quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

O Ultramar que foi nosso

A revista Observador de 19 de Outubro de 1973 publicou uma série de páginas sobre um dos então considerados "grandes problemas nacionais". No caso, a "política ultramarina". Foi assim e para quem acha que o Ultramar foram sempre colónias e que a descolonização foi uma obra humanitária em prol dos interesses dos povos africanos autóctones vale a pena ler o que então se pensava em Portugal sobre o assunto.
Era esta perspectiva que gostaria de ver pelo menos abordadas em documentários e ensaios sobre o assunto que hoje se publicam. A chamada descolonização provavelmente seria inevitável em atenção ao ar do tempo que nos anos setenta se fazia sentir no Ocidente. Porém, sobre o modo como a mesma se processou e quem a protagonizou, há que não hesitar em classificar a mesma  e os mesmos ( particularmente a Esquerda portuguesa, do MFA comunista até aos socialistas Almeida Santos e Mário Soares) como tendo sido, no mínimo tragica e provavelmente criminosa em termos de direito penal.

Há quase 40 anos que carregamos este fardo de aguentarmos com o revisionismo histórico e com a noção propagandeada de que não havia alternativa ao que sucedeu. Havia e para isso seriam precisos Homens de Estado, com estatuto de dignidade que aqueles não tiveram.
Uma das heranças negras que herdamos dessa gente foi esse processo que se desenrolou a par do PREC. Uma tragédia nacional, foi o que nos sucedeu. E toda a gente dos media entende que foi um happening e uma alegria, uma "festa"...e essa ainda é a maior tragédia que nos atingiu como povo.



1 comentário:

mujahedin مجاهدين disse...

Este é dos melhores que aqui tenho visto José. Até é uma pena que passe um bocado despercebido no meio de tanto "material".

Para além de ser a melhor síntese e exposição do problema ultramarino que já li, é em si mesma uma refutação daqueles que dizem que não se podia "falar":
sem nunca questionar a defesa dos territórios, não são poucas as críticas que se fazem à actuação portuguesa, hodierna e ao longo dos séculos, e à do Governo nos tempos mais modernos.

Verdadeiramente excepcional, nos dias de hoje. Vou passar isto a texto digital, juntamente com as fotos, José. É demasiado bom para não ser indexado.

Tinha um link para lhe mostrar, mas mostro-lho no do Soares em Londres mais acima, que é mais a propósito.

Obrigado por isto. É muito mais que serviço público: é serviço à Nação.