Páginas

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

O percursor e precursor do reino do nunca ou o palafreneiro da utopia



Muito se queixam do regime que temos e anseiam por alternativas que poderíamos ter. Uma das mais auspiciosas já foi delineada a traço grosso em mata-borrão por inteligência rara chocalhada ab ovo.  Tem escrita de meste,  mas...o  que diz?

Aqui se pode ler, com o proveito  de se topar uma sumidade  rara que costuma apodar os demais como  indigentes ambulantes da mentalidade reinante. Ninguém lhe chega ao bestunto e  tudo lhe cheira a unto sempre que perde um trunfo.
O espírito superior é  arreigado ao distante e  vive nas nuvens evolando as ideias fantásticas do realismo etéreo em baforadas.

Em resumo,  teríamos um rei(zinho) e um governo de homens bons, com  um parlamento de partidos bem comportados,  a fazer de conta que fiscalizava esse  governo de homens bons, nomeado pela corte de  pajens do rei(zinho) de fancaria dinástica.

Portanto, em primeiro lugar e antes de tudo, impunha-se acabar com a balbúrdia republicana e escolher um reizinho. De banda desenhada porque hoje em dia, os reis andam pelas ruas das amarguras dinásticas.
Em vez do reizinho de O.Soglow, podia ser um dos nossos,  em louça das caldas mas capado a preceito para não deixar descendência com pés de barro. A  sua corte de  pajens emproados  na grande capacidade de sonho faria o resto. 

Tal como outros, estes palafreneiros da dona Utopia  alimentam-se de sonhos e também "pelo sonho é que vão"...de escada, agora rolante e sem  catapultas.

Logo, logo a seguir "os partidos até poderiam ser tolerados".  Tolerados por quem? Pelo reizinho com pés de barro, o que não seria problema.  E , claro,  pelos pajens vigilantes , os verdadeiros donos do trono, com olho para catar lesa-majestades. 

Teríamos por isso mesmo uma necessidade premente em organizar uma "formiga negra" que viesse pelo carreiro e se virasse para o formigueiro: "Mudem de rumo!", senão...Limoeiro ou galés a todo o vapor para as Berlengas. 

Depois de expurgada esta Nação indígena dos buíças encapotados surgiria, das brumas da memória e por efeito  de pós de perlimpimpim,  o alfobre caseiro de eleitos  adubados pelos bons costumes e altos valores sulfatados  por aspersão em balão,  dos eflúvios incandescentes brotados daqueles bestuntos,  permitindo  a colheita excelsa dos "homens bons". 

"Pessoas de reputada competência e probidade" seria o menu diário na refeição aristocrática de um parlamento vigiado pelos pajens do reizinho com o barro aos pés. 

O governo assim constituído "procuraria orientar a sua acção segundo um programa resultante das propostas maioritariamente sufragadas, todas elas devidamente subsidiárias ao interesse nacional. Entende-se por "interesse nacional" não o interesse de classe x ou y,  e sobretudo não o interesse do estrangeiro por delegação em classe x ou y, mas o interesse de Portugal (vivos, mortos, passados, presentes e futuros, gentes e terras)."
 
Quem definiria o "interesse nacional"? À falta de quem, surgiriam mais pajelas vigilantes embrulhados em  ceroulas com atilhos. 
A elite do novo regime, com o reizinho à dependura, saído das linhagens nobres inventadas à pressa, decretaria esse supremo interesse, por éditos proclamados em alta-voz em megafones  arrimados ao novo regime. 

Se o interesse nacional fosse definido em rejeição absoluta ao Mal que os americanos respiram, empestando o Universo, a grei teria que se submeter a um cordão sanitário e acrisolante  que evitaria as "mijeiras do imperialismo" e outras mistelas de fast-food com apelidos escoceses e ganga judaica. 

Regressaríamos à broa de milho e ao quartilho de tinto  com muito proveito e  honra nacionais. Afinal, o vinho chegou a dar de comer a um milhão de portugueses...e isso seria  todo um programa a que se seguiriam outros, gizados pelos "homens bons" que assentavam no governo de elite controlado pelo parlamento de circunstância comedida pela coorte. 

O que faria a grei neste tempo de iphone, facebook e  blogspot, google e intel,  tudo siglas do Maligno que apareceu em Bell? À míngua de cordão sanitário para aprisionar ondas hertzianas e números binários à solta, cortaríamos na ração de fibra óptica e passaríamos a criar pombos-correio. Navegaríamos de astrolábio e  replicaríamos o museu dos coches.  De outro modo teríamos sempre o Maligno em casa.  Os renitentes seriam confinados à Giena, lugar mítico onde os dragões põem ovos, e  fustigados com os  impropérios chocados.

 Se o interesse nacional fosse escolhido fora do euro, o trigo já estava limpo e viria logo a farinha amparo para acudir aos desvalidos, em boiões apanhados das árvores.

O Reino seria regido segundo as regras e leis essenciais à harmonia e progresso sociais, sem necessidade de redundâncias bizantinas nem labirintos jurídicos meramente movediços. Sinal de verdadeiro avanço no bem comum e no aperfeiçoamento cívico seria, em primeiro lugar, a redução das leis, e, de caminho, a redução dos impostos.

A "harmonia e progresso sociais" é sempre o mantra dos programas de todos os regimes e por isso este  reino da utopia serôdia não seria original,  o que seria sempre uma pena porque não daria para exemplo bastante de amostras fantásticas de frutos nunca vistos. 

Quanto às " redundâncias bizantinas" e outros  "labirintos jurídicos"  nunca tal seria problema de maior envergadura. A simplicidade das nossas leis foi inventada no tempo dos romanos, muito antes dos afonsinhos desse condado imaginário de um rei(zinho) de banda desenhada.
Os seus desenhos jurídicos sobre o direito de propriedade são simples como a noção da longa manus ou de enfiteuse. Os romanos eram uns rústicos da simplicidade legal e só a degenerescência jacobina atolou essa singeleza nos labirintos adversos aos pajens regeneradores da pureza do decálogo bíblico complementado pelo código de Hamurabi. Coisas simples ao alcance do entendimento de qualquer pajem que se preze.
Para um rei(zinho) de direito adivinho nihil obsta. Para os pajens a olhar para o palácio as leis seriam sempre de carregar pela boca. 

Quanto ao rei(zinho), poderia ser um bastardo? Poder podia, mas nunca seria a mesma coisa que um reizinho original com marca registada de origem.  Porém, sendo de fancaria, nunca se notaria. 

Entenderam agora, ó ignaros, onde está a salvação para o nobre povo e nação valente? 

Num príncipe novinho em folha de papel reciclado.    

Se tudo isto fosse tudo a reinar era divertida, a solução. Contudo quer parecer séria,  a questão. Daí que só a risota termine com esta anedota até que apareça o "Tratado" prometido para pôr a pedra no assunto.

Até lá fica aqui uma imagem do verdadeiro príncipe da fantasia e que também era valente e porventura imortal.  
 Saía aos Domingos no suplemento do  jornal Primeiro de Janeiro, no tempo da "outra senhora" que prescindia de reis e doutras utopias. 




23 comentários:

muja disse...

Para o que não passará de utopia e fantasia parece-me tinta a mais.

Será que quem desdenha...

Ou eram os utopistas e fantasistas que iam parar os PRECs que a democracia - que é o melhor que se já arranjou, Churchill dixit, mas não só - nesta realidade que nos asseveram ser a única, pelos vistos também pare? E agora sem quintos impérios ultramarinos, sem militares oportunistas, e com libardade em barda para os amanhãs que cantam...

muja disse...

Ou a culpa ainda cabe nas costas da outra senhora à conta das utopias de que não prescindiu?

Carlos disse...


...já só falta, o sr. calisto!

josé disse...

Quem desdenha quer comprar...uma bela fatiota de truão no reino da fantasia utópica.

Quem se disfarça de bardo para lançar chamas de irrelevância, deve apanhar os perdigotos.

BELIAL disse...

O reizinho" e "o estranho mundo de mr mum" - eram os meus favoritos do pj

Pode encontrar-se desenhos animados coevos, do reizinho, no youtube.

E já agora, os sobrinhos do capitão (mais o seu amigo inspector e a mamã).

Em banda desenhada vinham integrados na segunda parte da revista do carlitos (charlie brown)

Luís Bonifácio disse...

Lembro-me que para além do "Principe Valente" havia também "O REIZINHO".

Floribundus disse...

na qualidade de esmoler do actual regime social-fascista prefiro

'O Principezinho de Antoine de Saint-Exupéry'

da net
'O narrador da obra é um piloto com um avião avariado no deserto do Sahara, que, tenta desesperadamente, reparar os danos causados no seu aparelho. Um belo dia os seus esforços são interrompidos devido à aparição de um pequeno príncipe, que lhe pede que desenhe uma ovelha. Perante um domínio tão misterioso, o piloto não se atreveu a desobedecer e, por muito absurdo que pareça - a mais de mil milhas das próximas regiões habitadas e correndo perigo de vida - pegou num pedaço de papel e numa caneta e fez o que o principezinho tinha pedido. E assim tem início um diálogo que expande a imaginação do narrador para todo o género de infantis e surpreendentes direcções. «O Principezinho» conta a sua viagem de planeta em planeta, cada um sendo um pequeno mundo povoado com um único adulto. Esta maravilhosa sequência criativa evoca não apenas os grandes contos de fadas de todos os tempos, como também o extravagante «Cidades Invisíveis» de Ítalo Calvino. Uma história terna que apresenta uma exposição sentida sobre a tristeza e a solidão, dotada de uma filosofia ansiosa e poética, que revela algumas reflexões sobre o que de facto são os valores da vida.'

prefiro
apesar de nenhum pertencer ao meu mundo feito de objectividade
onde há pouco espaço para a fantasia

o Carnaval começou ontem com centenos de apoiantes.
uma mera questão de poia

Portas e Travessas.sa disse...

O boi mais velho ensina o mais novo a arar

E esta hem

Floribundus disse...

entrei para a escola a 20km da raia no começo da guerra civil de Espanha

andava na escola quando se iniciou a IIGG

nos anos 40 andava de comboio e machimbombo a gazogénio

percorria 20km a pé ou de animal de 4 para ouvir música em disco
porque a bateria do rádio só dava 40h

nas feiras comprava-se literatura de cordel

em casa lia jornais diários, revistas antigas, livros da família

comprava clássicos, Salgari, franceses de capa e espada, jornalecos infantis

nas intermináveis férias de verão andávamos pelo campo, tomávamos banho no Tejo

em 58 em Roma comia-se burro, feijão furado com proteínas animais

fiquei sempre um rústico

não engordei, não tomo ansiolíticos nem antidepressivos como os citadinos

o pugresso está no social-fascismo
embriagaram-se com tintol;
vou deliciar-me a ver a ressaca

zazie disse...

Que engraçado, José.

Agora, para completar a série do Primeiro de Janeiro, só falta o Coração de Julieta (ou era Dulcineia, não me lembro).

BELIAL disse...

E a dona gira, banzé - e o zé do boné (machista)

Não esquecer o moliére da silva, de domingo, no teatro atómico.

O zé do boné parecia-me o pedroto...o pedrotinho...

Memória errática, a minha.

josé disse...

Coração de Julieta, de facto. Amanhã...se tiver tempo.

josé disse...

Dona Rita e Zé Catita...também, mas no Diário Popular.

josé disse...

Mas o que eu gostava mesmo, ao ponto de se tornar mítico hoje em dia, era o Agente Secreto X-9, Corrigan.
As tiras diárias, só à semana, no Jornal de Notícias eram seguidas religiosamente. Foi assim que conheci que havia um mosteiro budista num lugar muito parecido com o Tibete.
Há pouco tempo comprei o álbum de recolha dessas historietas, integrais e andei à procura pela net, de quem vendesse o resto das aventuras dos anos sessenta até meados dos setenta. E encontrei...
Porém, a expectativa diária de ler as aventuras em tiras era outra coisa.

josé disse...

Essas aventuras tinham interesse porque eram desenhadas por um virtuoso do desenho chamado Al Williamson, depois de teremo sido por Alex Raymond.
Porém, o modo como Williamson domina a ilustração a preto e branco é fantástico.
Desse realismo fantástico gosto mesmo.

zazie disse...

Ah, mas esse era excelente. Também passou para o cinema em série B. E o Al Williamson era genial.

zazie disse...

É verdade, o link está errado.

http://dragoscopio.blogspot.pt/2015/10/para-acabar-de-vez-com-partidarite.html

josé disse...

Obrigado. Está resolvido.

Apache disse...

A música é bonita e os intérpretes virtuosos, mas…
É tarde e a “conversa” seria longa… talvez noutro dia.

Ainda assim, telegraficamente…
Parafraseando o Muja, que cita Churchill, a Democracia é a melhor forma de governo… quando alguns se querem governar.
Nos partidos políticos a democracia adquire o nome de “disciplina de voto”. Nas empresas chamam-lhe “opinião (vinculativa) do accionista maioritário”. Na tropa é conhecida por “voz de comando”. Até a natureza (esta é para o PAN não se sentir ostracizado) homenageia a democracia apondo-lhe o epíteto de “lei da selva”.

josé disse...

A democracia é de direita...ahaha.

hajapachorra disse...

Percursor é muito bom. Que percuta bem. Não passei do título, obviamente.

josé disse...

Já pode passar. Se quiser, obviamente, que isto não procura percutir ninguém e como precursão também não tem vocação. O lugar está tomado.

Aqui só se recortam percussões.

zazie disse...

Não passa porque parece que nunca tem nada para dizer. Apenas erros gramaticais a apontar.