Páginas

sábado, 1 de julho de 2017

Diz que é uma espécie de frete

O Expresso revista de hoje tem um artigo assinado por Tiago Carrasco sobre um personagem que lhe parece poder dar um filme...

Cá por mim e pelo que li parece mais um frete do que outra coisa. O visado Lalanda está na mó de baixo, acusado de malfeitorias, apesar de ter ( ainda) muitos amigos e um deles é o cirurgião sportinguista Eduardo Barroso, da ilustre casa de socialistas, um bonacheirão que nunca vê mal em nada a não ser o que lhe provoca indignações selectivas e idiossincráticas ( Pedro Guerra do futebol, por exemplo).

O Expresso condoído das dores alheias lá escreve o artigo pleno de ditirambos e pintassalgado de pequenos relatos do ordálio que aflige o santo gestor, dinâmico e empreendedor, genial desde sempre e atraiçoado pelo destino.


Tudo começou com uma coincidência desastrosa: o viajado Lalanda encontrou o estudante Sócrates, por mero acaso de um destino madrasto num restaurante em Paris, através de "um amigo mútuo" que não interessa identificar nem o articulista procurou saber. Coup de foudre!- ou não estivessem na terra deles. Ficou logo combinado juntar a fome do viajante à vontade de comer do estudante e este apesar de tudo terá feito boca fina. Quis saber quem era o viajante, que nem conhecia e pausou um pequeno tempo para aceitar a prebenda de 12 500 euros por mês, pelo trabalho de prospecção em modo caixeiro viajante a favor da forma do viajante endinheirado. O viajante até achou pouco mas o estudante não queria mais. Só ele saberá dizer porquê, mas agora temos o direito em adivinhar.
É assim que se explica o estipêndio pindérico que pouco depois foi aumentado para o dobro, facto que o empregado do Expresso não menciona, provavelmente por não lhe merecer atenção apesar da fraude  fiscal subjacente.

O facto de o viajante ter um apartamento no sítio onde o estudante morava em Portugal e o ter arrendado a um amigo também é mencionado. Assim como o nome desse amigo- Luís  Cunha Ribeiro- parceiro pensador na ARS de Lisboa durante anos, no tempo em que o estudante era primeiro-ministro.
Mas a ligação é anódina. Os concursos em que o dito arrendatário foi jurado e decididos a favor do viajante também são coisa sem importância porque a seriedade dos responsáveis pela coisa pública é lendária e acima de qualquer suspeita.

E assim nos tomam por lorpas. Os do Expresso do Francisquinho, tio e sobrinho das tias daqueles lados em que o viajante tem casa.

Este artigo de encómios disfarçados termina mencionando uma procissão que ainda nem saiu do adro e que o viajante conhece muito bem. Um recado, portanto, em modo siciliano. A propósito de assuntos italianos, parece que a enfermeira que em tempos (2013) denunciou o arrendatário no prédio Castilho, chefe da ARS de Lisboa, teve a honra de ser alvo de atenção de jagunços da "noite do Porto" ( de onde o viajante e o arrendatário são naturais) que lhe queriam o escalpe. Safou-se por pouco, segundo consta.
Portanto, tudo indica que estamos perante  pessoas sérias,  vítimas de infames cabalas.


27 comentários:

joserui disse...

"O viajante até achou pouco mas o estudante não queria mais." !? Eheheh… Só me admira que ainda se plantem eucaliptos, que quando não ardem, servem para este inestimável pasquim vender papel.

Adelino Ferreira disse...

Como as cartas rogatórias da estranja nunca mais chegam, mete-se mais uns cavacos na fornalha para o fogo lavrar até ao dia de só nunca à tarde

lidiasantos almeida sousa disse...

http://kdfrases.com/autor/schopenhauer

Ricciardi disse...

O melhor é não exagerar no salário do josezinho na octafarma porque senão lá vão a teoria de que o homem vivia acima das suas possibilidades.

É melhor que fiquemos pelos míseros 12,5 mil euros por mes. Se o homem ganhar muito mais por fora tudo aquilo que ele gastou após 2012 tem justificação clara e, nessa altura, só ficamos mesmo com uma eventual fuga ao fisco.

Portanto, cuidado. Não apurem a verdade em demasia porque pode, sei lá, botar abaixo algumas teses.

O que me parece claro, para ja, que ainda não foi parida qualquer acusação, é o gigantesco prejuízo que a prisão preventiva deu ao indiciado. É provável que, sem trabalho (perdido por foi preso) o homem passe dificuldades graves.

Acontece que, ao contrário dos tempos antes de ser preso em que o indiciado podia contar com a boa vontade do amigo Carlinhos, agora nem isso. O amigo tem os bens e as massas congeladas ou arrestadas.

É provável que esteja a acumular dívidas. Já vendeu o carro e alguns bens. Mas ainda tem uma fortuna imensa, a julgar pelo que o correio da manhã noticiou, em sapatos que comprou em Nova Iorque. Prada.
.
Esperemos com paciência que venha a resposta das cartas rogatórias e que, e isto é essencial, não explorem outras vias de investigação para justificar novos adiamentos.

Rb

muja disse...

Pois é. Coitado... Manda-lhe algum do teu, para ele ter que comer.

Viver acima das possibilidades é mal que toca a muitos. Tivesse poupado os 7 mil por mês de salário de PM em vez de os gastar na Bija, em L.A. Isto quando um salário dá para meia-dúzia de gravatas, se calhar é melhor repensar a vida não?

Bijan - gravatas: $1200 p'ra cima; fatos: $25.000 p'ra cima.

http://most-expensive.com/store-world

Adelino Ferreira disse...

"Esperemos com paciência que venha a resposta das cartas rogatórias e que, e isto é essencial, não explorem outras vias de investigação para justificar novos adiamentos"

Com os suspeitos da chinesa e o dos "corninhos", a investigação a cargo do pessoal do "mistério público" já está todo na reforma e alguns já terão passado para o lado de lá

joserui disse...

O inestimável continua por aqui? Não se percebe isto.

joserui disse...

Essa história do Bijan é que é inestimável e como nenhum jornalistazeco achou de interesse para a populaça. É um retratinho tão lindo do trafulha… uma daquelas histórias que não se conseguem inventar, um caso em que a realidade ultrapassa em muito a ficção. Eu adoro que um prime minister of Portugal faça compras no Bijan. O país merece.

muja disse...

O mais engraçado é que nem com o salário da octapharma ele deixaria de estar a viver acima das possibilidades ao fazer compras nessa loja. Digo eu, que considero torrar dois ou mais ordenados numa albarda só viver acima das possibilidades que tal ordenado me concede. Isto sem contar camisa, gravata, botões de punho, cinto, meias, sapatos e eventualmente mais ainda.

Diz que os clientes gastam em média 100k...

Mas não fosse ele o que disse que as dívidas não são para pagar...

Adelino Ferreira disse...

Vocês distorcem a realidade e por isso são muito felizes.

O "senhor" disse: as dívidas (referindo-se ao estado) não são para pagar, são para se ir pagando; e não é que são mesmo!

joserui disse...

Claro que não… 25k + 10k de algum lado, não daria para o nível de vida que o trafulha exibe. Depois de impostos seriam 15k… mas que fossem 30k. Só de avenças a mulheres, ex-mulheres e sei lá que mais ia tudo. Um fato seria um mês de salário…
É uma forma de viver. Já conheci dois ou três borra botas que viviam assim, de expedientes, sempre à custa dos outros e com a filosofia que não era para pagar. Mas piores são os inestimáveis, que acham tudo muito certo, que o achavam o homem certo para o país, que nunca roubou nada (100 milhões até me parece pouco)… ou os que acumulam tudo isso e ainda juntam umas larachas pseudo-juridico-intelectuais e preocupação com o prejuízo que o moço tem, como o inestimável de serviço a este blogue.

joserui disse...

Para se ir pagando? No idioma socialista, pagar é dever mais a cada dia que passa.

joserui disse...

Diz o pasquim da sonae que não caíram raios no sítio e à hora do início do incêndio de Pedrógão Grande… então a PJ não descobriu a árvore onde tudo começou, em cinco minutos? Isto está tudo minado, só um retardado ainda acredita numa única palavra do que dizem os jornais. Eu só sei que: Houve um incêndio enorme naquela zona, morreram e ficaram feridas muitas pessoas, morreram milhares de animais, foram destruídas muitas casas e arderam dezenas de milhar de hectares. Sobre o inestimável governo e o estado que temos, nem vale a pena conjecturar.

Adelino Ferreira disse...

Oh meu senhor, o ódio faz mal à saúde e trás outros inconvenientes que me dispenso de referenciar.

Se a prisão fosse o lugar para todos os que, as declarações de rendimentos entregue na AT não têm correspondência com os bens possuídos e a vida que fazem, era preciso quadruplicar o número de celas existentes e não sei se chegariam.

Ladrões, corruptos & associados, todos para a cadeia, independentemente do tipo de ideal político que defendam. E já agora, os mentirosos também.

zazie disse...

Será que este idiota não sabe a diferença entre um roubo ao povo por via de eleição e uma cena privada que afecta apenas qualquer coisa privada?

Será que ele se sente eleito?

Na volta é isso: o que está em cima é igual ao que está em baixo; logo, esperam chegar acima pelas sacanices privadas idênticas que também sabem fazer.

zazie disse...

Um Primeiro Ministro ou o carteirista de bairro são a mesma coisa.

Qual havia de ser a diferença?
É por isso mesmo que o carteirista nem tem impunidade parlamentar.

zazie disse...

É a esquerda que se reconhece pelo "pá". Estás fixe, pá?

Prá frente ó pessoal das barracas que foi com este slogan que tomaram conta disto.

Adelino Ferreira disse...

"Será que este idiota não sabe a diferença entre um roubo ao povo por via de eleição e uma cena privada que afecta apenas qualquer coisa privada?"

Não, Ermelinda! Os roubos na coisa privada afectam a coisa pública, e é por isso que a maioria dos portugueses pagam demasiado em impostos.
Tu és mais bolos e insultos...

zazie disse...

Tu és mais é serradura dentro do bestunto.

Se um gigantesco roubo privado afecta a coisa pública, um roubo privado feito através da coisa pública por confiança dos cidadãos nessa pessoa para o cargo, afecta o quê?

A tua tia, se calhar.

É a lógica dos bons dos nossos-filhos-da-puta.
E de esquerda- pelos pobrezinhos. Vivem que nem nababos a sacar mas são de esquerda, pela igualdade e pelos coitadinhos.

zazie disse...

Um roubo privado é tratado pelo afectado em tribunal

Manobras a coberto do cargo político e para controlar e dominar meio mundo, são outra coisa- são a boa da vossa ideologia anti-capitalista.

zazie disse...

Uma coisa incrível como v.s conseguem idolatrar tudo o que da boca para fora condenam nos outros.
É a moral de caca. São uns moralistas hipócritas porque sabem que é a única maneira de poderem ser gente.

zazie disse...

Ser de esquerda deve ser isso- sentirem sempre afinidade com o mais merdoso dos crápulas.

O chunga riquinho por saque, que só assim pode chegar ao que inveja.

Adelino Ferreira disse...

É natural que já sintas os aplausos da plateia e dos camarotes... Ó minha indigente, alguma vez escrevi aqui ou noutro lado algum comentário a defender o sr engenheiro? Busca e bota aqui.

zazie disse...

ehehehehe

Anedota.
Junta-te ao outro que fazem um lindo para de "críticos" não apoiantes

Adelino Ferreira disse...

Estás como capacidade de argumentação que ainda te levam ao palácio :)

joserui disse...

Eu já contei antes, também viajei para a Alemanha com um exemplar assim… ia tendo uma apoplexia logo de manhã quando eu debitei umas quantas sobre o grande trafulha Sócrates… E na China? — dizia ele —, E na China? Se soubesses como é a corrupção na China estavas calado!!!
O país precisa de homens como o Sócrates porque é isso que faz rodar o mundo e sempre foi. E na China é pior.
É mesmo Zazie — a lógica dos bons dos nossos-filhos-da-puta.

Floribundus disse...

Gibert Bécaud

Et maintenant, que vais-je faire
De tout ce temps que sera ma vie
De tous ces gens qui m'indiffèrent

'un jour vachement chaud'


diz-se que a geringonça e o PR são o único problema do rectângulo

politica de esquecimento depois do aquecimento (warm up)

falta
ostentatio genitalium

só entusiasmo urinário