

zazie disse...

S.T.

Se a Direita existisse não se estava a viver este momento de circo.

E se a que diz que é e que existe, existisse mesmo, também não se ria despreocupada por achar que tanto faz.

zazie disse...

Entra-lhe na cabeça a existência de uma Direita que se diz Nacionalista e que Portugal é que está sempre em primeiro lugar, achar que esse assunto acabou com Salazar?

E quem não pensa isso tem de ser neotonto? já que fazer greve à urna é a alternativa de resistente?

josé disse...

O que me aborrece é ver estes supostos inteligentes e que se julgam superiores aos demais, desprezarem as opçoes que existem porque não servem os esquemas mentais utópicos que acalentam.

É evidente que um Passos ou um Relvas ou um Marco António não são exemplos de políticos que aprecie.

Mas apesar de tudo há uma diferença com os Sócrates que pululam por aí. Há uma diferença qualitativa até com o Costa que é um bluff.

Na sociedade que temos actualmente e que é resultado da demissão de uma direita que desistiu se calhar porque nunca existiu em quantidade suficiente não há lugar à qualidade da excelência de outrora.

Talvez daqui a uns anos apareça alguém que tenha essa qualidade. Actualmente não existe.

josé disse...

E depois habituei-me a ver em certos representantes de uma certa direita a imbecilidade larvar de alguns deles.
O que se assemelha à herança monárquica.

Ou é imbecilidade ou então loucura, o traço distintivo de uma boa parte.

josé disse...

A mim parece-me que a única atitude lógica e consistente em mudar isto é denunciar o esquerdismo utópico e a tendência de compagnon de route, permanente do PS.

zazie disse...

ahahahaha

Deve ser da consanguinidade

":O))))))

zazie disse...

E não pensa isso a maioria das pessoas sensatas sem precisarem de ideologias ou partido?

Eu penso que sim. Só que não têm expressão mediática.

Zephyrus disse...

«E não pensa isso a maioria das pessoas sensatas sem precisarem de ideologias ou partido?

Eu penso que sim. Só que não têm expressão mediática.»

Exacto.

E outra coisa que me faz confusão são aqueles programas de opinião da rádio e da TV. Quem liga para lá na sua maioria tem na boca o discurso da Esquerda. Mas no meu círculos de conhecidos oiço outra coisa. Votaram Passos porque temem o PS corrupto e os radicais de Esquerda. Acham que o país vive acima das possibilidades, que as famílias estoiram muito dinheiro e que o Estado ainda desperdiça mais. E que os impostos estão excessivamente altos. Mas estas pessoas não têm voz na discussão pública. Parece-me que se demitem e quando a vida corre mal saem de cena em silêncio. Em contrapartida a Esquerda é de longe mais interventiva com uma dimensão que roça o fanatismo religioso. A presença do cidadão comum da Esquerda na rua, na discussão pública das caixas de comentários dos jornais online, nos programas de antena aberta da rádio e da TV é incomparavelmente superior. Por que será assim? Qual a origem da passividade de quem não se revê «nisto»?

Fenix Felix disse...

Já se esperava que a direita desaparece-se. Foi o mesmo aquando do fim do absolutismo e a vitória do liberalismo. A monarquia parece utópica, e certamente o é, mas por quando tempo será só uma fantasia? A revolução está à porta, e dela terão de surgir boas respostas. As resposta de uma direita a ressurgir.

Zephyrus disse...

O Liberalismo foi tão bom, tão bom, que deu num século perdido e numa bancarrota em 1892. Não houve revolução científica nem industrial palpável, nem soluções para o analfabetismo, mas muito diletantismo, discursos bonitos e sonhos socialistas... Chegaram ao fim da Monarquia com um Portugal que tinha um PIB que era 50% da média da Europa rica... um estado falhado para alguns... um país que pouco mais de um século antes, com D. João VI no poder, era rico...

Zephyrus disse...

O desenho do Estado que temos teve o seu embrião no Liberalismo e muitos dos que andam agora no PS, PSD e nos partidos comunistas tiveram ascendentes com cargos no aparelho estatal que surgiu depois da guerra civil...

zazie disse...

«Por que será assim? Qual a origem da passividade de quem não se revê «nisto»

talvez por a esquerda vir mesmo da raiva milenarista e os conservadores não serem revolucionários nem dados a causas.

zazie disse...

Deu-me para os milenarismos

ehehehe
Mas é que não encontro outra raiz para os comunistas a não ser mesmo essa utopia do final dos tempos e raiva da inveja como ingrediente para arregimentar. São religiosos em tudo. Daí a tal militância inultrapassável.

Zephyrus disse...

A bondade do Liberalismo é mais uma das mentiras que se ensinam nas escolas. D. Miguel era um beato muito mau que queria ser rei absolutista e o D. Pedro um democrata muito moderno para a época que queria tirar Portugal do obscurantismo católico. Foi isto que aprendi.

Zephyrus disse...

«Mas é que não encontro outra raiz para os comunistas a não ser mesmo essa utopia do final dos tempos e raiva da inveja como ingrediente para arregimentar. São religiosos em tudo. Daí a tal militância inultrapassável.»

O Jerónimo deu há uns anos uma entrevista em que dizia isto: primeiro a social-democracia, depois o socialismo, finalmente o comunismo. Por etapas, portanto. E o comunismo como fim da História.

zazie disse...

Sim. A cartilha diz isso e o Marx inspirou-se nas revoltas dos camponeses liderados por esses fanáticos milenaristas.

Eles querem isso e nunca deixarão de querer porque é algo que deve estar para além da política.

Há gente assim- com facilidade em esquentar a moleirinha e ficar de olhos revirados a sonhar com cenas impossíveis.

Mas são pragmáticos. Deitam mão a tudo nos entretantos. Lá devem ter a noção que estão a cumprir um destino maior que eles.

A panca dos barbies do BE é diferente e aquilo é mesmo para ser aproveitado no presente e sustentado pelo carcanhol dos outros. Mas sabem sabotar e por isso governar deve-lhes soar à grande oportunidade de sabotarem por dentro como gente grande e importante.

zazie disse...

E é por esta evidência que ser do contra é lugar já preenchido que acho coisa de aluados os que imitam o mesmo sem fazerem nada; achando que são a Direita-Sentada.

zazie disse...

À espera que vá tudo para o galheiro para que também se cumpra a profecia

ehehehe

zazie disse...

Pessimismo extremo e optimismo máximo cruzam-se sempre algures.

Kaiser Soze disse...

Zazie,
Sempre agradável ouvir ligar o milenarismo ao comunismo.
"great minds"

José disse...

Há que voltar a ler a história dos cátaros e dos extremistas da Igreja que discutiam a pureza dos ideiais...

José disse...

Como tive que acordar muito cedo estive a reler as quatro páginas do Expresso, com o artigo de João Carlos Espada que entrevista várias pessoas, incluindo Franco Nogueira o teórico do pós-salazarismo.

É interessante o que o mesmo diz sobre a direita e o que se deve entender por isso. Está a léguas dos utópicos da monarquia em declinação pajem.

Floribundus disse...

Arroja disse ontem na Tv
'1/3 da riqueza produzida anualmente (ou seja = a pib dos gringos + Japão)' vai para off-shores

a direita salvaguarda os bens

o centro tem sido o grande fecundado e mal pago

estamos todos sentados na cadeira eléctrica à espera que o monhé ligue o interruptor

tschüss

zazie disse...

O Franco Nogueira diz o que é a Direita praticamente da mesma maneira que eu disse aqui ao Muja

eheheheh

Maria disse...

"estamos todos sentados na cadeira eléctrica à espera que o monhé ligue o interruptor" (Floribundus)

Nem mais, Floribundus.

Há dois dias perdi um comentário que vinha mesmo a jeito acerca do tema que se tem vindo aqui a debater. Paciência.

Ontem perdi outro (relativo a um tema desenvolvido pelo José) que considero modestamente ter muita actualidade perante o 'ménage à quatre' que descaradamente e contra a vontade da maioria dos portugueses, claramente expressa em eleições, se prepara para governar Portugal.

Ainda não li os artigos dos jornais, aqui oportunamente reproduzidos. Há porém o título de um pequeno artigo que me chamou a atenção sobremaneira. Dizia então o descaradão Mário Soares, sem se engasgar ou recear levar com um trapo encharcado de porcaria no focinho (não, de facto nesses tempos, 29/4/74, ainda não se vislumbrava nem de longe nem de perto o traidor, burlão e oportunista da mais pura água que veio a revelar-se e de que maneira durante as décadas seguintes, à luz do dia e perante todo um povo) "É preciso que a riqueza seja de quem trabalha e não de parasitas e banqueiros"!!!!!!!! Veja-se até onde chegou a lata desmedida desta criatura inominável para ter a coragem de proclamar alto e bom som e com honras de notícia de jornal, tão monstruosa quão cínica mentira! Ele que tem vivido toda a 'sua' democracia do roubo de biliões ao erário público e aos portugueses e do concluio escandaloso com os banqueiros do regime!!! É preciso muita lata.

Nunca o bando que introduziu este regime em Portugal, teve desde o seu início outra intenção excepto encaminhá-lo para o socialismo/comunismo, conforme de resto os hipócritas que elaboraram a Constituição nela claramente o consignaram. Eles, diabólicos como são, sabiam bem o que faziam. Tanto assim foi que, após 41 longos anos, chegámos finalmente a esse exacto momento, aquele por eles ansiosamente aguardado. "Um passo atrás para dar dois à frente", não foi este desde sempre o lema perseguido pelos comunistas estalinistas e socialistas marxistas? Pois foi. E ele aí está.

António Costa é um comunista consumado, nem podia ser outra coisa dado ser filho de um comunista assumido e de uma pseudo-socialista. Foi educado num colégio cujo dono e director era um republicano afamado, marxista de formação e o filho seguiu-lhe as pisadas. Cínico e falso até mais não, Soares tem fingido durante todo este regime ser uma coisa que não é. Ele é, sim, um comunista-marxista travestido de social-democrata. Senão, veja-se o mal que ele fez a Portugal e aos portugueses e que só um comunista-marxista-leninista (com a ajuda preciosa do seu mentor e adorado irmão gémeo político, o comunista estalinista Cunhal que lhe ditava as ordens democráticas/comunistas a seguir à risca e que ele cumpria religiosamente) seria disso capaz. A maior tragédia humana provocada intencionalmente contra os portugueses por mãos satânicas cujo autor declarado foi Mário Soares secundado por, entre outros, esses dois lacráus venenosos, Manuel Alegre e Almeida Santos.

Quanto a Costa, outro comunista travestido de socialista moderado, é um farsante e mentiroso e falso como Judas, tal como Soares e tão ambicioso quanto este por poder, dinheiro e estatuto.

Estamos perante um governo-feito-à-pressa desastroso e perigoso em todos os seus aspectos, que irá ter forçosamente pouco tempo de duração. Disso não tenhamos a menor dúvida. Preparemo-nos, pois, para a luta. Exigem-se eleições o mais ràpidamente possível para que a vontade da maioria dos portugueses seja de novo reposta.

Anjo disse...

Maria,

Ao que parece, são precisos 6 meses até novas eleições.

A esperança é que o PR actue dentro dos seus poderes constitucionais (que os constituintes de 76 quiseram, apesar de tudo, mitigar) e nomeie um governo interino, de iniciativa presidencial.

Não faltam argumentos poderosos para justificar essa opção. Consegui-lo-á? Entre as pressões dos assessores que podem ser "sensíveis" a outras pressões, a idade e o estado de saúde dele, as teias que envolvem o genro nas manigâncias do PS (como a Justiça sabe) e a circunstância de estar de saída do cargo, são muitos os imponderáveis. Mas a esperança não pode morrer, contra os golpistas.

Façamos todos a nossa parte, naquilo que está ao nosso alcance! Soube bem, ver que as pessoas saíram de casa para irem protestar junto à AR. Tivesse a manifestação sido esmagadora (como quando muitos foram, acefalamente, reclamar à Troika que lhes "devolvesse as suas vidas" - veja-se a pantominice!) e as coisas podiam estar ainda mais bem encaminhadas...

Maria disse...

Anjo, isso que diz está correcto, mas seis meses é muito tempo, governo interino ou não, mais do que qualquer outra democracia em casos semelhantes. No entanto e não podendo fugir a isso, há que fazer pressão pública através de todos os meios possíveis - face-book, internet, manifestações sucessivas, tudo o que se julgar necessárip, incluíndo protestar junto do Palácio de Belém, para que o Presidente nomeie um governo de iniciativa presidencial a fim de que se evite a todo o custo que este arranjinho-a-quatro de uma pseudo-esquerda unida assuma a governação, já que a única coisa que ela quer é assaltar (mais uma vez) o poder para dar cabo novamente das finanças públicas, entretanto postas em ordem pela Coligação com dificuldades imensas sofridas pela população; impedir que a Justiça ande prá frente com os processos escaldantes que tem entre mãos e que tão bons resultados tem registado; afastar dos seus postos os meretíssimos Juízes e Procuradores que tão extraordinários serviços têm prestado na recuperação do prestígio e credibilidade na Justiça, com bastas provas dadas de coragem, determinação e independência face aos políticos e aos poderosos e finalmente, além de irem desbaratar os dinheiros públicos (e permitir que largos milhares de milhões dos amiguinhos, especialmente os políticos socialistas ultra-corruptos muito nossos conhecidos, saiam secretamente do País para os respectivos off-shores) para agradar à plebe xuxialista; colocar em lugares de topo nas empresas públicas, administração, ministérios, etc., camaradas e demais apaniguados, mandando os que lá estão independentemente do seu mérito para o olho da rua; e... e... Mas talvez o mais grave e vexatório de tudo o resto, será este governo esquerdista ilegítimo - porque perdeu as eleições - que se julga erradamente com o direito de governar o País (se conseguir chegar ao poleiro e Deus queira que não) ir colocar em cargos governativos da máxima relevância gente indigna, pedófilos compulsivos declarados, muitos dos quais bem nossos conhecidos (e a alguns notáveis por enquanto desconhecidos) sendo a ideia òbviamente essa!, para pararem d'imediato as investigações escabrosas, muitas das quais em fase conclusiva, que atingem em cheio os políticos socialistas em percentagem altíssima - identificados um a um pelos investigadores do Proc. Casa Pia como os autores dos crimes praticados. Bem basta e escândalo maior - só possível de ter acontecido no nosso País por estarmos submersos num regime que é a mais infamante tragicomédia jamais havida em Portugal, gerida pelos maiores pulhas travestidos de políticos honestos e impolutos - de Ferro Rodrigues ter sido elevado ao segundo mais alto cargo da Nação, como se ele fosse o mais íntegro de todos os portugueses vivos e até dos já falecidos. Isto para não irmos um pouco atrás no tempo e vergonha máxima, termos permitido que outra personagem igualmente infame, outro pedófilo compulsivo, Jaime Gama, tivesse ocupado o mesmo alto cargo na Assembleia da República.

Rodrigues Antonio disse...

Estão com dificuldade de digerir um governo de "esquerda". Afinal desde o 25 de Abril que este país tem sido desgovernada pela tal direita desaparecida. Penso que não se devem, preocupar muito com isto, afinal o PS não vos vai obrigar a ao exílio pois em nada se distingue da direita trauliteira. Ainda não é desta que a esquerda vai governar este país, e acreditem gostava de assistir ao desaparecimento da direita, que se foda a tradição. Fosse este povo mais selectivo e isto já a muito teria dado uma grande volta. 40 anos de governação de larápios e gatunos. Se estão com medo emigrem pois o governo CDS e PSD forma os grandes obreiros da fuga em massa de jovens deste país.