quinta-feira, 26 de abril de 2018

O condicionamento espiritual do antifassismo

Em 18 de Junho de 2014 coloquei aqui um postal para dar conta do que foi a evolução nos media impressos, em Portugal, desde os tempos da manhã de Abril de 1974 e até antes até então.

Tal postal permanece actual e carece de uma actualização para que se entenda o domínio efectivo da esquerda que incensa a manhã de Abril até ao paroxismo do "25 de Abril sempre, fascismo nunca mais!".

Actualmente, com uma excepção muito mitigada num  jornal semanário, O Diabo, redactorialmente muito fraquinho, não há um único órgão de informação geral em Portugal, impresso e que se venda em quiosque, capaz de contrapor ao discurso do "fascismo nunca mais!" um qualquer argumentário convincente e eloquente,  susceptível de mostrar que no tempo de Salazar e Marcello Caetano, anterior portanto àquela manhã de Abril,  houve muitas coisas que merecem ser contadas e apreciadas devidamente e mesmo seguidas como modelos porque nos honram como país e nação. E principalmente não há ninguém que escreva e  saia do modelo do antifassismo militante que execra Salazar acima de tudo.

Pelo contrário, todos os media existentes estão pejados de jornalistas que para exercerem a profissão carecem de um juramento à bandeira antifassista. De tal modo que o discurso escrito da classe sobre esse assunto é unitário, unidimensional e de sentido único. Quem não professar o credo antifassista elaborado pela esquerda comunista e socialista não tem lugar nas redacções escritas e muito menos nas direcções mediáticas.

Isso é profundamente antidemocrático se quisermos seguir a cartilha professada na profissão. Um regime que não admite opinião que possa pôr em causa esse pensamento único é um contraponto ao regime que os mesmos apelidam de fascista.  Com uma agravante: no regime de Salazar e Caetano a esquerda socialista e comunista manifestava-se nos escritos, entre linhas e nas escolhas redactoriais porque já então dominavam as redacções, o que aliás é reconhecido pelos próprios.

Actualmente não há registo de tal escrita publicamente impressa e quem o faz em blogs, como este, é simplesmente apelidado de reaccionário ( "cada vez mais...") o que revela o carácter profundamente antidemocrático desses democratas que na maioria dos casos professaram o comunismo, muitas vezes esquerdista que os marcou indelevelmente.

Quem dirige actualmente os jornais que temos? Todos profissionais do antifassismo primitivo, o que foi ensinado nas escolas oficiais, antes e depois daquela manhã de Abril. Será isto normal e digno de uma sociedade que se diz democrática?
Qual a diferença entre um regime destes e o que os mesmos apelidam de fascista, existente antes da manhã de Abril? Só de polarização e nem isso. Antes havia "oposição democrática" com direito a expressão, mesmo encriptada porque subterrânea e mesmo clandestina.  Aliás, esta mentalidade forjou-se nesse tempo e passou o testemunho nas escolas de jornalismo entretanto criadas, okupando todo o espaço mediático e ideológico.

Isto não é normal e quem acha que é e assim deve ser sofre de défice democrático.

Quem é que dirige e escreve no Público? Um antifassista encartado nas escolas posteriores à manhã de Abril. Por isso foi escolhido. E por sua vez escolhe quem escreve opinião e artigos. Antes dele, deste Dinis, esteve uma outra antifassista artsy artsy, ultimamente muito preocupada com uma certa audiência de julgamento que decorre à porta fechada, mas antes nunca ocupada noutras audiências bem públicas como o caso Face Oculta, por exemplo e para ficar por aqui.
Antes dela, o actual redactor principal no site Observador, José Manuel Fernandes, reconvertido ao liberalismo, à falta de melhor expressão que designe alguém que tendo sido de extrema-esquerda viu a luz muito tarde na vida adulta e seguiu o caminho da conversão, sem abandonar o antifassismo matricial que o impede de ver para além disso.
Antes dele esteve um que ainda anda a militar no antifassismo de raiz socialista democrática e por isso sectário qb., Vicente Jorge Silva.

Assim, o Público é desde a sua origem um jornal antifassista que exulta sempre nas efemérides daquela manhã de Abril.

E o resto?

O Diário de Notícias, desde o tempo de Saramago e antes dele, faz o que o poder que manda nele manda fazer. É um jornal pau-mandado e tem actualmente como director alguém que há pouco tempo nem se achava capaz de o ser. Porém, desde a manhã de Abril, como é natural, é um bastião antifassista, sem uma brecha que seja na estrutura genética. O Jornal de Notícias, agora no mesmo grupo, segue naturalmente as pisadas ideológicas e sempre seguiu aliás, mesmo no tempo dos redactores intelectuais como Manuel António Pina, já falecido e um antifassista encartado na poesia.

Os outros jornais do Porto, Comércio do Porto e Primeiro de Janeiro, nos anos oitenta ainda tentaram inaugurar uma tímida divergência ideológica alternativa, com um Freitas Cruz e algumas pessoas ligadas ao CDS, mas ainda assim "rigorosamente ao centro"  e portanto antifassistas por empréstimo, também  de loas à manhã de Abril.

Em Lisboa, os jornais desaparecidos- A Capital, Diário de Lisboa, Diário Popular- e os entretanto aparecidos e também já desaparecidos, O Século numa nova fórmula, um Portugal Hoje e outros,  por falta de audiência, seguiram todos o mesmo guião do unanimismo opinativo e redactorial, antifassista e de loas à manhã de Abril, com o desprezo assinalado no dia próprio, pelo que se passou anteriormente.

Em 44 anos de democracia, esta serviu para execrar e vilipendiar o regime que substituiu. Os argumentos para tal redundam sempre no mesmo: faltava liberdade. E agora, não falta liberdade para se dizer publicamente e sem receio de ser apelidado de reaccionário, que o anterior regime precisa de ser melhor estudado e tinha coisas boas?

A razão para este estado de coisas já nessa altura, no postal de Junho de 2014 as enunciei e por isso reproduzo:
 
Ao longo dos últimos 40 anos a evolução mediática em Portugal pautou-se por um fenómeno singular: uma esmagadora maioria de esquerda domina ideologicamente tais media. Por esquerda compreendo aqueles que acreditam nas virtudes salvíficas do socialismo, democrático ou nem isso. Portanto, do PS para a esquerda do espectro político e com grandes fatias de simpatizantes do PSD e até do CDS.

Para percebermos como foi possível este estranho fenómeno na sociedade portuguesa temos que recuar alguns anos antes do 25 de Abril de 1974 e entranharmo-nos nos próprios anos sessenta, após o Maio de 1968 e das crises académicas em Portugal, no ano seguinte e com percursores muito antes disso.

Não obstante tal tarefa ingrata obrigar a mostrar um Alberto Martins a provocar publicamente o então presidente da República, Américo Tomás e ainda mais atrás um Sampaio cenoura sentado a protestar nas balaustradas universitárias, podemos cingir-nos ao período que começou logo em 1974, no início do PREC.
Um dos jornais mais esquerdista e desabridamente comunista que apareceu então, era o semanário Sempre Fixe dirigido por Ruella Ramos que também se ocupava da propaganda comunista no Diário de Lisboa.
O Sempre Fixe de Setembro de 1974 exultava com a queima de jornais, num público auto de fé antifascista. Jornais fascistas, claro está e que só por isso podiam ser queimados, sem que alguém levantasse um dedo de escrita em protesto.


Durante os anos setenta foram aparecendo jornais cuja ficha redactorial ensinam mais que mil palavras sobre a Esquerda que dominou ideologicamente esses tempos e logrou implantar ( como quem implanta um dente de ouro postiço...), um léxico bastardo na linguagem corrente da época.
Quem melhor dá o retrato do abuso e do crime cometido é um indivíduo que era então comunista e se reciclou no PS, sendo presidente da Sociedade Portuguesa de Autores. José Jorge Letria escrevia assim no "E tudo era possível"...


As fichas redactoriais desses anos setenta alinhavam os nomes que fizeram então o jornalismo e ensinaram aos que lá aprenderam e estagiaram que a Esquerda é quem manda e quem não obedecer não tem lugar ao sol na profissão.
A Vida Mundial de Março de 1975, apesar de o seu director ser um cripto qualquer coisa, e ter colaboradores como António José Saraiva,  era um cóio de comunistas que aplaudiram as nacionalizações, o PREC e o caminho para o socialismo com amanhãs a cantar numa sociedade sem classes. O Alexandre Manuel que estivera na Flama católica, era dos piores...



O Jornal apareceu em Maio de 1975, com jornalistas associados numa espécie de cooperativa. Tudo de esquerda e próximos do então MFA, com laivos de revolucionarismo à la "documento dos Nove",  com apoio a um Conselho da Revolução de PREC.
Na mesma altura e para combater a força política do esquerdismo com doença infantil e o PCP, apareceu o Jornal Novo, cuja ficha redactorial é muito instrutiva.


 
A Opção que saiu em 1976 era socialista até à mediocridade gráfica, dirigida ainda por Artur Portela Filho, vindo daquele Jornal Novo.


Estes jornalistas, mais os que estavam nos diários, como Diário de Notícias, República ou Jornal de Notícias do Porto, essencialmente são os que fizeram a escola de jornalismo portuguesa e em que aprenderam os que agora estão a afundar os jornais todos, com a desculpa da Internet, da crise e outras de mau-pagador. São todos de esquerda, da bem-pensante e da extremista, alguns reciclados no socialismo democrático e outros ainda não. Basta atender ao que passa a Antena Um para o perceber.

Em finais dos anos setenta ( Março de 1979)  apareceu o Correio da Manhã, um jornal abertamente popular e populista, sem interesse para o caso que nos interessa e apenas revelador de que começou a aparecer gente que queria ganhar dinheiro com jornais, nomeadamente os que ganhavam dinheiro com a Maria e a Crónica Feminina e quejandas. O Tal& Qual, surgido logo a seguir, em 1980, não andava longe do conceito, embora fosse redigido por gente de esquerda, notoriamente. E notava-se. Ferreira Fernandes, por exemplo.

Nos anos oitenta foram aparecendo outros para onde transumavam alguns dos jornalistas que saiam daqueloutros, entretanto findos e falidos, como ficaram quase todos. Nenhum se aguentou nas canetas de tinta esquerdista.

O Expresso de Julho de 1984 tinha esta ficha redactorial:

O Tempo, semanário maldito e marginalizado pelos bem-pensantes, tinha esta, em Agosto de 1984:


O Diário de Notícias de Setembro de 1985 já deixara o PREC há dez anos mas ainda acolhia a nata da esquerda democrática, aquela que não deixava abolir o artigo que impedia a reversibilidades das nacionalizações, na Constituição.

O Jornal de Notícias de Janeiro de 1984 era o que mais se aproximava do jornal popular com correspondentes por todo o lado, como agora nem há. Quase todos de esquerda.


A Grande Reportagem aparecida a lume em 1985 refulgia na novidade da CEE, com as luminárias do antigamente de uma esquerda democrática e associada a um PS desmarxizado, como António Barreto e António-Pedro Vasconcelos, com figuras como Vasco Pulido Valente   iconoclasta, mas também algo jacobino.


 Nos anos noventa apareceram outras publicações que enquadraram os mesmos jornalistas ou outros entretanto surgidos e seguidores da mesma escola.

 Em primeiro lugar e na primeira fila dos herdeiros de O Jornal e da esquerda bem pensante, a Visão, saída em Março de 1993.



O semanário Já, do proto-BE, apareceu em Março de 1996 e era graficamente um mimo. Substancialmente de esquerda e com os devidos tiques.



 A Factos, de Outubro de 1997  durou pouco porque também prestava pouco.


Em meados da década de oitenta começou a delinear-se o novo paradigma: as aquisições e fusões editoriais, tendo sempre os mesmos ou quase como protagonistas.Daqui sairam as rádios e as televisões privadas, com gente do antigamente esquerdista a mandar de novo.

Este artigo é do Semanário ( um jornal que não tinha ficha redactorial, mas fugia um pouco ao padrão esquerdista) de 1 de Março de 1986.



Faltam aqui outros jornais e outros jornalistas porque isto pretende apenas ser uma mostra do essencial.

Há um ponto comum a todos estes jornais e revistas: nenhum deles alguma vez, durante estes últimos quarenta anos escreveu um artigo sobre Salazar como o que mostrei num postal anterior, no jornal A Rua e da autoria do "fascista" Manuel Maria Múrias.
Todos, provavelmente, cuspiriam para o lado se os questionassem sobre o assunto publicamente e perante a tv...

É isso que mostra a diferença e o mal que temos na nossa democracia: afinal é mesmo uma democracia limitada e entregue à tutela da Esquerda, incluindo a dita democrática, ou seja o PS e franjas do PSD.

Esta mentalidade pode melhor ser compreendida se lermos o que diz o actual presidente da República numa entrevista ao Jornal de Notícias do passado dia 22:


Há qualquer coisa de estranho e esquisito nisto: Marcello Rebelo de Sousa, filho de um dos ministros do regime deposto, adoptou os tiques do antifassismo mais primitivo, logo desde o início, quando sabia que o regime deposto não era tão mau que tal merecesse. E principalmente não era tão mau como o que os antifassistas originais queriam como regime substitutivo.

Por isso, ajudou a fundar o PPD, depois PSD. Mas nunca se demarcou daquele antifassismo e ostenta cravo na lapela para celebrar aquela manhã de Abril.

Coisa esquisita...este pensamento de tabula rasa. Estranha mesmo.

19 comentários:

Floribundus disse...

um destes 'diz tinto' colaborador
chamou autarca a um autocrata

aumento de drogados
«En este documento presentamos los resultados de la tercera Encuesta Nacional sobre el
Consumo de Sustancias Psicoactivas en la Población General, Portugal 2012, llevado a cabo
por CESNOVA – Centro de Estudos de Sociologia da Universidade Nova de Lisboa para o SICAD
– Servico de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependencias. Este estudio constituye
la continuación de la serie de estudios publicadas en 2001 y 2007, acerca de la evolución
de las prevalencias, los modos, circunstancias y consecuencias del consumo de sustancias lícitas
e ilícitas en Portugal
7. Aunque la población de estudio haya sido ampliada en 2012 para incluir
el grupo etario de 65 a 74 años, el análisis comparativo se centra especialmente en la
población con edades comprendidas entre los 15 y 64 años

lusitânea disse...

Muita propaganda não os vai safar.A economia tudo derruba.Até URSS...
Este panorama apresentado não alarma a chamada "direita" que prefere render-se ao caminho para o socialismo científica às fatias fininhas...
Agora tudo o que não seja raça mista não presta!

Ricciardi disse...

Haverá algum pais no mundo, desenvolvido, com bem estar aceitável, que tenha uma regime semelhante àquele que vigorou durante mais de 40 anos até ao 25 de Abril?

Um só. Um.

Um pais autocrático, corporativo, antidemocrático e antiparlamentar como se auto classificava o regime salazarista?

Havera?

Se houver mui agradecia que o indicassem, a ver se eu, com exemplos eloquentes desse calibre posso também enfileirar no grupelho de saudosistas do velho estado novo.

Ate levanto a mão em cumprimento fascista e tudo.

Não parece que haja país algum que seja desenvolvido econômica e socialmente sustentado nessas ideias.

Não há.

As autocracias que existem deram todas para o torto. Invariavelmente.

As de esquerda por inanição economica. As de direita por questões de inanição social.

O lamento do José acerca do não reconhecimento dos méritos do estado novo não é compreensível. Parece ate um bocado acriançado o lamento.

É evidente que conseguimos sempre, mas mesmo sempre, encontrar aspectos positivos num mar de desalento. Não há alguém inteiramente mau. Um gajo genricsmente mau também tem cenas boas. Desconfio que até o diabo deve ser um tipo bom para ir aos copos numa sexta à noite.

E o contrário também é verdadeiro.Como dizia o cardeal reichelieu: deem-me 6 linhas escritas pelo mais honestos dos homens e encontrarei nelas 6 motivos para o enforcar.

O caso do Salazar vem nesta ordem logica. O homem pode ter feito algumas coisas bem. Mas aquilo que fez de mal faz um tipo esquecer o lado bom.

Então , vejamos, só porque o diabo é um tipo porreiro nas sextas feiras vai fazer-nos esquecer aquilo que ele faz de sábado a quinta?
.
Rb

Tiro ao Alvo disse...

Esqueceu-se da Bárbara Reis que dirigiu o Público empurrando-o, o mais que pôde, para a esquerda.

josé disse...

Não esqueci, leia por favor "a directora artsy, artsy" porque é ela mesmo.

E a senhora é a tal que agora anda muito preocupada com o julgamento à porta fechada do caso da Univ. Fernando Pessoa. Ela queria ir lá coscuvilhar...

José Domingos disse...

Uma das maiores conquistas do 25 a foi o TC( todos comunas )que passará a ser a consciência da esquerdice. Parecem uns corvos, com a cereja em cima do bolo, estarem a intervir a quando do regate.
Não souberam ou tinham indicações para não saberem. Um verdadeiro estado direito

Floribundus disse...

o jornalixo em suporte de papel, proveniente das celuloses poluentes do ambiente e proprietárias dos eucaliptos destruidores da terra,
há muito que quase não tem leitores

a poluição do jornalixo centra-se nas tvs e rádios

até ver as redes sociais permitem liquidar os adeptos dos socialismos

os postos cimeiros
estão entregues a trampolineiros

muja disse...

Esquisita, para o José, que ainda crê que a democracia permite o confronto de ideias, patati, patata.

Permite tanto quanto outros, em querendo.

É engraçado que pareça não ver os tais ventos de que tanto fala: a mudança de “paradigma” na justiça, em sentido lato, mas também no Direito.

A razão pela qual a igualdade democrática tão almejada pelos ingénuos não existe e não existirá nunca é que a causa é que determina a justiça dos meios.

É esse o paradigma desde a 2a GG, representado simbolicamente pelos tais crimes contra a humanidade.

É por isso que é legítimo censurar de qualquer forma um fascista, fassista ou fachista, mas não um comunista.

É por isso que matar certos alguns é crime contra a humanidade e certos outros é poupar vidas.

É por isso que os privilégios a uns são discriminação positiva e a outros são opressão.

É por isso que os terroristas de uns são os combatentes da liberdade de outros.

muja disse...

Portanto devia perceber que, se reconhece crimes contra a humanidade, deveria perceber que por associação de causas, facilmente feita, é criminoso por cumplicidade - e portanto legitimamente censurado.

Tanto faz dizer que é pela democracia e liberdade, porque procura defender causas condenadas - portanto não tem direito a tais benefícios.

muja disse...

É assim que funciona e, para retomar o fio à meada anterior, o capitalismo convive perfeitamente com este estado de coisas.

Até o promove, quando vislumbra nisso um qualquer proveito.

Floribundus disse...

mensagem de Identificação de Novas Substâncias Psicoativas (NPS)?

''Quantos de vocês viram a Molly hoje?”

Madonna
Ultra Music Festival, Miami, 2012

Floribundus disse...

ficou por incluir

« Novas Substâncias Psicoativas (NSP), conforme definição adotada pelo Escritório
das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC), são moléculas desenhadas, em sua
maioria, para fins ilícitos e com o objetivo de evadir as medidas de controle nacional e
internacionalmente aplicadas às substâncias já controladas, das quais derivam ou
mimetizam os efeitos. NSP apresentam efeitos similares aos de outras drogas, como
Cannabis sp., cocaína, heroína, LSD, ecstasy ou metanfetamina »

um perigo em cada esquina

josé disse...

O relativismo prático, portanto. Tudo é igual...e nada é diferente.

É falso, parece-me e há por aí vários sofismas.

A democracia não é um sistema perfeito mas prefiro viver em democracia, mesmo aturando comunistas ( desde que reduzidos à importância real) do que em sistemas que não sendo democratas pretendem apenas impor uma ideia fixa a todos. Ou seja, em ditaduras puras e simples.

A Turquia de Edorgan está neste momento a caminho desse paradigma porque não tolera opositores que pretendam apeá-los, chamando-os terroristas, apoiantes dos separatistas etc etc.

A Liberdade é palavra polissémica mas tem um sentido inequívoco quando as pessoas sentem que não são livres.

Por isso, relativizar os conceitos é o que a Esquerda costuma fazer. O comunismo justificava-se nas purgas e nas mortes do Holodomor com os mortos deixados por conta do capitalismo...

josé disse...

Nunca foi inventado um sistema perfeito de organização social e de governo.

Há tentativas e a melhor de todas parece-me a que garante um mínimo de concorrência entre ideias de organização social desde que minimamente consensuais.

Neste consenso entra a ideia de Liberdade que não sendo absoluta se aproxima mais desse conceito em Democracia do que em Ditadura, por muito que se venha aqui louvar as vantagens da estabilidade em ditadura.

Tudo passa pela noção de melhor bem comum para todos, mas nem isso é consensual. A Coreia do Norte não duvida que o regime é o melhor para o seu povo. Estaline não dizia o contrário e o camalada Mao também.

Por cá tivemos os seus seguidores que juravam o mesmo.

Então a pergunta fatal, caro muja:

O que defende, realmente? Que sistema de governo e organização social prefere?

Diga lá claramente e sem subterfúgios porque eu já disse o que preferia.

J H P disse...

Ora aí está, a Auschwitz Portuguesa:

https://www.dn.pt/artes/interior/34-milhoes-para-revelar-a-auschwitz-portuguesa-9289770.html



joserui disse...

Jesus… não era de Auschwitz que o Cunhal e outros comunas fugiam numa base regular? Para estes canalhas nenhum campo de concentração é pequeno demais. 34 milhões … os alemães deviam fechar a torneira de vez.

joserui disse...

O Muja já disse. Uma ditadura, qualquer uma serve. Até uma monarquia do inferno, como na Coreia do Norte — que não é como o José diz, a "Coreia do Norte" não é o retardado comunista, neto e filho de outros dois retardados. Que ele pense que é o melhor regime, não duvido. Está gordinho, parece um rato chino, enquanto o povo definha de magro e bicha solitária (que no caso, de solitárias têm pouco).

muja disse...

Ausentei-me e só agora tenho vagar para responder.

Já o disse: a chamada 2.a República Constitucional parece-me o melhor que se fez.

É isso que eu defendo, para responder cabalmente à pergunta cabal.

Defendo mesmo sem tirar nem pôr, porque quem não sabe, o melhor é não mexer para não estragar.

Mas admito que quem soubesse, quisesse e pudesse fazer melhor.

muja disse...

Eu não me chamo Alberto Gonçalves, e dos meus comentários tem esta loja o exclusivo...

Não quero nem preciso de crendenciais de democrata - bastam-me as de português.