Páginas

terça-feira, 18 de julho de 2017

Palermas, há muitos! E bloquistas de direita ainda mais...

Artigo de João Miguel Tavares no Público de hoje:


 A  notoriedade deste komentador residente no Público e na tv ( num programa que alberga Pedro Mexia e Ricardo Araújo Pereira, todos da mesma área político-intelectual, embora com o habitual disfarce daquele que nem precisa do falsete para mostrar identidade)   permite-lhe agora escrever sobre palermices no mesmo tom.

Atira-se ao "quase nonagenário" Gentil por causa da afirmação a propósito da "anomalia". Ora o komentador deste Bloco de Direita acha que dizer coisas destas, no seu entender palermices,  não assume importância porque o assunto está arrumado desde 1982, pelo menos. Foi nessa altura que por decreto imaginado pelo komentador a "a prática [da anomalia] deixou de ser criminalmente punida, em Portugal."
Por causa da afirmação arriscada fui ver ao código penal anterior a 1982 que vinha de 1886 e sofrera várias revisões ( mas não tantas como o novo já sofreu) se tal era verdade. Um mero fact-checking jornalístico. Azar! Confirma-se ser uma palermice do komentador, pois o código antigo nem do assunto se ocupava no capítulo IV, sobre os "crimes contra a honestidade".
Nem uma palavra no código antigo sobre a homossexualidade, ao contrário do actual ( de 1982) que lhe dá honras de cidadania para criminalizar a "homossexualidade com menores".
O antigo código não criminalizou a homossexualdiade ao contrário do que se propala nos fora da esquerda em bloco e que este komentador papagueia, apalermando-se como companheiro de caminho.
Mas nem é esse o ponto em mais esta palermice. O que Gentil disse foi o óbvio ululante ( expressão de Nelson Rodrigues, muito citado por este bloquista de direita): é uma anomalia que se pretenda perpetuar a espécie sem a natural contribuição do sexo oposto. E isso até os filhos deste bloquista de direita devem compreender e aceitar como natural, sendo anti-natural o oposto.

O lamento final do komentador acrescenta ainda outra palermice: o que o médico Gentil disse não é falta de respeito para com os homossexuais que agora serão legião, de acordo com os desejos destes novos convictos. É apenas senso comum sem a distorção do politicamente correcto. Respeitar a homossexualidade como opção pessoal é uma coisa que Gentil pratica. Promovê-la como se fosse a moda nec plus ultra da evolução humana é uma palermice final.  E assim ficamos.

A par disto, o editorial do Dinis, Dinis, alguém assim quis, é revelador do ambiente mediático que prolifera em Portugal. Gostaria é de saber o que o patriarca Belmiro pensa disto...e dos milhões que esportula para subsidiar estas ideias peregrinas que assentam como politicamente correctas:


Entretanto o Dinis, Dinis, alguém assim quis, deixou publicar esta ignomínia que o Livro de Estilo do Público recomenda. Porventura até terá o seu aplauso...
Imagine-se o que seria se em vez deste texto imundo fosse publicado outro com tendência homofóbica...verdadeira ou imaginada!
A esta hora o articuleiro putativo já estaria despedido da colaboração regular, pela certa.

15 comentários:

Floribundus disse...

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89101984000500002

«Nos últimos anos vem aparecendo, em quase todos os países ocidentais, solicitações feitas por grupos ou associações de homossexuais, os quais dirigindo-se às autoridades constituídas, à Organização Mundial de Saúde ou a um de seus sete "Centros Colaboradores Internacionais", para assuntos ligados a Classificação Internacional de Doenças (CID), desejam que seja retirado ou tornado sem efeito o código 302.0 daquela classificação. Este código refere-se a "Homossexualismo" e está incluído no Capítulo V: Transtornos Mentais.

Essas solicitações que, inicialmente, eram recebidas sem serem levadas muito a sério e até mesmo quase de uma maneira jocosa, foram se tornando cada vez mais freqüentes e passaram a ser apreciadas por Congressos Internacionais de Psiquiatria, algumas Sociedades de Psiquiatria, grupos de intelectuais, de cientistas e outros. Alguns países têm tentado solucionar a questão visto que certos problemas têm surgido, tais como aqueles ocorridos com imigrantes ou mesmo visitantes estrangeiros, que têm barrada, legalmente, sua entrada ou permanência no país porque tendo assumido plenamente a condição de homossexuais, estão contrariando as leis vigentes que impedem que portadores de transtornos mentais sejam admitidos no país. »

Floribundus disse...

outro trabalho

« As classificações internacionais recebem atualizações periódicas para adaptá-
las às mudanças conceituais trazidas pelos avanços científicos. Por exemplo,
homossexualidade[2-4]
, depois de receber diferentes nomes, deixou de ser um
transtorno e de constar da DSM3
-III-R em 1987 e da CID-104
em 1992 e o transtorno
de identidade de gênero passou a se chamar disforia de gênero[5] »

a paneleirada do cu arrebentado anda desenfreada

Floribundus disse...

3º e último

«RESUMO: A partir da atuação de grupos
LGBT cariocas, este artigo visa destacar
acontecimentos que marcaram suas trajetórias
e a história do movimento LGBT, como a
demanda pela inclusão da não discriminação
por orientação sexual na Assembleia
Nacional Constituinte (1987), a Marcha pela
Cidadania Plena de Gays e Lésbicas, após
a 17ª Conferência da International Lesbian
and Gay Association (1995) e a criação do
Programa Estadual Rio Sem Homofobia
(2007), entre outros. Ao longo do processo
histórico, o movimento LGBT lida com as
noções de pecado e doença associadas à
homossexualidade, os crimes de homofobia
e a relação entre saúde pública e direitos
humanos. Como sujeito político, constrói seu
próprio caminho ao denunciar a violência e a
homofobia, demandando por reconhecimento
e respeito quanto à orientação sexual e à
identidade de gênero, e seus direitos.
Palavras-chave: LGBT, movimento
homossexual, direitos sexuais. »

levem no cu e não me chateiem

já aqui publiquei o artigo
'levar no cu'
onde se referiam os perigos

zazie disse...

É só lavagem cerebral e gostinho de perseguir.

Eles é que já nem respeitam os mais velhos.

Unknown disse...

Mas só no chamado "ocidente"...

Ricciardi disse...

O pessoal da velha direita extremada usam e abusam da agressividade verbal. Eu não digo que seja uma anomalia, porém.
.
Eu faço o possivel por evidenciar isso, modestamente, e, até, confesso, para que isso aconteça. Parabéns portanto.
.
Isto é tão simples para mentes despoluídas que chega a ser cómico ler alguns artigos.
.
Então, vejamos, seria lícito um político relevante poder afirmar que os padres católicos são pedófilos e homossexuais.

Não é lícito. É verdade que há padres pedófilos. É verdade que há padres homossexuais. Mas isso não dá o direito a acusar o grupo, muito menos a incitar comportamentos anti padre.
.
Rb

zazie disse...

Toda a gente já percebeu que tu és melhor pessoa. Passas a vida a contar isso em público.

Neste caso aproveitaste logo para a rábula do Filisteu a provar como és melhor pessoa que o Gentil Martins por teres tido berço e ele não

Pena que depois do berço apenas tenhas conhecido o quarto das prendas. Escolaridade nem a viste.

":O))))))))))))

zazie disse...

Há mentes que até fazem corrente de ar, como diria o Groucho. São as mentes do "pessoal mongo".

João disse...

Os que pedem respeito e se ofendem são os primeiros a ofender. Não sei se já viram mais esta imundície do pasquim da extrema-esquerda:
http://p3.publico.pt/actualidade/sociedade/24103/uma-gentil-noite-de-amor#.WWy-zKg9WZw.facebook

joserui disse...

Eu desconfio que o próprio berço foi uma prenda…

joserui disse...

Caríssimo, se lesse o post teria visto que já vimos.

joserui disse...

Quanto ao Tavares que dizer mais? É mais um da direita que temos e apalermado. Enfim um sacanita.
O Pedro Mexia anda em más companhias, espero que não se perca.
Quanto ao pasquim, um antro de estupidez atroz e um covil do que de pior existe por cá.

Apache disse...

Estas palavras do Dr. Gentil Martins vão de encontro ao que há dias aqui escrevi. Quase só os septuagenários, octogenários ou mais velhos, na área científica, têm a coragem suficiente para vir a público expressar-se contra a ditadura do politicamente correcto, sobretudo quando esta atropela factos científicos. A natureza tem como prioridade a preservação das espécies, a opção pela homossexualidade, põe em causa esse objectivo, logo, porque é o contrário da normalidade, é anormal. Parece simples, excepto para os mesmos de sempre.
O respeito pela pessoa humana que o homossexual é, não está (a meu ver) em causa. Mas a prática não pode ser respeitada porque é contranatura, muito menos publicitada como é moda.

Apache disse...

Quanto ao articulista, de quando em vez escreve qualquer coisinha de jeito. Cada vez mais raramente. Um pouco como o seu companheiro de programa, Ricardo Araújo Pereira, às vezes tem graça, mas cada vez menos.

Maria disse...

Excelente comentário Apache, o de 20/7 à 01.16 Parabéns.

Como aliás é a norma. Há duas ou três semanas também escreveu um brilhamte comentário, que eu subscrevia na totalidade, infelizmente não anotei nem dia nem a hora. Os dias passaram e já não sei onde ele pára. Fica aqui esta pequena nota para sua informação.

Quanto ao Tavares é estúpido e o Dinis estúpido é.