segunda-feira, 16 de abril de 2018

Salazar, o povo, os seus inimigos e as mistificações esquerdistas



Irene Flunser Pimentel, divulgadora de livros sobre Salazar e que é doutorada em História foi entrevistada pelo Diário de Notícias de Domingo a propósito do mais recente lançamento: Inimigos de Salazar.
O entrevistador João Céu e Silva, que se revela ideologicamente muito próximo da autora,  faz da entrevista um monólogo socrático em que a finalidade principal é demonstrar o quanto foi horrível o regime do Estado Novo.
Para tal nem hesita em amalgamar o período de 1968 a 1974 como perfeitamente inserido no regime porque afinal, para a autora do livro, com a complacência do entrevistador , " o seu regime perdurou com a maioria das suas principais características, embora com algumas diferenças, com Marcello Caetano". Assim, de uma penada junta-se o  fassismo salazarista ao  marcelismo primaveril, numa extensão útil e agradável e o rigor histórico que se lixe.
E quem não salta com essa dança macabra é reaccionário e  portanto desprezível como comentador.

Para que não se diga que a autora é historicamente míope lá vem a justificação de que afinal " os que se opuseram a Salazar- uma minoria dos portugueses, que por isso foi reprimida e perseguida- tentaram por formas diversas  que fosse derrubado. O que não significa por si só que todos quisessem instaurar a democracia".

Ora aqui é que bate o ponto sem nó.  Quem é que efectivamnte queria a tal democracia dos que se opuseram a Salazar e ao salazarismo? Melhor ainda: é ou não verdade que Marcello Caetano estava mais próximo da democracia ocidental como a conhecemos do que alguns dos que se diziam democratas? E não era seu desiderato fazer a transição de um regime autoritário para um mais participado pela oposição? E tal não sucedeu em concreto com diversas medidas tomadas durante os mais de cinco anos que esteve no poder? E que só a guerra no Ultramar tal impediu?
Neste contexto, falta por isso incluir Marcello Caetano no lote dos inimigos de Salazar...o que é verdadeiramente um incómodo para estes historiadores da pacotilha marxista que assim ficam desalmados no seu antifassismo primitivo.

A história do Estado Novo, para estes divulgadores é quase a história que o PCP faz desse tempo, sem tirar nem pôr. Et pour cause, uma vez que estão ideologicamente próximos dessa esquerda comunista e por isso comungam do ideial. O socialismo democrático de que muitos se reclamam não conseguiu ainda destrinçar com segurança ideológica o que é o verdadeiro fascismo das características intrínsecas ao que era o Estado Novo e reage pavlovianamente a tudo o que seja poder político anterior ao 25 de Abril de 1974. Não há subtilezas naquela narrativa porque senão ficavam sem narrativa.

Estes historiadores precisam de Salazar como se de pão ideológico se tratasse e alimentam-se com essas mistificações.
Por exemplo, nunca dizem que Salazar foi fascista, uma vez que seria uma enormidade. Mas dizem que o Estado Novo era fascista. Ou seja, o fascismo, contra Salazar...

A amálgama histórica que completam com a elipse dos anos posteriores à morte de Salazar e à Primavera marcelista torna-se por isso comparável à nossa "primavera de praga" na medida em que  para o esquerdismo vigente o regime se manteve intocável,  mesmo com as mudanças aparentes e reais na sociedade e na estrutura do poder. Porque é que isto sucede? Mais uma vez por empréstimo ideológico do PCP. O fascismo, para o PCP,  é assimilável a tudo o que mexe na sociedade capitalista de tipo ocidental com um mínimo de controlo sobre os seus inimigos, no caso o PCP.
A Alemanha do pós guerra proibiu o partido comunista. Logo,  regressou ao fascismo porque reprimiu quem os queria libertar de vez do capitalismo.
 Na boca suja do PCP e dos seus instrumentos da verdade  como direito concedido por eles, todo o regime que os afaste do convívio político é fascista. A Inglaterra é um país eminentemente fascista por isso mesmo. Os EUA evidentemente. Até têm lá a CIA...imagine-se!

O mais irónico nestas mistificações permanentes e apadrinhadas por toda a esquerda, incluindo a bempensante do socialismo democrático, como é o caso do entrevistador, é a circunstância nunca explícita ou sequer subentendida que confronta o PCP com a sua realidade histórica e ideológica.

O contraponto para a vituperação do regime de Salazar como fascista nunca se faz relativamente ao que é verdadeiramente a alternativa desejada pelos comunistas de sempre e desde a Revolução de Outubro: um regime verdadeiramente ainda mais fascista, socialmente comprometido com um totalitarismo insuportável e que conduziu inevitavelmente à sua queda no final dos anos oitenta do século passado porque representa um estendal histórico de milhões de mortos no processo Holodomor dos anos trinta, nos gulags que não têm a mínima comparação possível com qualquer tarrafal em termos de horror concreto e vivido por milhões.A repressão política feroz, com a liquidação física e sumária de opositores ( o caso Humberto Delgado ao lado destes é ridículo)  aos milhares e em massa no tempo de Estaline; a Censura efectiva que não tem comparação alguma com a produzida em Portugal no tempo de Salazar e nos países europeus na mesma altura; a limitação politica ao Partido, sem qualquer veleidade democrática do tipo ocidental ( não havia partido Socialista democrático, na URSS e nos países de Leste, como esquecem os socialistas que convivem bem com estes comunistas)  e a instauração de um regime verdadeiramente totalitário, assumido e sem qualquer preconceito porque afinal ao serviço do povo...

Só isto bastaria para mandar os comunistas lamber sabão, para ver se lavam a boca ideologicamente suja. Porém, não é isso que sucede. Dá-se voz activa a estes historiadores da pacotilha marxista, que nunca colocam a equação fatal que os desautoriza moralmente: os comunistas não têm qualquer autoridade moral ou política para reivindicar democracia porque não acreditam nisso, enquanto modo de organização social ocidental e europeu. Nunca acreditaram e continuam a não acreditar. A ideia de democracia para um comunista é a popular, a ausência de classes e de luta entre elas, através da socialização dos meios de produção e a criação de uma estrutura burocrática no Estado que controle tal processo. Foi e continua a ser. Daí ao totalitarismo comunista o passo é mais curto que a perna e conduziu ao embalsamento de Lenine e à glorificação de Estaline, o "pai dos povos".

Salazar não tinha só inimigos entre os visados pela mistificadora histórica em causa. Tinha também adversários, conceito que não é conhecido entre os comunistas porque a divisão é sempre a preto e branco entre nós e eles, o povo e os burgueses, os ricos e os pobres.

Salazar tinha o apoio da esmagadora maioria do povo português porque o povo português não era parvo e sabia o valor de Salazar que era um filho do povo que nunca se tornou naquilo em qu os comunistas que dominam o aparelho do poder se tornam: déspotas sem freio de espécie alguma, a não ser cair na desgraça do partido e perder os privilégios que não são extensíveis ao povo. Perderem o direito a casas melhores, a carros melhores, a bens de consumo melhores, a datchas para férias melhores, etc etc etc, numa série de verdades históricas sempre omitidas por estes mistificadores. O povo comunista foi o povo mais oprimido da História, mais que em qualquer fascismo real, o italiano ou o nazi. E essa verdade é tão nua e crua que os comunistas não a engolem e ninguém lha faz engolir, porque o número de idiotas úteis em Portugal não tem conta.

Os povos do Leste fartaram-se desta ideologia que por cá continua vicejante e a dominar os media nacionais, através dos idiotas úteis como este entrevistador.

E quem assim não pense, como essa gente pensa,  é...reaccionário. "Cada vez mais"...  

12 comentários:

aguerreiro disse...

E idiotas inúteis como esta dona Pombinha ainda são mais! É no que dá o comprar "douramentos" fugindo ao trabalho duro.

joserui disse...

Semana sim, semana sim, Salazar. Que grandes sacanas. Que país de tristes.

josé disse...

Não conseguem viver sem Salazar, passados mais de 50 anos. Ganham dinheiro à custa de Salazar e das mentiras que sobre o mesmo propalam.

Floribundus disse...

AOS é uma espinha do tamanho da ponte
onde acabarão empalados

Floribundus disse...

net
nerú « anexou Hyderabad em setembro de 1948 e retomou para a Índia o território de Goa, há séculos ocupado por Portugal, em dezembro de 1961. Esta atitude foi considerada pelo governo português como invasão, e a imagem de pacifista que Nehru tinha criado ao longo dos anos ficou arranhada. »

antónio das mortes, apesar de branqueado, pertence à União Indiana

lusitânea disse...

Os "intelectuais" controlados pelo PCP têm que mostrar serviço.É que quem está com o poder come e quem não está cheira.Temos uma pequena burguesia muito pobre e absolutamente subordinada à ideologia para poder comer...

lusitânea disse...

E os órgãos de propaganda nem um "independente" lá deixam escrever.Bela "democracia" feita de unicidades...

Maria disse...

Floribundus disse...

AOS é uma espinha do tamanho da ponte
onde acabarão empalados

Não pode ter mais razão nesta sua previsão, Floribundus. Foi premonitório. E mais tarde ou mais cedo essa sua previsão ir-se-á cumprir, disso não pode restar a mais pequena dúvida.

A esquerda comunista e socialista tem de facto uma enorme espinha cravada na democracia 'deles' e por mais que tente não a consegue arrancar. E paradoxalmente vive dela e lucra que se farta. É o que ela tem vindo a fazer sem nunca desfalecer, desde há quarenta e quatro anos bem contados.

A hipocrisia e o cinismo desta gente não têm limites. E a mentira também não. Estas esquerdas, todas as esquerdas, vivem, melhor, sobrevivem destas artimanhas diabólicas. (Aliás, tal vem acontecendo sem interrupção desde que este regime foi inventado lá pelos fins de setecentos, bem sabemos onde, por quem e com que intuitos). Elas arquitectaram uma farsa gigantesca a que resolveram chamar 'democracia' única e exclusivamente para viverem dela e dela se governarem opìparamente enquanto tal lhes for permitido pelo povo.

(Alguns governantes dos ex-países de Leste cujos povos provaram o veneno do comunismo no corpo e na alma, já resolveram o assunto. Espera-se que definitivamente para bem deles.)

Trata-se de uma farsa gigantesca interminável, na verdade uma tragi-comédia, sàbiamente montada e melhor representada cujos actos - que se têm vindo a prolongar por demasiadas décadas, quase em agonia, de tal modo que muitos dos actores/interpretes não aguentaram tanto tempo em cena e já foram indo desta pra melhor - estão longe do seu final e da descida do pano. Ou se calhar não.

É por tudo isto que os comunistas e socialistas não deixam a memória de AOS em paz. Não importa. Salazar já se vingou da maior parte das pulhíces, difamações, falsidades, calúnias e brutas mentiras que sobre a sua Memória e a sobre a Obra Monumental deixadas a Portugal e aos portugueses, as mesmas mentiras que têm vindo a ser propaladas sem descanso ao longo das últimas quatro décadas sem a mínima vergonha.

O nome de Salazar sobrevivirá. Os dos pulhas, traidores e criminosos que deram cabo do País e mandaram assassinar milhões de seres inocentes, desaparecerão na poeira do tempo. E se por hipótese seus nomes aziagos aparecerem na/s futura/s História/s de Portugal elaboradas por portugueses de bem e patriotas, sê-lo-ão ùnicamente em rodapé e designados como os maiores traidores à Pátria que já existiram num País Nobre e Honrado que (durante quase mil anos) já foi Portugal.

Maria disse...

Ontem ouvi na "Sociedade Civil" da RTA3, a parvalhona e aldrabona da Irene Pimnente, entre outros convidados mais civilizados.

Esta criatura é do mais antipático que Deus ao mundo deitou. É oportunista e uma grande mentirosa e só sabe dizer mal de Salazar, do Estado Novo e do fascismo, regime em que nasceu cujo Governante que se saiba nunca a incomodou... e se calhar até devia tê-lo feito, era menos uma estúpida e ignorante a menos que agora tínhamos de aturar.

Este regime, mais a imprensa falada e escrita que ele domina de alto a baixo, é desta gente ignara que consegue ir sobrevivendo. Não dispensa criaturas desta índole nas várias televisões e jornais, insistindo em convidá-las para os seus programas e artigos, mês sim, mês sim. Esta fulana é uma delas.

Esta fulana, quando bota discurso, expele ódio por todos os poros (como ela só o Daniel Oliveira e o Louçã) e é insuportável de se ouvir e ver dados os seus esgares de escárnio que lança sobre tudo quanto lhe cheire a Estado Novo e sobretudo àqueles tenham, mesmo que mínimo. apreço pelo Estado Novo e/ou Salazar.

A fisionomia dela, que é característica da raça, diz tudo sobre o Mal que a consome e o desprezo e particularmente o ódio - estes defeitos de personalidade são derivados da inveja exacerbada e que não escondem e que está sempre presente no espírito malsão destas gentes - que devota a toda a humanidade e, com raras excepções, até mesmo aos das sua própria raça. São os próprios que o afirmam. É dos livros.

Maria disse...

"RTP-3"; "Pimentel"

Maria disse...

Leia-se "ex-países comunistas" e "Obras Monumentais"

José - uma homenagem paterna disse...

No dia 25 de Abril de 1974, encontrava-me na EMEL ( Paço de Arcos). Tinha então 19 anos.Descendente de familias pobres, sem ordenado, mas na labuta diária de todos, pais e filhos,os tostões esgremiam-se bem contadinhos. 5 irmãos que em 1974 tiverem a ombridade de verem concluídos os estudos( o 5º e 7º anos da escola Industrial e Liceal).3 foram militares em Àfrica. Estou a lembra-me de Tancos- o roubo do material de guerra e do seu resultadio. É que no dia 28 de Abril de 1974, na EMEL, depois de um dia de serviço e de ter entregado o armamento, o sacana do armeiro, diz... senhor fulano, falta aqui um carregador!.. Não fiz caso. Achei que estava a gozar comigo. Passados 3 dias sou chamado ao comandante da unidade. Uma ameaça. 24 horas para apresentar o carregador ou Trafaria. Não tinha dúvidas que a ameça não era só ameaça. Fui para a feira-da-ladra e encontrei um carregador, nada parecido com o da FBP, com a qual fizera serviço. Não tenho dúvidas que o armeiro me armou uma cilada, tal como recebeu o dito e nunca mais ne incomodou. Mais tarde parto para Angola. Ao 3º dia, saio do Quartel em Luanda e vou passear. Passo em frente à PM e sou detido porque não levava as calças nos plainicos?!...Entre outras ativadas, que vão desde os secos e molhados, civilmente cidadão.. Em 2010 sou punido em Tribunal por ter escrito um mail e enviado aos meu camaradas, denunciando umas verdades. Não o devia ter feito, disse-me o/a MM. 150 dias de multa a 10 €/dia e 1000€ de indeminização a um dos que se sentiram com aquilo que escrivi. Ficou-me este mail em cerca de 3750€.
Conclusão: Antes de 1974, sabia que sabia que não podia infringir. Hoje, nãon sei o que é legal ou ilegal... é uma vergonha e falta de respeito com tudo o que se depara...

Vilar de Mouros, 1971