quarta-feira, 23 de junho de 2010

A anormalidade do Estado de Direito

Ricardo Rodrigues, deputado do PS e integrante de comissões parlamentares, acaba de ver levantada a sua imunidade de deputado.

Como lhe competiria, deveria suspender toda a actividade como representante de quem o elegeu. Afastar-se. Apagar-se dos focos dos media. Eclipsar-se para a ilha. Desaparecer da praça pública da democracia.

Como seria de esperar, nada disto vai fazer, este autêntico "mão leve" da democracia que temos. Há quem lhe chame "pena branca", demasiado brando como epíteto para um comportamento inacreditável e filmado pelos repórteres da Sábado. Faltou escamotear essa prova, mas como é sabido, o diabo tapa com uma mão mas descobre com ambas.

5 comentários:

Milan Kem-Dera disse...

"Eclipsar-se para a ilha."

Isso, de preferência, em dia de "mau tempo no canal"... e que fosse ao fundo! Bem ao fundo e não voltar!
O ar do continente ficaria assim mais limpo e respirável, com menos um a exalar aquele cheiro infecto e pestilento da seita que o acolheu.
Sempre seria um a menos...

João Gonçalves disse...

Da Sábado, da Sábado.

josé disse...

Tem razão. Já mudei.

100anos disse...

O gamador de gravadores digitais é uma das figuras mais inacreditáveis deste regime, desde sempre.
O facto de tal indivíduo ter o estatuto que tem leva-me a pensar que estamos em final de ciclo - é uma espécie de gótico flamejante da democracia à moda do PS - o desespero faz perder as estribeiras a quem tem um carácter fraco e esse cidadão tem um notório défice de carácter.

Mani Pulite disse...

OS DOIS PINTOS E O RODRIGUES DEVIAM SER EXILADOS PARA AS SELVAGENS.EM REGIME DE MÉNAGE À TROIS.

Os governantes no antigo regime