quarta-feira, 30 de março de 2011

Um sarau é uma arma carregada de futuro

Já lá cantava o catalão... no tempo da outra senhora e assinalando a poesia.

Esta semana a revista Flash ( que vou passar a consultar porque é um excelente barómetro da sociedade portuguesa "afluente") publica uma pequena reportagem alusiva às comemorações do Dia Mundial da Poesia, na Sala das Bicas do palácio de Belém.
O pequeno texto da revista é um must que se encaixava na perfeição , nos textos da revista Nova Antena, do antigamente. No tempo da outra senhora, D. Gertrudes de seu nome.
O sarau literário-social-comemorativo teve a organização da Primeira-Dama, a quem Vasco Graça Moura, sempre presente, dedicou uma declamação. Escreve a revista que "chegou a nomear a primeira-dama de alta magistrada da poesia".

Presentes no evento, vários actores, o filho de Miguel Sousa Tavares ( que tocou piano, lindamente, certamente), Manuela Eanes e até Simone de Oliveira, a decana das desfolhadas.

Pois, pois...os últimos versos do poema do catalão, do antigamente e do tempo da outra senhora, a D. Gertrudes, diziam assim

Maldigo la poesía concebida como un lujo
cultural para los neutrales
que lavándose las manos, se desentienden y evaden.
Estamos tocando el fondo,
estamos tocando el fondo.



3 comentários:

zazie disse...

ahahahha
Que ironia deliciosa.

Karocha disse...

Loooollllll, no comments!

Carlos disse...

Foi bom recordar Paco Ibañez.

O CM arrasa um juiz do TCIC