Páginas

domingo, 25 de fevereiro de 2018

O jornalismo hipócrita, sempre, sempre a par do que vende

O director geral editorial do Correio da Manhã, Octávio Ribeiro é um jornalista  polémico que agora está na berlinda e é atacado por um grupo de cágados que pretendem domesticar o jornalismo caseiro, colocando-o sempre ao serviço dos seus interesses.

Octávio Ribeiro explica hoje em pequeno editorial a sua concepção de jornalismo: sempre, sempre ao lado do povo e contra o poder. Huummm...desconfio destas proclamações porque são sempre hipócritas.
O jornalismo que Octávio Ribeiro pratica é mais simples de entender: sempre, sempre ao lado daquilo que pode dar lucro e portanto vende exemplares. Normalmente é ao lado do povo, ou seja do contra-poder e junta-se assim o útil ao agradável. Mas nem sempre é assim e algumas veze não é nada assim.
Esta acefalia ideológica e mera obsessão pelo lucro conduz a uma certa desumanização e desleixo informativo, próximo do fenómeno feiquenius porque não deixa de respeitar o politicamento correcto e ao mesmo tempo reduz a sociedade a fenómenos isolados e a fait-divers, sem contexto explicativo quando noticiado por quem o não conhece e são muitas essas ocasiões.

As notícias sobre justiça, para me cingir este assunto, resumindo factos e relatando acontecimentos deveriam sempre reflectir um contexto e enquadramento que as torne compreensíveis para todos mormente pelos destinatários, ou seja o tal povo, ou cidadãos ou os que "sofrem a História", eufemismo que o editorialista prefere.  Tal só é possível se o jornalista o entender e para isso é preciso saber e não apenas relatar o que lhe parece, como acontece na maior parte dos casos. E este "parece" pode não ser a realidade que deveria ser apresentada, daí o aparecimento da fakenews, inevitavelmente.
Portanto, não se trata de algo contra a alegoria da caverna, o jornalismo do CM,  mas exactamente isso que fica em marcha muitas vezes e é dado à estampa: a notícia falsa, parcialmente falsa ou completamente distorcida da realidade. Uma sombra da verdade, por isso mesmo.
E em nome de quê? De quem sofre a História? Não. Em nome das vendas, apenas e tão só. Fraco desígnio.


Na revista do CM aparece outro articulista a escrever sobre a excelência do jornalismo de investigação e lá vem o sempiterno caso do Watergate. Parece que em Portugal não temos exemplos, mas temos: António Balbino Caldeira e alguns amigos descobriram sozinhos que José Sócrates tinha concluído uma licenciatura a um Domingo, tornando-a suspeita ipso facto. Quem pegou na altura no assunto?
Octávio Ribeiro não. E já era jornalista há muitos anos. Foi José António Cerejo que lá conseguiu convencer o então director do Público, José Manuel Fernandes da importância do assunto, dois anos depois de se saber.  Se fosse hoje, com o Dinis, Dinis alguém assim quis, era notícia capada à nascença. Seria o CM a publicar o assunto? Duvido...



Portanto, deixem lá o caso Watergate, aprendido nas actuais madrassas do jornalismo e dêem atenção ao que é nacional e é bom. Melhor ainda: pratiquem. Lá no sítio do mesmo autor, Do Portugal Profundo há meses largos que tem outra notícia do género e a quem ninguém do jornalismo nacional pegou até hoje: o apartamento de António Costa na Avenida da Liberdade e o que se lhe seguiu.

Porque é que o jornalismo nacional não pega neste assunto? Precisamente pelo mesmo motivo por que não pegou no outro: em quem está a mandar não interessa para já incomodar. Pode prejudicar-nos e é uma chatice...

Portanto, jornalismo deste, sempre sempre ao lado de quem sofre a História, não é?

Deixem-se de hipocrisias e tenham pudor!

5 comentários:

Floribundus disse...

o jornalismo de esquerda observa a sociedade com o 'olho' mencionado por Aristófanes

todos usam e abusam da palla

com a dívida os contribuintes
'vão para o Maneta'

Floribundus disse...

além da caverna de Platão
existe a de Zaratustra

o Sol que nos
'elimina'

Floribundus disse...

Prof Balbino



O contexto atual para a intervenção patriótica é muito desfavorável:
uma cultura envolvente de dissolução social;
uma Igreja muda e batida internamente pelo ventos do tempo incerto;
um ataque sistemática à criação popular de riqueza no turismo;
uma pressão fiscal insuportável sobre as empresas modernizadas, adaptadas ao palco da moeda forte, e internacionalmente competitivas pelo efeito acumulado do avanço educativo do País, passadas três décadas de crise económica estrutural;
os meios de comunicação sujeitos ao poder político corrupto;
um governo socialista-comunista vai consolidando suavemente a sua agenda cultural;
um presidente que parece reconvertido da tentação mefistofélica que o desorientava, mas que não governa.
os partidos da pós-direita conluiados com o poder político da esquerda, nos negócios da bancocracia, dos contratos de Estado e dos subsídios;
a ocupação do aparelho de Estado pelos militantes dos partidos de esquerda, tal como em 1975;
a domesticação gramsciana das organizações da sociedade civil;
o previsto derrube da independência judicial.

joserui disse...

Este jornalismo caseiro aprende com Watergate e anda de Watergate ao peito, porque é um jornalismo grande demais para pequenos casos como o 44 ou o Costa, ou o mencionado derrube da independência judicial. Cúmplices de tudo e mais alguma coisa. É jornalismo com j muito pequenino, mas gostam de se sentir grandes.

josé disse...

E do Posto, olálá! Do Post que isso é que era...

Aqui em Portugal não há casos desses e nas madrassas as professorecas de jornalismo nem os conhecem. Só conhecem o Watergate. De verem o filme, porque nem leram o livro. Foi editado há muito (74, pela Bertrand) e está esgotado. Logo tem o filme. Agora, sobre o Post tem o filme que vão comprar em dvd para mostrar nas madrassas como é que se faz jornalismo. Lá fora...