quinta-feira, 14 de novembro de 2019

Cravinho e Constâncio: o mesmo paradigma que é o do PS corrupto

João Cravinho o ex-mes do PS que foi governante socialista logo nos primórdios das nacionalizações e bancarrotas e José Sócrates empurrou para cima em 2007, corrompendo-o com  um emprego de luxo num banco europeu, para o afastar e evitar incómodos desnecessários, escreveu uma longa carta à Sábado desta semana.

A carta é serôdia qb porque se refere a assunto com meses e anos em cima e tem como alvo principal a figura de homem e profissional do general Garcia dos Santos. É uma carta ignominiosa, sem qualquer vergonha que apoda do general de mentiroso, aldrabão e relapso na "torpeza abjecta".

Tudo porque o general ao longo dos anos denunciou o antigo governante Cravinho como um "compõe" do PS que contemporizou com a corrupção que ele próprio sabia existir na JAE e para a combater o tinha nomeado para tal empresa pública quando ainda era toda do Estado e lá andavam uns famigerados sete magníficos, com apelidos como Botto e Maranha.

O assunto foi glosado neste blog algumas vezes, sempre para traçar o perfil de Cravinho que me parece um habilidoso cuja honra se desvanece perante o general Garcia dos Santos, perante o seu percurso profissional e pessoal, mormente aquela história de 2007. Enfim, aqui fica o artigo, esperando que o general não se fique e lhe responda como deve ser. Estas pessoas estão habituadas ao poder de um certo PS que consegue sempre arranjar lugares de emprego para certas pessoas, a mais de vinte mil euros por mês, como é o caso. Só nisso, o general lhe ganha em honra, por longa distância ...



Lendo bem, tudo tem a ver com uma frase já por aqui comentada e que vinha inserida numa entrevista ao jornal i, já de 2012 ( a honra de Cravinho defere-se no tempo e carece de mais de dez  anos para ser defendida o que faz suspeitar dos motivos desta defesa a destempo, na Sábado de hoje...):

Assim, como explicava o general Garcia dos Santos, em 24.4.2012, numa entrevista ao jornal i e que em 2009 já tinha sido referido. Muito a tempo de parar a loucura Sócrates que estava instalada e conduziu a outra bancarrota, em 2011:

Quer outro exemplo? As auto-estradas, as Scuts. Eu tive uma conversa com o engenheiro Cravinho em que ele me disse que ia pôr a funcionar as Scuts. Eu disse: “Ó senhor ministro isso é um tremendíssimo disparate!”. A Scut é uma invenção inglesa, ao fim de pouco tempo os ingleses puseram aquilo completamente de parte, por causa do buraco que era previsível. Mas disse-me que o assunto estava exaustivamente estudado sob todos os aspectos, técnico, financeiro. Está à vista o buraco que são as Scuts.

Jornal i- E as PPP?
Garcia dos Santos- É a mesma coisa.

Jornal i-Quando saiu da JAE denunciou uma situação generalizada de corrupção. Acha que as PPP também se integram nessa situação? O Tribunal de Contas diz que houve contratos que lesaram o interesse público...
Garcia dos Santos-Tem que se admitir a possibilidade de haver ali corrupção, e da forte. Como é que se atribui a uma determinada entidade certos privilégios que não seriam naturais? É porque se calhar há alguém que se locuptou com alguma coisa. Infelizmente, outra coisa que funciona mal no nosso país é a justiça. Nunca chega até ao fim.

Jornal i- Foi colega do eng. João Cravinho no Técnico…
Garcia dos Santos-Foi por isso que ele me chamou para ir para a Junta. Sabe o meu feitio e quis que eu limpasse a casa.

Jornal i-Mas o que é que aconteceu? O eng. João Cravinho chama-o para limpar a casa, o senhor limpa, e depois zangam-se. O que se passou?
Garcia dos Santos-Fomos colegas no Instituto Superior Técnico. Houve um jantar de curso e nesse jantar o Cravinho a certa altura chama-me de parte e diz: “Tens algum tempo livre?”. E eu disse: “Tenho, mas porquê?”; “Eu precisava de ti para uma empresa”; “Que empresa?”; “Agora não interessa, a gente daqui a uns tempos fala”. Passado uns tempos chamou-me e disse-me: “Eu quero que vás para a Junta Autónoma das Estradas, mas não digas a ninguém que o gajo que lá está [Maranha das Neves] nem sonha”. O Cravinho deu-me os 10 mandamentos do que eu precisava de fazer na Junta, limpar a casa, obras que era preciso fazer, etc. Entretanto, comecei a conhecer a casa, dei a volta ao país todo e um dia disse-lhe: “Há aqui uma série de coisas que é preciso fazer e há 11 fulanos que é preciso pôr na rua”. Ele retorceu-se, chamou-me daí a dois dias, disse que era muito complicado. O problema é que era através de uma das pessoas que eu queria pôr na rua que passava o dinheiro para o PS.

Cravinho é um indivíduo que não me merece nenhum respeito e já o disse porquê, no perfil traçado desde 1974: é da mesma índole moral de um Constâncio, que me parece miserável: sabe da corrupção, aparece como paladino na luta contra a mesma, há mais de vinte anos e ainda assim quando tem os instrumentos necessários e suficientes para fazer alguma coisa, recua. tergiversa, manda outro no seu lugar fazer o trabalho sujo  que era limpar a JAE e aceita depois um lugar principescamente pago num banco europeu, corrido que foi pelo corrupto-mor deste país, segundo o MºPº que o acusou no processo Marquês.

Cravinho? Enfim...tem agora o filho no governo e se a acha sai à racha é melhor que maria não saia à sua mãe.


Sem comentários: