Páginas

segunda-feira, 31 de julho de 2017

Um antigo responsável da TV diz: "a tv em Portugal é toda uma mesmice"...

 Sol, José Fragoso:

 Há falta de imaginação na televisão?
Muita, na televisão, na rádio e também na imprensa. Diz-se que hoje em dia as pessoas lêem menos, mas não é verdade. As pessoas lêem é outras coisas. O jornalismo hoje em dia tem muitas cumplicidades, não se percebe porque há pessoas ligadas a determinados eventos perniciosos que estão à solta em Portugal. É que passámos por um período de crise em que as pessoas foram obrigadas a fazer um esforço tremendo com reduções de ordenados, trabalhos precários, e depois assistimos a bancos que foram à falência porque emprestaram milhares de milhões não se sabe bem a quem e com que garantias, quem emprestou o dinheiro, e ninguém vê essas caras. A verdade é que a imprensa não deu o devido relevo a essas coisas. Parece um passador de milhares de milhões de euros como se isso fosse uma coisa normal. Uma ponte Vasco da Gama custou dois mil milhões de euros. Nós hoje falamos de sete mil milhões, quatro mil milhões… O público que nos vê, ouve ou lê, tem essa consciência. E quem tem de fazer sacrifícios para voltarmos a ter alguma estabilidade não vê esse sacrifício em quem gastou milhares de milhões. É certo que há uns casos em julgamento, mas é muito pouco. Continuamos sem saber para onde foram esses milhares de milhões. É uma ofensa mesmo no campo moral e de Justiça. Acho que a imprensa não dedica tempo e espaço a esses casos, até porque alguns grupos de comunicação social vivem em cumplicidade com essas pessoas. O leitor não é burro e penaliza. Os jornalistas se querem ter credibilidade têm de perceber se estão a trabalhar para o público ou para super potências  económicas ou para os lóbis políticos. Isto é válido para todos os meios.
Mas acha que os jornalistas trabalham para esses lóbis?
Em muitos casos, sim. Nalguns casos de forma inconsciente, noutros de forma consciente, acabam por cobrir esse jogo. Por exemplo, os jornalistas de economia andaram a dormir muitos anos. Isso é óbvio. Se o que se passou em Portugal, com a dimensão que teve, em que um conjunto de bancos foram ao tapete e os jornalistas não viram é porque estavam distraídos com outras coisas. Podia-se dizer que apanharam uma situação, e falharam outras. Mas não é verdade. Não apanharam nenhuma.
E por que acha que não apanharam?
Porque estavam distraídos com outras coisas ou estavam a trabalhar noutras áreas, a dar espaço a outros projectos que não tiveram viabilidade. Era importante que fizessem um reset e se perguntassem onde é que andaram durante esse tempo todo.

Comentário:

Uma mesmice e uma corrupção moral generalizada.

6 comentários:

Floribundus disse...

estão na quase totalidade ao serviço de alguém que lhes paga o 'ordenhado'

as notícias fabricam-se ao gosto do pagador

são os
'novos cães de guarda'
mencionados por Serge Halimi

Floribundus disse...

Net
«A procuradora-geral da Venezuela, Luisa Ortega Díaz, afirmou hoje que ordenou uma investigação por crimes contra a humanidade que considera terem sido cometidos após a convocatória da eleição para a Assembleia Constituinte.»

por cá anda toda a esquerda a escorregar na bosta

os poucos que reagem são trucidados por gente como o gnomo dos domingos

conte o que deixou num comentário

joserui disse...

Hmmm… não houve pelo menos um que viu e foi logo saneado da Exame? O Camilo Lourenço se não me engano. A propósito do BPN. Essa maltosa, tem eventualmente dois problemas: alguns precisam de trabalhar para viver; outros habituaram-se a vícios e precisam de os alimentar. Não vão andar acordados quando lhes pagam para andar a dormir.

muja disse...

Un journaliste (...) c'est soit une pute, soit un chômeur.

joserui disse...

Hehehe… o Muja mais um bocadinho e está a brutalizar a CNN.

António Rosa disse...

"...soit une pute , soit un chômeur..." .....qouique très souvent il y ait une superposition
de rôle...