Páginas

sábado, 21 de novembro de 2015

"Não há factos! Não há factos!", o mantra de José Sócrates.

Os jornais de ontem e hoje dão algum destaque à efeméride da prisão de José Sócrates, ocorrida no   ano passado.
O Sol, ontem e o Público hoje, mais o Correio da Manhã destacam o acontecimento e glosam uma vez mais o caso do Marquês.
O visado continua no mesmo registo de negação acolitado pelos seus advogados extraordinários, que repetem como papagaios amestrados a vigarice intelectual: " não há factos! Não há factos!"

O Sol de ontem mostrava os factos e contra-factos que não se explicam porque falam por si. E o que faz a defesa de José Sócrates perante evidências iniludíveis? "Não há factos! Não há factos!" , como se os factos fossem algo como os argumentos que de tanto repetidos se tornam a única verdade admissível.

E como se contrariam factos divulgados e se impede a sua divulgação? Amordaçando o mensageiro dos mesmos. No caso, o Correio da Manhã que do assunto tem feito notícia com proveito e exemplo.

Como isto não chega porque os factos estão espalhados já por tudo quanto é sítio e até os "jornais de referência" lhes pegam, com luvas alguns deles ( DN e JN) e outros por dever de ofício ( Público) torna-se necessário gizar outra estratégia que oculte de vez tais factos. Importa regredir para o olvido de um arquivamento a aguardar melhor prova ou pelo menos para um baralho de dúvidas em cascata que permita afirmar sem qualquer pingo de vergonha que "Não há factos! Não há factos!", enquanto se amealham mais uns cobres na conta de honorários, pagos já em esforço de angariação de fundos.

E então surge o inacreditável que com este indivíduo Inenarrável se torna plausível:


Esta estratégia de fuga para uma frente salvífica encontra obstáculos de monta num senso comum que já se tornou caso de humor. E este é o sinal de que a estratégia inacreditável está votada a um fracasso fragoroso: José Sócrates "auto-suicidou-se" politicamente e ainda não entendeu, ou como escrevia o inspector João Sousa, da prisão de Évora, no outro dia no mesmo Correio da Manhã e por outras palavras, José Sócrates acredita que é possível "dar a volta" a toda a gente com lábia e manipulação adequada.
Está enganado porque como dizia um político antigo é possível enganar muita gente algum tempo; pouca gente durante muito tempo mas ninguém o tempo todo.
E na fase em que está já nem sequer consegue enganar a pouca gente que tem. Os crédulos que ainda apresenta publicamente são simplesmente os cínicos que desvalorizam o que toda a gente condena. Política, moral e se calhar criminalmente.

Tal como dizia o visado há pouco tempo numa conferência do fala-só, o efeito da prisão já se produziu. Ao contrário do que referia, procurando associar o PS ao seu estado de coma político,  o efeito só ao mesmo deve imputar-se.
A justiça política já se fez; a moral tem vindo a fazer-se e a criminal espera-se que se faça, igualmente.
José Sócrates, kaput.
Do CM de hoje, crónica de Quintela.


7 comentários:

Maria disse...

Excelente exposição. Este tem lata, lábia e linha. Fui rebuscar um dito antigo que se aplica que nem uma luva à personagem em questão.

Analisando palavra a palavra: lata, tem a suficiente para encher uma casa de famíla; lábia, tem tanta que conseguiu atrair e enganar toda a gente de quem necessitou, em seu benefício exclusivo; linha... esta perdeu-a vai para décadas.
Em contrapartida e trocando os termos, a respectiva condenação "estará por uma linha".

Kaiser Soze disse...

Ontem vi o Sócrates ser apanhado na rua, de forma não orquestrada, pela TVI e dar uma nada preparada entrevista.

É um artista português.
Se o La Féria o apanha...

Karocha disse...

http://www.tvi24.iol.pt/videos/opiniao/o-que-conheco-transformou-a-minha-questao-de-fe-em-ciencia-nao-ha-factos/564fa2110cf2f001850a5581

Karocha disse...

E quando apanhar a barraca que foi o noticíario do dia 19 deste mês na SIC do tio chico também ponho José .

simon disse...

Não há factos, não há factos, é verdade, nem acusação... mas já deu para o PS perder as eleições, por mais que se cale a evidência, não de todo, me dirão, é claro, a vitória de pirrus da pafiosa não durou o tempo de uma borboleta do méxico, lá isso não.
E porém o partido mais votado, ainda assim, foi o PS, se sem o método de Hondt, do portas e do passolas, o psd não vai alé do sigundo lugar. Coisas da treta, ao fim, se atrasado e beato o pobo lá quer saber. Porém, é assim .

josé disse...

Atão a derrota do PS foi por causa do Sócrates...pois. Já devia ter perdido em 2009. Nunca teríamos a troika por cá, se tal sucedesse,

Alberto Sampaio disse...

Bom artigo, devidamente justificado.