segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Toca a reunir


Bruxelas, 16 Nov (Lusa) - O ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Luís Amado, admitiu hoje que a situação em torno do processo Face Oculta é "de preocupação para todos", considerando natural que membros do governo "emitam opiniões" políticas.
Amado, que falava em Bruxelas à entrada para uma reunião de chefes de diplomacia da União Europeia, remeteu para o regresso a Portugal comentários sobre o processo, precisamente pelo facto de estar a chegar a um conselho ministerial dos 27 na capital belga, mas, perante a insistência dos jornalistas, reconheceu tratar-se de "uma situação delicada, que tem alguma gravidade".
Questionado sobre as recentes declarações públicas sobre o processo de alguns membros do Governo, como os ministros da Economia, Vieira da Silva, e da Defesa, Augusto Santos Silva - que alguns partidos da oposição consideraram configurar "pressões" sobre os investigadores - , o ministro dos Negócios Estrangeiros considerou-as "naturais".´

Naturalmente que o PS, agora como em ocasiões anteriores, como foram os casos da Casa Pia, Freeport, e todos os que contendam com figuras gradas do partido que colocam em causa os fundamentos da estutura dirigente, actuam com espírito de "corpo", de resistência aos ataques externos da "canalha " que os pretende defenestrar dos lugares de poder.
Isso, para não ir mais atrás e mais longe, por exemplo ao caso do fax de Macau e ao livro de Rui Mateus, um proscrito do gotha socialista que se refugiou em lugar ignoto.
Os apaniguados do partido defendem as costas dos visados porque sabem que serão eles as vítimas se os colegas forem corridos dos lugares de relevo. Todo um sistema de vidinhas vai à vida airosa se o regime se afundar.
Daí à razão de Estado, à ponderação de oportunidades, à desvalorização de factos, às mentiras e ocultações recorrentes e à cabala como teoria política constante, vai um pequeno passo que dão em comum e com sentido de grupo acossado, depois de reunirem em conferência de interessados.
Na semana passada, um ministro gorgolejou a teoria da cabala em tonalidades de golpe de estado, imputando "à investigação criminal" intuitos de espionagem política. Tanto bastou para que os apaniguados, em tom de sabujice ambiente viessem para as colunas dos jornais replicar a ignomínia.
O PS vive assim há largos anos e tem-se dado bem com esta intrujice permanente. Vivem disso mesmo e o pior é que tem logrado enganar a maioria das pessoas que vota.

5 comentários:

Anónimo disse...

Luís Amado era um tipo interessante para substituir esta coisa a que chamam de PM e salvar a face de um PS que está às portas de se tranformar ele próprio no centro de uma campanha negra contra Portugal. Tenho-o como pessoa de honestidade certa.

Jose Silva disse...

Amado e Martins parecem distanciar-se do PS oficial, a pensar já no P.S., isto é, no pós-socratismo

josé disse...

No outro dia vi-o na Tema dos Resaturadores a consultar os jornais estrangeiros, incluindo o New Ypor Review of Books.

Não estou a ver o Zé Pinóquio a fazer o mesmo...

O problema é que depois, o Amado não conseguia ir ao Parlamento e fazer figuras tristes como este, mas sempre bem histriónico a falar ao Ó sor deputado!" Ó sor deputado!"

josé disse...

O PS está afundado neste esterco que enlameia todos, até mesmo esses que citam.

Não sabem viver de outra forma e precisam de todos para sobreviver.

O A. Martins tem obrigação de saber como funciona o MP porque vive ou viveu com uma magistrada. Pelo menos pode saber como funciona o sistema por dentro...ahahaha!

joserui disse...

Pelo menos pode saber como funciona o sistema por dentro...ahahaha!
C'um caneco! -- JRF