quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

A miséria anunciada

Económico:

A agência de notação financeira prevê uma recuperação a três velocidades na Europa ocidental.

Numa nota hoje divulgada, citada pela Bloomberg, a agência de notação financeira projecta que Portugal deverá ficar preso numa recessão prolongada, juntamente com a Espanha, a Irlanda e a Grécia.

A culpa disto não é do tempo nem da "crise internacional" ( que só agravou a situação) nem de toda a gente que vota em eleições.
A culpa disto, não haja qualquer dúvida, é da Esquerda que temos, ajudada pela pseudo-direita que assume complexos. Simplesmente.

9 comentários:

João Simas disse...

Ou seja, chamando os bois pelos nomes, do PS e PSD..
de quem governou!
Como silogismo, estamos conversados.

Ljubljana disse...

A direita que não quer assumir-se como tal, mas sim como centro direita. Ou antes, a direita envergonhada.

Wegie disse...

Isto é o que se chama disparar à esquerda e à direita sem acertar no alvo. Que tal um sistema judicial merdoso e pejado de corruptos e incompetentes, muito especialmente no que diz respeito ao Ministério Público ?

José Domingos disse...

A ditadura dos socialistas e comunistas, que assaltaram o aparelho de estado, depois do vinte cinco, juntamente com os orgãos de formatação, meros altifalantes da esquerda montada no sistema, censuram qualquer tentativa da direita apareça em Portugal. A direita que está autorizada, pela esquerda, a andar por aí, são meros acomodados ao sistema, com a sua quota parte de culpa, ao estado a que isto chegou

joserui disse...

José fora do tópico, mas interessante no New York Times: http://www.nytimes.com/2011/01/30/magazine/30Wikileaks-t.html?_r=1
"an organization called WikiLeaks, a secretive cadre of antisecrecy vigilantes" Hehe. -- JRF

Floribundus disse...

hoje no Colombo
cebolas da França e do Chile
kivis da Nova Zelândia
romãs da Turquia

não há tecnologia
Portugal=registadas cerca 50 mil patentes de invenção (+ de 99% estrangeiras)
EUA=cerca de 8 milhões (1/4 com menos de 20 anos)

os dirigentes são uma merda
«fazem fraca a forte gente»

Manuel Pereira da Rosa disse...

José, permita-me discordar, mas a culpa não tem lado. Está em toda a elite, nomeadamente três classes profissionais: juristas, jornalistas e economistas.
Como pretende um soberano fazer justiça não tendo tribunais judiciais soberanos para exercê-la? O SUPREMO TRIBUNAL DE JUSTIÇA é uma ficção. Chama-se supremo, mas tem um tribunal superior! Diz-se de justiça, mas esta está capturada pelo poder político. É uma impossibilidade!
Como consegue um povo ter direitos, quando a soberania os não protege e garante? Pelo contrário, os seus órgãos sacrificam de forma arbitrária os direitos de uns a favor de interesses e delitos de outros. A soberania alega e proclama que os direitos estão em conflito e confronto uns com os outros. Rouba a uns para benefício de outros. Proclama-se o direito de roubar!
De que serve a uma sociedade criar direitos para lhes atribuir as características do arbítrio? Nos conflitos e confrontos, os direitos dos mais fracos serão sempre destruídos.
Como quer um povo uma democracia assente num estado de direito, se não tem juristas capazes de lidar com o direito sem arbitrar (entortar)? Descaracterizam o direito, introduzindo a conflitualidade no seu seio. Depois, relativizam e arbitram. Necessitam ser reciclados.
Como aspira um povo progresso e modernidade se apenas tem como alternativas escolher entre bandos de delinquentes contumazes que o tiraniza e rouba? Violam a Constituição e proclamam a sua delinquência como sendo um acto normal assumindo um ar sério e ingénuo!
Como pode um povo trabalhar com estabilidade e paz social, se a sua República se constitui todos os dias como uma tirania e império de ladrões, sob o arbítrio de alguns, ao serviço de interesses particulares, onde os juízes são acossados, perseguidos e se refugiam em seguradoras, enquanto são vilipendiadas por um poder político delinquente? A justiça é considerada espionagem e os juízes qualificados de espiões pelos políticos!
Como quer um povo constituir e construir um estado de direito, suporte da democracia e condição necessária para alcançá-la, quando os neurónios dos cidadãos que preenchem as elites do poder político e da opinião pública não conseguem funcionar e pensar direito?
Portugal não é uma democracia porque não é um estado de direito. Impera o arbítrio generalizado.
É uma tirania.

josé disse...

Meus caros: a afirmação que faço, em modo de opinião é o corolário de vários textos que tenho colocado por aqui e vou continuar a colocar.

Refiro-me às opções políticas e de política económica, apenas.

Desde 25 de Abril, a Esquerda destruiu o essencial do tecido produtivo que pertencia aos privados, ao capitalismo clássico. Substituiu-a por uma série de empresas públicas que hoje vemos o que são, como funcionam e o que trazem ao nosso PIB.

Só em finais dos anos oitenta, depois da entrada na CEE se começou a liberalizar a Economia, começando pelo sector dos serviços. No entanto, o sector produtivo e industrial não se desenvolveu de modo coerente como antes tinha possíbilidade de se desenvolver. Em Espanha tal não sucedeu.

Mesmo assim, com a privatização desses serviços, passou a existir uma dependência do Estado tentacular, de modo que nenhum banco ou seguradora vivem desgarrados do Estado. A prova está no BES e no BCP e no que lhes sucedeu.

As empresas públicas que foram ficando tornaram-se oligopólios onde se depositam boys and girls que depenam o erário público e acrescentam défice em cima de défice durante décadas a fio.

O SNS é obra da Esquerda, vaca sagrada que delapida os recursos da Saúde. A Educação é um logro e um embuste, porque não é excelente nem aproximadamente como poderia e deveria ser porque antes de 25 de Abril o era.

Assim, a minha conclusão não pode ser outra porque isto é obra do bloco Central, onde cabem o PS e o PSD, únicos partidos que goveranram a chafarica durante mais de trinta anos.

Se isto chegou onde chegou a culpa é exclusiva deles. De uns tantos que nem chegam a um milhar de pessoas. E de quem vota neles, obviamente.

Carlos disse...

Desculpem, mas não resisti a copiar este comentário do: "do Portugal Profundo".


Anónimo disse...
AFINAL NÃO SOMOS POBRES...SOMOS ESTÚPIDOS (vale a pena ler)



Estava há dias a falar com um amigo meu nova-iorquino que conhece bem

Portugal.



Dizia-lhe eu à boa maneira do "coitadinho" português:



Sabes, nós os portugueses, somos pobres ...



Esta foi a sua resposta:



Como podes tu dizer que sois pobres, quando sois capazes de pagar por um

litro de gasolina, mais do triplo do que pago eu?



Quando vos dais ao luxo de pagar tarifas de electricidade e de

telemóvel 80 % mais caras do que nos custam a nós nos EUA?



Como podes tu dizer que sois pobres quando pagais comissões bancárias por

serviços e por cartas de crédito ao triplo que nós pagamos nos EUA?



Ou quando podem pagar por um carro que a mim me custa 12.000 US Dólares

(8.320 EUROS) e vocês pagam mais de 20.000 EUROS, pelo mesmo carro? Podem

dar mais de 11.640 EUROS de presente ao vosso governo do que nós ao nosso.



Nós é que somos pobres: por exemplo em New York o Governo Estatal, tendo em

conta a precária situação financeira dos seus habitantes cobra somente 2 %

de IVA, mais 4% que é o imposto Federal, isto é 6%, nada comparado com os

23% dos ricos que vivem em Portugal. E contentes com estes 23%, pagais ainda

impostos municipais.



Um Banco privado vai à falência e vocês que não têm nada com isso

pagam, outro, uma espécie de casino, o vosso Banco Privado quebra, e vocês

protegem-no com o dinheiro que enviam para o Estado.*

*E vocês pagam ao vosso Governador do Banco de Portugal, um vencimento anual

que é quase 3 vezes mais que o do Governador do Banco Federal dos EUA...



Um país que é capaz de cobrar o Imposto sobre Ganhos por adiantado e Bens

pessoais mediante retenções, necessariamente tem de nadar na abundância,

porque considera que os negócios da Nação e de todos os seus habitantes

sempre terão ganhos apesar dos assaltos, do saque fiscal, da corrupção dos

seus governantes e dos seus autarcas. Um país capaz de pagar salários

irreais aos seus funcionários de estado e da iniciativa privada.



Os pobres somos nós, os que vivemos nos USA e que não pagamos impostos sobre

o ordenados e ganhamos menos de 3.000 dólares ao mês por pessoa, isto é mais

ou os vossos 2.080 €uros. Vocês podem pagar impostos do lixo, sobre o

consumo da água, do gás e da electricidade. Aí pagam segurança privada nos

Bancos, urbanizações, municipais, enquanto nós como somos pobres nos

conformamos com a segurança pública.



Vocês enviam os filhos para colégios privados, financiados pelo estado (nós)

enquanto nós aqui nos EUA as escolas públicas emprestam os livros aos nossos

filhos prevendo que não os podemos comprar.





Vocês não são pobres, gastam é muito mal o vosso dinheiro.



Vocês, portugueses, não são pobres, são é muito estúpidos..........

O jornalismo prenhe de ouvir dizer