domingo, 27 de março de 2011

Um panfleto romântico

Vasco Pulido Valente escreveu hoje no Público uma crónica sobre o tempo que passou desde os anos 50 até ao 25 de Abril e de então até hoje.

VPV diz o óbvio: "no 25 de Abril Portugal era ainda um país muito pobre". E não tem boas memórias desse tempo. A Universidade não prestava, para VPV ( "não se aprendia nada, na Faculdade de Letras", por exemplo) , e "o dinheiro não sobrava". E havia " a horripilante televisão de Salazar e Caetano".

Estas ideias, replicadas continuadamente pelo pessoal da Esquerda que herdou o regime de Salazar/Caetano, e lhe deu o destino que temos em vista, situam VPV no campo específico dos apaniguados da situação. Uma posição pouco invejável para um crítico social.
Quando um escriba de mérito, como VPV, relega o Portugal de Salazar/Caetano para o limbo das misérias e desgraças sociais, está a reduzir o campo de visão para colher e salientar o "horripilante", em detrimento da visão alargada de um conjunto de fenómenos sociais que espelham melhor a realidade então vivida.

VPV escreve como os neo-realistas do Esteiros e Portugal era tão neo-realista quanto os italianos do tempo dos feios, porcos e maus ou dos filmes de Rosselini. VPV em 1 de Fevereiro de 1985 escreveu na Grande Reportagem (uma revista que congregava António Barreto, António Pedro-Vasconcelos e Filomena Mónica, entre outros e que aparecem todos na biografia de Filomena Mónica, o seu auto-retrato...) sobre os livros da sua vida e fatalmente sobre o Esteiros de Soeiro Pereira Gomes. Achou-o então um livro que pertence " à família mais nobre dos grande panfletos românticos contra a injustiça burguesa". E que se integrava "no conjunto de jeremíades a que se deu o nome de neo-realismo."

Tal como o seu escrito de hoje. E nesse escrito de então dá a imagem da sua ideologia: " No horrível silêncio de 1941, os Esteiros aparecem e a minha mãe comprou-os. Em 1953 ou 54 o livro estava lá em casa, como não estava em casa de outra espécie de portugueses. Não levei tempo a aprender que havia "nós" e havia "eles"; os que conheciam e se importavam com Gineto e Gaitinhas, e os que não conheciam nem se importavam.
Após longas peregrinações, continuo a ser de "nós" e não "deles" e, à medida que envelheço, cada vez gosto menos "deles".

Provavelmente, mais de 25 anos depois, "eles" ficaram cilindrados já na memória de VPV. Como se nota no seu escrito de hoje.

Quem fica a perder é a História. Melhor: a História "é um carro alegre, cheio de um povo contente que atropela, indiferente, todo aquele que a negue".

Como VPV faz no seu escrito revisionista, de hoje.

12 comentários:

zazie disse...

É um fenómeno esquisito e não se percebe o motivo.
O VPV sempre foi lúcido e sabia ter ironia para se desmontar a ele e a outros que se imaginavam grandes escritores britânicos a viverem em Caqmpo de Ourique.

Mas, o que me diz deste pascácio?
http://www.guardian.co.uk/commentisfree/2011/mar/25/portugal-king-jose-socrates-golden-age

(eu digo que ele papagueia o mesmo, escrevendo mil vezes pior).

joserui disse...

Mas isto do VPV vem a propósito de quê? Faltar-lhe-á assunto?
Já há uns tempos que começo a achar que 2 e 2 não são 4 para aqueles lados. Deve ser muito cigarro e muito copo... os neurónios destruídos não voltam. Mas é pena. -- JRF

zazie disse...

Vem a propósito do mesmo de sempre: inventou-se estrangeirado.

Isto já é sound byte universitário. Não há cursinho de História onde não se ensine a mesma historieta. E depois vão fazendo upgrades da Bonifácio ao Rui Ramos.

zazie disse...

Mas eu ia jurar que já lhe tinha lido aquela passagem dos Esteiros de outra forma.
Foi nas crónicas que passaram a livro e tenho-o para aí.

Posso estar enganada, mas aquele "eles" não era o mesmo.

josé disse...

Hoje vem um artigo no Público sobre a História e o modo como a contam os manuais.

O CES de Coimbra do incrível Boaventura Sousa Santos parece que quer reescrever os manuais à sombra do multiculturalismo.
A sério. Vou escrever.

josé disse...

Os "eles" eram os que não tinham o Esteiros...parece-me.

joserui disse...

"do incrível Boaventura Sousa Santos"
Hehe. Não se pode ganhar. Enquanto esta tropa não desaparecer da vida portuguesa, se isto mudar nos próximos 40 anos, vai ser para pior. Coitados dos meus filhinhos. Tão pequeninos ainda. -- JRF

zazie disse...

Não sei. O exemplo era ligeiramente diferente. Se encontrar coloco aqui.

zazie disse...

Ok, está certo, pois. Li mal e pensei que ele tinha dito isso hoje na crónica.

Vem no "Às Avessas" e é mesmo isso.

zazie disse...

"Os Esteiros revelaram-me o país habitualmente escondido dos que trabalhavam e sofriam. Não vale a pena notar que entretanto não ardi na paixão da justiça. Só que também não se nasce impunemente onde se nasce.

E mais à frente tem a passagem que o José citou.

josé disse...

A passagem é da revista Grande Reportagem. E as palavras em bold também lá aparecem assim.

Ando a reler a GR que tem vários números da segunda metade dos anos oitenta. Um deles tem o Ernâni Lopes na capa, com a frase: "Acabou o fado".

No meio tem três páginas com o resumo do nosso acorde de adesão. Um mau acordo. E que nos estragou a vida económica nos anos a seguir.
Vamos agora pagar esses erros.

zazie disse...

Na compilação vem em itálico.

Só o José com arquivos desses.
ehehehe

A sério, mete inveja à Hemeroteca.

A viagem da Apolo 11 nos media